quarta-feira, 27 de fevereiro de 2008

Não fui eu...não tenho nada haver com isso...

De tempos em tempos, acontecem na bacia de Campos incidentes que nos lembram o risco ao qual estão submetidos os trabalhadores na atividade de exploração de petróleo...
É verdade que muitos avanços em matéria de segurança foram implementados, e o número de vítimas fatais diminui bastante...
Uma lamentável forma de proceder, porém, ainda persiste...
Apontar causas ou culpados de forma prematura é desrespeitoso com os envolvidos e seus familiares, bem como anti-democrático e danoso a imagem das empresas...
Também lamentável é o "correr" das notas oficiais, emprenhadas de defesa prévia, do tipo: condições climáticas favoráveis (Petrobrás) ou revisões quinezenais do equipamento (BHS, tansportadora aérea)...
O correto, e humano seria hipotecar toda a solidariedade às famílias das vítimas, e garantir que rigorosas investigações determinarão as causas, em respeito às vítimas, aos seus direitos e os direitos de seus familiares.
Ao contrário...
Mantêm a lógica empresarial perversa, ditada pela agendas jurídica-financeira, políticas e da publicidade...
Essa estratégia é mesquinha e ineficaz...
Todos sabemos que em os empregadores são, em primeira instância, responsáveis pelo ambiente de trabalho, e pelos incidentes...
Na presença de incidentes sempre haverá como causa uma falha: na escolha/implantação, na execução ou na revisão de um procedimento.
Esses procedimentos são inerentes a atividade exercida pela empresa, e portanto, sua responsabilidade é sempre subsidiária.
Se fossem vendedores de carros, ou balconistas, não sofreriam incidentes de trabalho à bordo de um helicóptero

Nosso blog se solidariza com as famílias...

Nenhum comentário: