terça-feira, 16 de setembro de 2008

Notícias da vizinhança.

A reunião de emergência da UNASUR, União de Nações Sulamericanas, realizada no Chile, durou cerca de seis horas.

Os presidentes de 09 nações do continente deliberaram pela criação de uma comissão que investigue as mortes de 30 bolivianos na região de Pando, durante o acirramento dos conflitos.

Os líderes rechaçaram qualquer ruptura institucional, a possibilidade de golpe, e ainda a violação dos direitos humanos para consagrar qualquer objetivo político.

Dentre os nove pontos condagrados na declaração está a imediata cessação de ataques às forças federais por parte dos autonomistas e a entrega imediata das instalações federais invadidas, como pressuposto para o início de negociações.

Durante a reunião grupos pró e contra Evo Morales se manifestaram em frente a sede do governo chileno, o Palácio de La Moneda, mas incidentes não foram registrados.

2 comentários:

George Gomes Coutinho disse...

não nos enganemos... Algo tão grave quanto o que está acontecendo na Bolívia já está acontecendo no Paraguay.

E o pior... rumores de golpe de Estado que, em última instância, significa ruptura da normalidade institucional. Péssima notícia para o "elo mais fraco da corrente" do Mercosul...

Espero que as oligarquias de lá repensem a cagada que estão para fazer.

Kbrunco disse...

Caro George,

Aí retornamos com aquela velha discussão "demodé": democracia valor universal ou estratégico?

As forças progressistas que hoje ocupam a direção nesses países latino-americanos, inclusive o nosso, apostam na democracia como um valor a ser preservado, mesmo que isso custe a sobrevivência desse grupo democraticamente eleito pelas massas mais pobres?

Ou seja, qual é o limite que esses regimes suportarão para manter suas posições, sem recorrrer a alternativas anti-democráticas, que parece é o que os "elitistas" desejam provocar, para justificar suas atitudes golpistas?

Um dilema e tanto para ser pensado pelas esquerdas latino-americanas, o qual julgávamos superado, o qua achas?

Um abraço.