domingo, 20 de abril de 2008

Chance perdida...

Como de costume, após a refeição matinal, faço a ronda virtual nos blogs e meios de comunicação tradicionais...
Depois das atualizações e respostas aos leitores desse, e de outros espaços que participo, tento buscar inspiração para publicar alguma coisa útil...o que nem sempre consigo, vocês têm razão...

Hoje, no entanto, tomei um susto....Ao abrir a página virtual da Folha da Manhã me deparei com um editorial intitulado: "Chance única"...
Era uma ótima chance de ficarem calados, e parece que os editores da Folha preferiram, infelizmente, fazer o contrário...Chance perdida...
Tamanha desfaçatez, e incongruência não são fiéis ao estilo da Folha, que sempre sabujou quem estava no poder, mas sempre o fez com alguma inteligência...Parece que os "milhões de motivos" que os fazem apoiar e seguir na defesa de Mocaiber anestesiaram a necessidade de imprimir textos de qualidade...Pouco importa mesmo, eles hoje praticamente só escrevem para suas "torcidas organizadas", e dos políticos que ungem com favores editoriais...

Não me contive, e farei aqui uma autópsia do texto, em pedaços como diria Jack, o estripador...tirem as crianças da sala, e não tentem fazer isso em casa...é perigoso...


"Chance única

A confirmação do retorno de Alexandre Mocaiber ao comando da Prefeitura — e tudo indica que assim acontecerá — lhe dará a oportunidade de rever o quadro de auxiliares e de mostrar firmeza e vontade de acertar nesses sete meses que nos separam da eleição, o que não aconteceu até então por acomodações políticas que, quase sempre, fragilizam as administrações públicas."

Aqui o editorialista tenta "vender" uma possibilidade como fato, a volta do prefeito, e a partir daqui "contamina" seu texto com uma premissa que dá por certa, embora saiba ser isso impossível..."acomodações políticas" que fragilizam..." Tentativa de justificar o injustificável, acomodações e acordos buscam fortalecer os governos, e não o contrário...fica claro a nova estratégia...vitimizar Mocaiber na lógica de que foi um inocente útil...mentira, nem inocente, nem útil...a lógica que aqui pregam não se aplica aos seus desafetos, como o Governo Lula, por exemplo, de quem cobram ciência sobre tudo e todos...


"O que, no caso de Mocaiber, ficou claro durante o tempo em que esteve à frente do governo. Reassumindo a Prefeitura, uma das primeiras providências que deverá adotar, caso queira realmente recuperar o tempo perdido, vai ser a criação de um Conselho de Governo, formado por pessoas habilitadas e capacitadas a lhe dar suporte técnico e credibilidade junto à opinião pública."

Aqui outra manobra...legitimizar os novos nomeados frente a opinião pública...ora, quem entrar em um governo desses já manchou de antemão sua biografia, como fez o bombril cara nova Dieguez, que depois esmolou um carguinho junto a RH...Outra manipulação absurda é tentar dividir o Governo Mocaiber em antes e pós afastamento....Que se diga, nem Jesus Cristo daria credibilidade a esse governo, e correria o risco de ser "crucificado" novamente...

"Se não agir assim e tentar insistir com pessoas que provocaram toda esta confusão, o risco será bem maior — para ele e para o município que precisa de paz para crescer. É preciso deixar claro que, diante de tudo que ocorreu, este jornal, como todas as pessoas responsáveis, será severo na cobrança de uma administração limpa e eficiente"

Aqui destacamos um grave erro, que desmascara os interesses do grupo: "este jornal...será severo na cobrança"....Isso quer dizer duas coisas: Somos os novos avalistas do governo, e segundo, seremos severos é porque nunca fomos...Uma pérola não...?


". Até porque é o que todas pessoas de bom senso exigem. Seriedade e determinação, espantando de uma vez por todas a corrupção, amiga dos que só querem tirar proveito dos cargos que ocupam, é algo que tem de ser perseguido e extirpado sem piedade. Se Mocaiber não der uma guinada violenta, afastando da administração os “amigos” que se aproveitaram das suas indecisões, não valerá a pena voltar."

Permanece aqui a tentativa de estabelecer um divisor de águas, ainda com a justificativa dos atos de Mocaiber como fruto de uma indecisão inocente...Mocaiber decidiu delegar os poderes, sua indecião nada mais é que uma decisão política, uma forma de diluir pressões e construir a imagem de conciliador e generoso...Nas palavras do seu slogan: Um governo de paz...
O estilo indeciso de Mocaiber é artimanha daqueles que carecem de carisma, e sabem disso...Mas esse comportamento não é casual, nem inofensivo como nos querem fazer crer os gendarmes da Folha...



"Os que foram colhidos por ações nocivas ao erário público, não poderão voltar ao governo. Ninguém aceitará, inclusive a própria Câmara Municipal que, resistindo a pressões fortes, resolveu reempossá-lo em sessão extra e diante de um público que nunca acreditou em desonestidade do prefeito que livremente elegeu. Em todo esse episódio, boa parte da população não escondeu sua preocupação com o aproveitamento político da crise que eclodiu em 11 de março. E, dentro deste quadro, não escondeu seu receio com o retorno de políticos que utilizam métodos nocivos e ultrapassados para atingir seus objetivos, indiferentes aos interesses da comunidade onde atuam."

Aqui o recado é para garotinho, e no fim das contas para a população, ou seja, continuaremos a utilizar esse jornal para defender todos que se dispuserem a enfrentar garotinho, e não importa que sejam iguais ou piores do que eles, desde que nossos interesses não sejam admoestados...

" Alexandre Mocaiber terá que se conscientizar, reassumindo o poder, que vai ter uma Polícia Federal atenta à movimentação de seu governo, o que é bom, muito bom. Com ou sem a pirotecnia que costuma utilizar em suas ações mais fortes, este órgão fatalmente irá balizar as evoluções da administração municipal. Aliás, o vice-prefeito Roberto Henriques pode ter dado uma ajuda a Mocaiber, afastando do governo pessoas que estavam em suspeição. Num país onde a corrupção cresce nos mais diversos setores de atividade (Governos, Justiça, Parlamentos, Polícia e nas empresas que se empoleiram em volta do poder, principalmente as empreiteiras), esta contaminação que consome a sociedade continuará gerando Mensalão, Propinoduto e Telhado de Vidro."

Nesse ponto, o nobre editor faz uma "nacionalização" da conjuntura, como forma de incorporar e e generalizar comportamentos...Essa perspectiva serve para nivelar todos os políticos, e dizer que o "pobre" Mocaiber quase foi obrigado a ser o que é...Outro aspecto interessante é que cita empresas parasitas, mas esconde a promiscuidade das empresas jornalísticas...Erro grave, pois uma menção a esse tipo de relacionamento poderia até dar um verniz de credibilidade, outra chance perdida...

"Aliás, nos dois primeiros casos, ao contrário do que acaba de acontecer aqui, os titulares dos governos federal e estadual, colocados sob suspeita, não foram afastados de seus cargos. Mocaiber saiu e voltou. Que aproveite a chance, pois se desperdiçá-la, dificilmente terá outra."

Aqui o fechamento da manipulação, ou tentativa de, que demonstra a desonestidade a que o incauto leitor esteve submetido...Não houve ação de improbidade que permitisse afastamento dos outros mandatários que tenta "colar" no caso Mocaiber....Pode-se questionar o fato das autoridades não terem promovido essas ações em desfavor de Lula, ou de Garotinho, mas o fato imutável é: elas não existiram, e portanto, falar em afastamento desses mandatários é desonestidade...
Mais uma vez, para concluir esse assassinato a razão, dá como certa a volta que ninguém, em sã consciência, afirma como certa...
É a execução do ensinamento dos nazista, aliás ótimos propagandistas: mentira mil vezes dita, vira verdade...

A partir de hoje não mais utilizarei, ou comprarei produtos que anunciarem nesse jornal, e no seu rival...acho que seria um bom começo, pelo bolso, para que tais manipuladores repensassem o papel da mídia, e a responsabilidade que têm nesse descalabro todo...

12 comentários:

Anônimo disse...

Concordo plenamente com este comentário. O jornal FdaM nasceu à sobra dos poderosos, se criou com o ex-prefeito Raul Linhares, se consolidou com o oligarca Zezé Barbosa, aderiu ao projeto populista do Garotinho, mandou e desmandou com Sérgio Mendes/Arnaldo/Mocaiber, sempre com a máxima "o verbo sempre se submete ao tamanho da verba". É lido por uma classe média mediocre intelectualmente, que só se interessa por colunas socias e neste episódio recente perdeu totalmente a vergonha, a credibilidade e o rumo. Parabéns pelo blog.

Anônimo disse...

É coisa de felijoada. Mistura-se tudo,inclusive pé de porco.

xacal disse...

Feijoada, e indigesta

Obrigado pela visita senhores...

Anônimo disse...

O anônimo se esqueceu de colocar na lista dois nefastos poderosos (pleonasmo?) que foram fundamentais para fazer a Folha chegar aonde chegou: Alair Ferreira e Inojosa.

xacal disse...

Bem lembrado, bem lembrado...

Falta ainda nosso Chebabe...

Manoel Caetano disse...

Boa análise chacal.

Toda esta crise jurídica do 18 de abril ao menos serviu para derrubar de vez as máscaras da dissimulação.

Ficou muito claro para a população de Campos quem são os comparsas...

Desde a operação Telhado de Vidro, Bacellar e a Folha da Manhã silenciaram-se a respeito de Mocaiber e seu lamaçal, como se este assunto fosse de interesse apenas da justiça e da PF, e concentraram artilharia em Garotinho, numa nítida tentativa de desviar a atenção dos incautos...

No entanto, no calor do 11 de março e dos dias que se sucederam, cautelosamente, evitaram sair em defesa pública de Mocaiber. No entanto, ao dar luz as publicações ilegais das escutas, ao entrevero infantil entre o garoto da lapa e Bacellar etc., colocaram Mocaiber numa zona de sombra, ajudando-o, pelo menos e a princípio, indiretamente.

Agora, na expectativa do retorno de Mocaiber, que julgam inevitável (tomara que estejam enganados), saem em clara defesa dele. Para os que são capazes de ler nas entrelinhas, o que foi escrito sem ser, estas atitudes em nada surpreendem. Esse amor "estava escrito nas estrelas, é assim..."

Manoel Caetano disse...

ERRATA: O primeiro "no entanto" no quinto parágrafo do texto acima não deveria existir, favor ignorá-lo.

Brand Arenari disse...

O texto do Xacal além de divertido desmascara bem o editorial da folha. Quando li o editorial da “folha” hj pela manha, duas coisas me impressionaram muito, e parecem ser a tônica do editorial. Primeiro a tentativa de deslocar a imagem de Mocaiber do que aconteceu, o tornando vítima, demonstrando-o quase como um refém nas mãos de auxiliares corruptos. Usando técnicas parecidas como fizeram com Lula e de certa forma com Arnaldo também. Afinal, quem nunca ouviu em Campos que a suposta corrupção do Governo de Arnaldo era culpa de sua esposa e não dele. Já a segunda é a propagação do engodo de que podemos apagar tudo, ou melhor, esquecer tudo e começar um novo governo de Mocaiber. Nisso querem tirar o conteúdo histórico, e esvaziar um possível debate.

Bruno Lindolfo disse...

Robert Musil explica a mentira repetida nazista em outras palavras:

"Não há nenhum pensamento importante que a burrice não saiba usar, ela é móvel para todos os lados e pode vestir todos os trajes da verdade. A verdade, porém, tem apenas um vestido de cada vez e só um caminho, e está sempre em desvantagem”.

Robert Musil

Se a Folha hoje tenta descolar o ex-prefeito do escândalo, jogando ao fogo seus secretários que estão hoje lá na Polinter, é porque essa artimanha certamente foi combinada previamente e juntamente com Mocaiber.

Ótima hora para os "traidores" e agora "traídos", que estão lá pelas bandas da Polinter, se manifestarem.

Manoel Caetano disse...

É ponto pacífico...

A F. M. está tentanto livrar a cara de Mocaiber.

As questões agora são?

Como a população, de um modo geral, vai se posicionar?

O jornal terá exito? Vai conseguir descolar Mocaiber da lama perante, boa parte da população?

A ilusão de que "daqui pra frente tudo vai ser diferente" vai prevalecer?

Será que mais uma vez terminará em pizza, ou melhor, chuvisco?

A manifestação de sábado "CHEGA DE PALHAÇADA" será uma boa oportunidade para que todos os que sonham com uma cidade melhor, trilhando um novo caminho, possam se reunir e iniciar um movimento organizado e forte de moralização política.

Brand Arenari disse...

caros debatedores, postei no Blog "outros campos" uma crítica mais acabada do meu comentário aqui. Convido-os a leitura.
Abraco

Roberto Moraes disse...

Caros Xacal e demais comentaristas,

Há que se reconhecer que pelo menos desta vez, o editorial explica as formas e os conteúdos das matérias.

É cada vez mais evidente como a mídia tradicional vai cumprindo o papel os partidos políticos tomando posições em busca ou na manutenção do poder.

Suas matérias, suas opiniões, a multiplicidade relativa delas, reproduzem um lado da disputa, com o único e grande problema, com a pretensa idéia repassada de neutralidade e com ganhos de dinheiros públicos obtidos em publicidades obtidas a partir da exposição dos problemas de gestão que acabam servindo de balizadores dos valores cobrados.

A análise do editorial na sua essência não há o que se contrapor. Na mesma linha também a descrita pelo Arenari no blog "Outros Campos".

Mais uma vez a importância dos blogs locais. Que não nasceram com a pretensão de serem neutros, mas de usarem os espaços para expor outras opiniões e estimular o debate, numa sociedade que esta mídia pretendeu que fosse única.

A expansão da rede e de sua visibilidade já estão operando mudanças reais e concretas em quem deseja algo mais.

Mesmo sabendo que este processo está se dando de forma gradativa, tenho me espantado, nas últimos semanas e nos últimos dias com a quantidade de pessoas que se referem às notas, textos e debates existentes aqui nos blogs com a intimidade de quem está acompanhando tudo de perto.

Não falo daqueles com quem nos relacionamos no cotidiano. Refiro-me a outras pessoas e a um número crescente delas que há muito estavam necessitadas de espaços novos.

Cumpramos nosso papel.
Abs,
Roberto Moraes