domingo, 27 de abril de 2008

Detalhes...

O diabo mora nos detalhes...
Esse texto extraído da versão eletrônica da revista Carta Capital traz uma observação acerca do papel da rede Globo, e sua relação com órgãos de controle de suas atividades...
Mas o interressante é o desfecho da questão da justiça na corte do STJ, que ainda está em curso...
Pode ser coincidência,mas o ministro que adere a tese da Globo é um velho conhecido nosso...


"Uma ditadura global

Está empatado, em 1 a 1, no Superior Tribunal de Justiça (STJ) um processo que se arrasta desde 2000, com uma multa aplicada pela Justiça do Rio de Janeiro à TV Globo. Em jogo, além da multa de 5 milhões de reais (valor não corrigido), o respeito às normas legais de classificação de exibição das novelas. No caso, o folhetim eletrônico A Próxima Vítima, que foi retransmitido no programa Vale a Pena Ver de Novo. O enredo da novela tem uma série de assassinatos, cenas de sexo e violência. Foi veiculada após as 20 horas. A repetição, no entanto, seria feita na parte da tarde. A emissora comprometeu-se no Ministério da Justiça a readaptar a novela para o horário vespertino. Segundo a promotora Patrícia Pimentel, o Ministério da Justiça encaminhou ofício do Ministério Público informando que “a adequação ao horário livre não estava sendo cumprida”. Portanto, foram veiculadas cenas “inadequadas às crianças e adolescentes”. A pena foi calculada no valor de 20 salários mínimos “por cena de violência ou sexo exposta”, com valor sendo revertido para o Conselho Municipal dos Direitos da Criança. A Globo perdeu no Rio de Janeiro em primeira e segunda instâncias. Recorreu ao STJ. A relatora manteve a decisão e o ministro Humberto Gomes de Barros decidiu contra a punição. Aceitou a tese da defesa de que a emissora não teve o direito de se defender. Para a promotora Patrícia Pimentel, as cenas exibidas dispensavam explicações. A Globo agiu como quis."

Ele mesmo...o meritíssimo que reconduziu alexandre MACABRO ao cargo parece gostar de agradar aos poderosos...

Nenhum comentário: