segunda-feira, 28 de abril de 2008

Declaração de independência...

O professor Roberto Moraes em seu blog resumiu em palavras os sentimentos que nos engasgam...
Emprestamos e repercutimos aqui nesse espaço o texto...o sentimento que nos une é esse:

Quem teve chance e em vinte anos não fez, perdeu a chance e a vez...

"Ta na hora de mudar o Muda Campos!

Esgotou-se. Não cumpriu o prometido e desvirtuou-se a serviço de um projeto político pessoal. A cidade neste período se enriqueceu e se empobreceu simultaneamente. Os royalties que inundaram a cidade, especialmente nos últimos dez anos, fizeram crescer o interesse pelo controle do poder por parte daqueles que tinham e ainda têm demandas privadas.

Junto aumentou a pobreza e a dependência.Os empregos não vieram, mas felizmente aumentou a capacidade daqueles que podem fazer e construir algo novo, além de ajudar na partilha do governo. A população não quer um déspota e nem um “banana” que vive a gritar pela Paz.
Demandamos políticas públicas mais transparentes e eficientes com os generosos recursos que o município dispõe.
O Muda Campos já completou mais de 20 anos e seu tutor continua a querer tutoriar pedindo mais outros vinte, fingindo-se de alternativa.Nem criador, nem criatura, o povo já tem agora uma outra cultura e não suporta mais miniatura.
Tem-se hoje tantos cifrões quanto senões.
Novas pessoas, novos métodos para a busca de boas e eficientes políticas públicas que acabaram sendo deixadas de lado, enquanto aumentava apenas o disse-me-disse, em meio ao emaranhado de agressões pessoais e de desvios de recursos e de sonhos.
Há muitos municípios pelo país avançando nas suas gestões com muito menos recursos financeiros ou técnicos. Seriedade, rigor, trabalho árduo e abertura de espaços para novos gestores, numa máquina mais enxuta e profissional na prefeitura de Campos podem produzir melhorias inimagináveis.A oportunidade faz a ocasião.
O fato de não se ter criado forças políticas alternativas, para ocupar o espaço surgido em meio aos desmandos e, a esta falsa polarização, poderia ser um problema, se a conseqüência fosse uma paralisia, mas por diferentes caminhos, ela está sendo rompida, não sem a ajuda dos dois pólos que continuam a se digladiar falando mal um do outro, sem nada de novo apresentar ou oferecer a àqueles a quem pedem apoio para seus novos vôos.Um novo caminho é irreversível, mas não há porque ter açodamento e nem se pode aguardar desenlaces naturais. O caminho há que ser construído no próprio caminhar.
Campos merece algo melhor!"

por Roberto Moraes

3 comentários:

Blog Vitor Longo disse...

Xacal amigo,

Realizamos um evento de importância regional. Nada de modéstia. Tinha quatorze cidades representadas neste evento.O Itaú ajudou, mas não custeou o total dos custos do evento.

Esquece novamente a modéstia, mas eu coloquei cerca de R$ 2.000,00 do meu bolso, para que o evento se concretizasse.

O evento foi um sucesso em número de participantes e em representatividade.

No entanto, aproveitei ele para dar uma versão, toda própria da minha ideologia, do "CHEGA DE PALHAÇADA".

O fiz de forma democrática, ou seja, houve depoimentos de atletas de outras cidades, que publicamente discursaram favoravelmente pelos gestores públicos de suas respectivas cidades.

Em contra ponto, pedi que os atletas campistas fizessem o mesmo. O resultado você, inteligente e antenado que és, já imagina.

Trezentos participantes, um recorde em evento desta natureza em Campos. SEM NENHUM SUBSÍDIO PÚBLICO E AINDA COMPLEMENTADO COM OS PARCOS RECURSOS DE UM PROFESSOR IDEALISTA (desculpe o narcisismo).

Durante o evento, não podia perder a oportunidade, de com o microfone (particular, ou melhor pago por mim) de protestar em nome do esporte e dos atletas excluídos de Campos.

Sabe qual foi o resultado: levamos uma chuva de ovos e, eu pessoalmente, recebi ameaças de um Sr. de denunciar ao patrocinador oficial a minha posição e de não ter mais o apoio que tenho há 9 anos.

Não me conhecem. Talvez pensem que vão me calar diante dessas ameaças, descasos, inércia, competência e criatividade de quem deveria apoiar e/ou promover o esporte de massa em Campos.

Peço deszculpas aos meus filhos menores, mas ameaças para mim, nada significam. Para os meus filhos procuro deixar um legado de honestidade, de honra e de valores eternos.

Ao longo da minha carreira profissional, construi um ideal, e meus filhos sabem disso. Se eu jogar esse ideal no ralo, os meus filhos serão os primeiros a me cobrar.

Não me comportarei como esses diversos homens públicos, que até de viado são e foram chamados pela população e, em certa época, adversários políticos (ouço demais estes adjetivos por pessoas comuns), e mesmo assim estão juntos. Falsos, mentirosos, sem identidade. Querem é estar nas boquinhas pequenas de um governo sujo, haja visto os noticiários nacionais.

Por fim queria te dizer que fui eufemista nas minhas colocações para não lhes abrirem brechas em prejudicar minhas crianças, por que eu não tenho medo. Só tenho cuidado com meus verdadeiros amigos e amores, quais sejam: OS MEUS FILHOS.

Desculpe o comentário desabafador.

Um forte abraço.

Prof. Vitor Longo Braz.

xacal disse...

Vítor, mais uma vez parabéns pelo evento e pela iniciativa...

Deverias ficar animado, pois esses atos de desespero demonstram que estamos no caminho certo...

Essas pessoas não têm nada a oferecer a Campos dos G., mas não permitem que ninguém as ofereça, pois assim perderão as "vantagens" as quais desfrutam desde 1988...

Creio que esses dias estão contados...

Anônimo disse...

Prezado Xacal; veja esta. É imperdível! Veja em http://oliveirafilho.blogspot.com/ a Entrevista: Dr. Mocaiber sobre a nova Ponte. É muita cara-de-pau.