sexta-feira, 22 de agosto de 2008

A Rússia, o mercado e a guerra...

Durante muitos anos fomos doutrinados aqui no Brasil de que o mercado financeiro, ou o deus-mercado é um ente uber alles (sobre tudo e todos), sem viés ideológico ou posição política definida...

Não é verdade, e a realidade já demonstrou o contrário várias vezes: Nas vésperas da eleição, e depois, próximo a posse, o Brasil experimentou um revés cambial, causado pela fuga de capitais que abalou as estruturas de nossa economia já combalida pelo fracasso retumbante da era FFHHCC...

O Financial Times traz hoje uma notícia que ratifica essa nossa assertiva...

Desde a crise de 1998, não havia uma fuga de capitais tão grande na Rússia, que, de acordo com analistas, coincide com a crise do Cáucaso...

US$ 16.4 bil evaporaram das reservas russas, que ainda são as terceiras maiores do mundo (US$581bi), o que não preocupa muito o Banco Central Russo, mas parece ser um indicativo, ou um recado, dos investidores estrangeiros que não financiarão uma política expansionista do Kremlin...

Na poeira da manada, o mercado de ações caiu 6.5% desde 07 de agosto, e as companhias russas encontram maiores dificuldades em captar recursos externos...Conseqüentemente há um aperto doméstico do crédito, que completa e aprofunda esse círculo vicioso...

É o preço da guerra...!

Deve ser por isso que o Kremlin ordenou a retirada que se iniciou, de fato, hoje, e foi noticiada por todos os grandes diários europeus: El País (Espanha), Le Figaro (França), The Guardian (Inglaterra)...

Dinheiro não leva desaforo para casa...!

Nenhum comentário: