segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Imunes...

Há na biologia uma lenda de que apenas as baratas sobrevivem a hecatombes nucleares...

Pode ser verdadeira ou não essa assertiva, mas existe uma espécie dessa família de insetos que tem uma incrível capacidade de resistência e adaptabilidade a novos ambientes: as baratas da mídia...

Lógico que nem sempre as mudanças provocadas pelas eleições têm a força de hecatombes nucleares, mas é inegável que "novos" ambientes políticos são criados a cada transição democrática de poder...

Mas lá estão nossas baratas da mídia, que se alastram por rádios, jornais e tvs...

No período o qual a atmosfera, a fauna e a flora política se modificam, as baratas iniciam um processo chamado de "muda", quando abandonam a pele, e adotam nova carapaça, que em alguns casos mudam de cor...Tudo isso para continuarem a se alimentar das "sobras" e do lixo(manipulação, fisiologismo, clientelismo, etc)produzido pelos poderosos...

As baratas da mídia vivem em colônias de tamanho variado, e são hemafroditas, ou seja, não dependem do sexo oposto para a reprodução, que acontece de acordo com as condições climáticas e ambientais, ou seja: quanto mais "lixo" do poder, mais baratas...
Têm apetite voraz, e não são seletivas...Comem tudo a sua volta...
As baratas da mídia também são vetores(transmissores) de "doenças sociais" mortais ao Estado de Direito, e a Democracia, como: alienação cultural, apatia cívica, anemia institucional e paralisia política...

Até hoje, não há um inseticida eficaz para erradicar as baratas...Há formas de controle...Como o poderoso produto Transparência Raid Plus, ou as armadilhas chamadas Democracia da Informação...

De qualquer forma, a melhor maneira de diminuir a população de baratas da mídia é controlar o lixo produzido pelo poder...

A reciclagem e compostagem de métodos antigos de gestão pública têm dado ótimos resultados...

Um comentário:

SUPER ENERGIA disse...

Nesse post não há comentários, é complétissimo!rs,rs!