domingo, 27 de julho de 2008

Mundo Cão...


Tropas israelenses mataram agora há pouco um militante graduado do Hamas, em sua casa, na cidade de al-Khalil...
Shihab al-Natshesh era um dos líderes do braço armado do Hamas, a brigada de Izz el-Din...
O governo israelense acusava a vítima de ter sido o responsável pelo atentado em Dimona, em fevereiro, que matou uma mulher israelense...
De acordo com testemunhas, os soldados israelenses abriram fogo contra a residência de Natshesh...


A Agência Reuters apurou o comunicado da brigada que prometeu uma "resposta dolorosa"...
Fontes: fotoreprodução AFP, informações da AlJazeera magazine.

2 comentários:

claudiokezen disse...

Fala, Xacal. Como descendente de libaneses, eu vejo com muita tristeza este conflito sem fim no Oriente Médio. Interesses das potências européias desde o fim da primeira guerra e dos Estados Unidos depois da segunda alteraram o mapa daquela região, dividindo países, criando outros novos, mas principalmente, destruindo o tecido social de países antes orgulhosos de suas heranças culturais e suas histórias ancestrais. Muita gente não sabe, mas o Oriente Médio era basicamente constituído de alguns poucos países, como o Iraque, a Síria , o Líbano, e o Irã - este de etnia persa. Já depois da 1ª guerra, os ingleses e franceses dividiram estes países em vários outros - Emirados Árabes, Bahrein, Kwait, etc... - provocando uma ruptura social tão profunda, que não é surpreendente que hoje em dia facções radicais islâmicas sejam tão atraentes para as novas gerações de árabes. Mais ou menos o que acontece nas áreas desassistidas pelo poder público no Brasil. Isto se aprofundou com a criação do Estado de Israel, uma das maiores aberrações do direito internacional já sancionada pela ONU. Nada contra os judeus e seus descendentes, tenho muitos deles como amigos pessoais, estou tratando de geopolítica. E o pior, é que os estas potências colocaram no poder político e militar destes novos países e até dos tradicionais, famílias, ou ditadores que garantissem os seus negócios, ou seja, petróleo a baixo custo. Antes da recente alta internacional do petróleo, era assustador perceber que o custo de produção de um litro deste combustível era mais barato do que o de um litro de água mineral. Pensa bem...é um filme velho, não?

Xacal disse...

com certeza, cláudio...

esse filme é velho, e pelo jeito não tem nunca um final feliz...!

um abraço, e obrigado pela participação.