terça-feira, 16 de setembro de 2008

Gêmeos siameses.

O que se esperar de políticos que tenham sido forjados no mesm "molde" político como Arnaldo Vianna e Rosinha Garotinho?

A mesma postura leviana, a mesma ausência de conteúdo e o mesmo desrespeito por seus eleitores.
Salvo algumas questões de escândalos e problemas legais, inerentes a cada grupo político, se fossem subtraídos os nomes dos entrevistados do cabeçalho da matéria, ninguém conseguiria distingüir ambos.

Com o devido desconto a péssima condução das perguntas pelo(s) entrevistador(es),  os encontros do jornal Folha da Manhã com os dois principais candidatos serviram para confirmar o que já sabíamos, e não trouxe novidade digna de registro.

Assim como Rosinha Garotinho, que tentou se desvencilhar do marido, Arnaldo Vianna tenta se eximir de responsabilidade sobre o (des) governo de seu "afilhado"político, e para isso contou com o beneplácito do jornal, que sequer fez menção do apoio do prefeito a sua campanha, da ausência do prefeito de seu material publicitário, e principalmente, o que Arnaldo pensa sobre as denúncias do Telhado de Vidro. Nenhum comentário sobre a Lei dos Royalties e suas possíveis mudanças.

O deputado quer nos fazer crer que suas relações com Alexandre Mocaiber se resumam ao "compadrio", e que todos os problemas de má-gestão sobre o dinheiro público nesse município se restrinja a uma questão de ser, nas palavras do candidato: "duro".

Tenta, sem sucesso, esconder o óbvio: Não são pessoas, e suas escolhas individuais que determinam o perfil de uma administração. Ou pelo menos, em administração pública, o ambiente, o modelo, as regras devem cercear ao máximo a possibilidade de adoção de "atalhos" e improvisações que permitam a locupletação de grupos e servidores.
É a máxima popular: "é a oportunidade que faz o ladrão", e não vice-versa.
Portanto, de nada adianta o prefeito se julgar "durão" ou "banana". É o modelo de gestão que ele imprime que controlará ou não a corrupção em seu governo.

E pelas investigações e problemas jurídicos que todos enfrentam: casal Garontinho (segurança s/a, pecado capital), Alexandre Mocaiber (Telhado de Vidro) e Arnaldo Vianna( várias Ações de Improbidade e multas no TCE e TCU, e suspeita de remessa ilegal de dinheiro para o exterior) podemos afirmar que compartilham, todos eles, um modelo que facilite e incentive práticas abusivas em relação ao erário.

Deve ser por isso que os grupos que hoje disputam a preferência do eleitor estejam tão emparelhados.
É tudo igual: 
Na preferência e na rejeição que enfrentam.
Nos métodos, escândalos, discurso, e ausência de conteúdo.

Para fechar, uma escorregada do candidato/deputado Arnaldo Vianna, que fala da coincidência de assessores de seu governo e de Mocaiber, e diz que se trata de competência, e cita inclusive o procurador preso Alex Pereira, vejamos:

"(...)Folha – Entre os assessores de Mocaiber, há um que trabalhou em seu governo e no dele, o ex-procurador Alex Pereira Campos. 

Arnaldo
 – Há vários outros, não só o Alex, que trabalharam no meu governo. Várias outras pessoas do governo Mocaiber trabalharam em meu governo. O doutor Alex é um deles, e trabalhou no meu governo. Naquele momento ele foi procurador, como foi procurador no governo Carlos Alberto Campista e depois procurador do Mocaiber. Assim como o doutor Edilson Peixoto trabalhou no governo de Zezé Barbosa, trabalhou no governo de Sérgio Mendes, no governo de Garotinho, trabalhou no governo de Arnaldo. Então, tem pessoas que passam pelos governos pela competência." 

2 comentários:

Anônimo disse...

so um detalhe rosinha nao tentou ocultar o marido pelo contrario porem o entrevistador fez metade das perguntas sobre este tema...
jornal comprado é f...

Xacal disse...

Como diria Caetano naquela velha canção:

"(...) o amor é cego/ray charles é cego/stevie wonder é cego/ e o albino hermeto não enxerga mesmo muito bem(...)"

não sei o que é pior...jornal comprado, ou seguidores fanáticos...