terça-feira, 15 de julho de 2008

Todo apoio...

Muito importante a greve do petroleiros da Bacia de Campos...
Além da justiça das reivindicações sobre o descanso remunerado, e a alteração da escala de embarque, com a consideração do deslocamento até a plataforma como dia laboral, está a mensagem política do movimento...

Aos que supunham um sindicato domesticado pelo governo federal, pelas históricas ligações entre CUT e PT, aí está a resposta...
O SINDIPETRO/NF, pela força de sua base e legitimidade de seus líderes sindicais, demonstra que é possível manter os mesmos instrumentos de luta intactos, sem no entanto, deixar de reconhecer que há governos/patrões mais dispostos e receptíveis ao acordo que outros, em virtude de orientação ideológica: mais ou menos conservadora...

Todo apoio ao SINDIPETRO/NF pela independência dos movimentos sociais...!

8 comentários:

Anônimo disse...

Acho que vou entrar de greve tambem, afinal, todo dia perco 2 horas do meu dia para chegar e sair do trabalho...

Essas horas tem que ser consideradas horas de trabalho!!!

essa petrobras é uma piada mesmo...se não bastasse o sistema 14x21, exclusividade dos crachas verdes, tem o fato de 90% dos mesmos utilizarem os terceirizados pra fazerem seus trabalhos.

Brasil il ill!!

Xacal disse...

pode começar a estudar e passar em um concurso público, quem sabe aí deixe de ser explorado pelas terceirizadoras e possa desfrutar de um pouco mais de dignidade...

esse é o problema do brasil, ao invés de garantir direitos, desejamos nivelar por baixo...

uma pérola dessas, nem o mais canalha capitalista seria capaz...

como se não bastasse a falta de coragem para lutar pelos seus direitos, ainda quer desmerecer a luta alheia...

"verme é verme é o que é, rastejando no chão sempre embaixo do pé"

Anônimo disse...

Prezado Xacal

Não sou terceirizado como voce imaginou. Não sei se você sabe, mas nem todos que estão dentro da Petrobras são Terceirizados, tem também muitos consultores, funcionários de multinacionais que atuam junto com os da Petrobras, etc. Ou seja, não é preciso estar ocupando a vaga de um concursado para saber como funciona o "sistema Petrobras", tanto que eu disse que não são todos os "Petroleiros" que fingem que trabalham.

Mas concordo com você: o mal deste país é ser nivelado por baixo mesmo. A sua declaração de que passando em concurso público eu vou ter mais "dignidade" é a perfeita expressão de um país que prefere a vida mansa, o ato de "cumprir horário", ao de TRABALHAR.

O que critiquei, e continuarei a criticar, foi a reenvidicação ridícula que o sindicato (sempre tem um) pede. Você recebe pelas horas perdidas no transito caótico entre sua casa e seu trabalho? Você conhece algúem que recebe?

A resposta você sabe que é não. Se eles estivessem pedindo aumento salárial seria mais justo, mas nem tanto, porque quem opta pela Petrobras não pode querer o mesmo salário de uma multinacional onde há o risco de ser demitido. Convenhamos: existe uma troca, salário menor, mas pelo resto de sua vida, não existe o risco de demissão.

Minha crítica também segue ao Sindicato (sempre tem um) dos correios, que buscam um adicional de Periculosidade. Ora bolas...quem entende um pouquinho de leis sabe que a periculosidade é regulamentada, e os funcionários dos correios não se enquadram no perfil regulamentado.

Mesmo assim a greve continua, e sabemos que ninguém será punido...só a empresa, e, no caso dos correios, a sociedade. Os sindicalistas continuarão lá, recebendo sem trabalhar...

um abraço deste simples verme.

Xacal disse...

vamos lá, nobre consultor (???)

o fato de não estar regulamentado ou normatizado não quer dizer que não possa ser reivindicado ou acordado entre as partes: nesse caso petrobras e petroleiros...

ademais, cada categoria tem suas especificidades, e por isso (dentre outras coisas) que existem sindicatos...

não conheço outra forma de fazer pressão do que a organização dos trabalhadores, que como já disse aqui, são responsáveis pelo progresso do capitalismo...lembre-se: nos paísee onde os sindicatos foram mais fortes (Inglaterra, Europa e EEUU) foram justamente os que dominaram o mundo ocidental, e isso não é coincidência...

o fato de não receber, e talez c também não receba, pelas horas perdidas em deslocamento não significa que esse proposta seja injusta...ademais, para efeitos de acidente de trabalho já são consideradas o deslocamento...

por fim a questão da perisculosidade:
não me lembro de estar discutindo a questão dos correios, mas acho justa a reivindicação é repito:

leis não são monolíticas, e principalmente no ambiente de direitos trabalhistas, onde a cada dia os patrões reinentam novas formas de mascarar a exploração, e retirar um pouco mais do que a mais-valia concede...

portanto, é normal que em acordos e reinvidicações surjam novas normas para regular o vínculo empregatício...

ahhh, antes que eu me esqueça:

só os vermes repetem essa catilena liberal de que funcionários públicos não trabalham, e funcionários privados são produtivos, se assim fosse os procons não estariam lotados de reclamações contra a prestação de serviços dos "valorosos funcionários do setor privado"...

lembre-se: quem produz suas crises cíclicas é o setor privado do capitalismo...

Xacal disse...

PS: consultor é apenas um nome "chique" para um terceirizado que ganha um pouco melhor, e pensa que a precariedade do seu vínculo lhe dá "liberdade" de se vender para a melhor proposta:

ledo engano, quem manda é sempre quem contrata...

Anônimo disse...

Caro Xacal,

Não te conheço, porém considero seu blog uma visão, mesmo que as vezes "vermelha" demais, mais crua sobre a situação política atual.

Porém, você, assim como eu, não é a "voz da verdade". Apenas expressei minha opnião sobre o que ocorre na Petrobras. Tenho certeza que sua visão "apaixonada" sobre o caso deveria ser revista. O dia a dia lá é diferente deste modo romantico de encarar a estatal como "patrimonio do Brasil".

Não lhe devo explicações sobre minha vida profissional, mas para deixar as coisas limpas: não, eu não sou terceirizado, tão pouco consultor. Alias, quando voce classifica consultores como um nome "chique" para terceirizados só demonstra seu desconhecimento sobre o assunto.
Continuando, ja estive lá dentro. Quem esteve lá dentro sabe o que estou dizendo. Terceirizado é tratado como sub-funcionário. Muitos ocupam as próprias vagas que deveriam estar ocupando como funcionário concursado, mas a Petrobras não chama.
Existem vários casos deste tipo: a petrobras abre 100 vagas pra um cargo, enquanto a real necessidade è de 500 vagas.

A verdade, é que é muito comodo para o concursado ter outro colega terceirizado ao lado, afinal, se der um problema alguém tem que ser demitido...e pode ter certeza que não será o concursado...
Pode acreditar, isso ocorre todo dia.

É onde chegamos ao caso dos concursos públicos: se a empresa chamasse o que realmente precisa, nâo haveria a necessidade de contratar terceirizados (a não ser em casos especificos) o que forçaria a uma mudança neste modo de trabalho atual da empresa, afinal, é preciso produzir para crescer...exatamente como nas empresas privadas. O que ocorre hoje, é que a maioria não quer "passar no concurso" para trabalhar, querem passar para "encostar". Um pensamento ridículo, mas que infelizmente assola nosso país.

Esta duvidando? Vá a qualquer dester cursinhos existentes, e pergunte aos "concursandos" o objetivo de vida deles. Resposta: entrar as 10 e sair as 17:00. Sem muitas responsabilidades, sem pressão, e sem demissão.
Esses dias ouvi de um desses "profissionais do concurso" que, se passar em alguma coisa, ele pode até c@gar na mesa do chefe...o máximo que ocorreria seria um encaminhamento ao psicologo.

Não que em uma empresa privada não existam parasitas. Existem, mas identificaveis e demissíveis.

Anônimo disse...

Só pra encerrar: concordo com você que os sindicatos foram importantes, mas voce disse certo, FORAM IMPORTANTES.
Hoje só servem pra criar aberrações, como o Paulinho da Força, ou o tal do Barcellar.

Xacal disse...

Caro anônimo,

Primeiro, minhas desculpas por ter sido um pouco rude com vc...O xacal às vezes exagera no tom, mas tem a humildade de reconhecer e pedir suas escusas...

Mas não posso deixar de discordar com vc em alguns pontos cruciais que distingüem nossa opinião...

Comecemos pelo fim:

Os sindicatos ainda são importantes, pois a estrutura de organização capitalista ainda permanece muito parecida com a do século XIX, mesmo que consideremos a mudanças causadas pela revolução tecnológica, e suas especificidades...

O fato de existirem maus sindicalistas, e estruturas sindicais viciadas, até por causa de uma legislação da década de 1940, não siginifica a condenação de todo o movimento sindical...generalizações são perigosas, e assim como vc, até corretamente denuncia algumas em minha fala, eu as admito e lhe questiono da mesma forma...afinal, podemos julgar toda uma situação a partir de casos isolados...creio que não...

a defesa que faço dos sindicatos não tem nada haver com minha matiz ideológica (que admito é de esquerda, com muito orgulho)...é uma defesa economicista e capitalista...sindicatos fortes=economia forte...por vários aspectos: as economias de primeiro mundo cresceram por dentro primeiro, e em grande parte, pelas pressões sindicais que redistribuíram renda e fortaleceram o mercado interno de consumo...

não conheço a realidade cotidiana das relações interpessoais entre concursados e terceirizados na petrobras, mas como funcionário público que sou posso lhe afirmar:

não há uma ética perfeita de produtiidade e eficiência que diferencie empregados do setor público ou privado...há, na maioria das vezes, problemas de gestão e métodos e rotinas que enraizam na cultura das corporações: privadas ou estatais...

o sofisma ideológico que toda gestão pública é falha, e toda a gestão privada é eficiente não se sustenta a uma primeira análise, se vc considerar o objetivo, a missão estratégica de cada setor, ou seja:

público não visa o lucro, e sim o bem estar social, assim como está exposto as demandas do poder político, pelo menos nas democracias...é assim aqui, no quintal do mundo ou nos EEUU, onde todo o esforço público de gestão está encalacrado pela má gestão financeira especulativa, e uma guerra por petróleo...

não vou nem citar os problemas com a ENRON, ou o rombo no francês Societé-Generale....

enfim, essa discussão é longa, mas saiba que não me pretendo "dono da verdade", mas em certos temas há fatos e fenômenos que não podem ser desprezados, cientificamente falando...

vc pode dizer que dois mais dois são cinco, é sua livre opinião...vc pode até acreditar nisso, mas não mudará o fato que o resultado é outro: três...rrsrsrsr...