quarta-feira, 16 de abril de 2008

Orçamento participativo...

O orçamento participativo pode ser um bom primeiro passo na direção do controle social dos recursos advindos dos royalties...
Idéia aperfeiçoada nas terra do Uncle Sam, destina parte dos recursos para que a população decida as prioridades na sua execução...
Cria, além das virtudes das participações e amadurecimento democrático das instituições, um vínculo da população com aquilo que o município arrecada, desenacadeando um processo de fiscalização permanente e capilar...

Não é uma panacéia a qual RH poderia se valer na defesa dos royalties, e na recuperação de nossa abatida credibilidade...

Mas seria uma demonstração de boa vontade, uma carta de intenções, com sinalização clara na mudança no eixo de deliberação da comunidade da planície...
Se RH abandonasse a tentação de se mostrar viável a garotinho, e implantar medidas que apontem mudanças estruturais, pode se descolar da imagem do continuísmo e dependência que até agora enxergamos nele...e a qual garotinho insiste em lhe atribuir...

2 comentários:

FÁBIO SIQUEIRA disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
FÁBIO SIQUEIRA disse...

Boa Xacal!
Como já disse, em comentário no post "Considerações acerca da reunião do CAE... ou o preço do futuro...", a nós, povo desta planície, não caberia reverberar a oportunista mobilização das águias paulistas, ávidas por abocanhar um quinhão dos royalties relativos ao campo de Tupi.
O controle social vem sendo apontado - desde a implantação das infrutíferas Audiências Públicas realizadas pela Câmara Municipal - pela sociedade civil local como a única forma de adequar estas receitas ao interesse público. O orçamento participativo sempre foi colocado como a melhor forma de estabelecer tal controle. Mas o Executivo nunca abriu mão de controlar e manipular o Orçamento, submetendo a própria Câmara a seus escusos interesses.