quinta-feira, 23 de outubro de 2008

Terrorismo II...

Agora é a réplica do grupo adversário...
Como ontem, a folha de embrulhar peixe carregou nas tintas do episódio da "suposta" agressão a uma motorista da cidade, em uma esquina conhecida como "faixa de gaza", o diário de embrulhar peixe em sua edição de hoje, lança, não sem o eco apropriado do blog do "chefe", uma tese conspiratória de fazer rir os fãs do seriado "Agente 86"...

Tudo como manda o figurino: sem nomes, locais, ou indícios que confiram qualquer sombra de credibilidade a informação veiculada...

De acordo com o al caponde da lapa, e seus "jornalistas" e "colunistas" de coleira, os partidários de arnaldo popozão melancia vianna, junto com seus cúmplices telhadeiros estariam para distribuir cédulas de 50 reais, grampeadas em material da candidata dos pecadeiros capitais...Assim, cumpririam a tarefa de incriminar a candidata, e criar embaraços legais a sua eleição, caso saia vitoriosa do pleito...

Bom, pode ser, pode não ser...

Mas já é que para delirar, vamos até o fim da "viagem lisérgica-eleitoral":

Pode ser que o capone da lapa divulgue essa "tese conspiratória" para acobertar os casos verdadeiros de aliciamento de eleitores por seus correligionários, ou seja, criam um álibi, compram votos e ainda jogam o ônus para os adversários...

Genial, não..! Lembrem-se que o pessoal da lapa é adepto das táticas de informação e contra-informação...Um vício da época em que brincavam de polícia e ladrão(alguns levaram a sério esse papel, vide álvaro lins) ...
É do pessoal da lapa que saiu a "crise" da invasão da secretaria de educação, no mandarinato interino de rh(agar), o horrível...

Tudo inspirado no incêndio do Reichstag (Parlamento alemão) pelos milicianos do Adolph, para responsabilizar os comunistas na década de 30...
Bem, o fim da história, vocês conhecem...

16 comentários:

Anônimo disse...

"rh(agar)" foi ótima !

Mas agora falando sério, concordo plenamente com você sobre a conspiração. É algo tipo "olha, fulano diz que sou traficante, então se acharem 1kg de coca lá em casa, foi ele que plantou !".

Típico do Coronel Bolinha...

Vamos agora esperar Ave Lynnus, o frustrado, vir aqui responder...

Marcelo Gato disse...

GRUPO II - CLASSE II - 1ª CÂMARA
TC-006.797/2004-7
Natureza: Tomada de Contas Especial
Órgão: Prefeitura Municipal de Campos dos Goytacazes - RJ
Responsável: Arnaldo França Vianna, ex-prefeito (CPF n.º 268.776.197-49)

Sumário: Tomada de Contas Especial. Contrato de Repasse. Programa Habitar. Objeto concluído. Omissão no dever de prestar contas. Citação. Alegações de defesa. Ausência de comprovação de vínculo entre as despesas e os recursos repassados. Concessão de prazo para apresentação da documentação. Silêncio do responsável. Contas irregulares. Débito. Multa. Autorização da cobrança judicial das dívidas, caso não atendida a notificação.

RELATÓRIO

Trata-se de Tomada de Contas Especial instaurada pela Caixa Econômica Federal em decorrência da omissão no dever de prestar contas do Contrato de Repasse MPO/Caixa n.º 42716/97 celebrado com a Prefeitura de Campos dos Goytacazes/RJ. Por meio do ajuste foram transferidos recursos relativos ao Programa Habitar, visando a construção de unidades habitacionais e melhoria da infra-estrutura urbana no município. Foram repassados R$ 550.000,00 (quinhentos e cinqüenta mil reais) no período de fev/98 a out/99.
2. A Caixa Econômica Federal, por meio dos Relatórios de Acompanhamento de Empreendimento de fls. 49/86, atestou a execução das obras. Por outro lado, ao longo da execução do contrato, o órgão repassador solicitou, em várias oportunidades, o encaminhamento de documentos necessários ao saneamento de pendências bem como a prestação de contas final (fls. 7/9, 101, 102, 103 e 104/105). Não obtendo resultado, foi instaurada a presente TCE. O Controle Interno certificou a irregularidade das contas (fls. 127/131).
3. Citado, o responsável apresentou as alegações de defesa de fls. 149/150, com as seguintes considerações:
- o Contrato de Repasse n.º 42716/97 foi assinado pelo ex-prefeito Anthony Garotinho;
- os recursos foram integralmente aplicados no objeto do contrato;
- a devolução do dinheiro importaria em lesão aos cofres da prefeitura;
- ante o curto prazo fixado pelo Tribunal para apresentação da prestação de contas, não foi possível reunir a documentação necessária, pelo que pede prorrogação de prazo.
4. Concedida a prorrogação solicitada, o responsável não se manifestou.
5. O Diretor da Secex/RJ examinou a defesa do responsável na instrução de fls. 157/161, aprovada pelo Secretário de Controle Externo e parcialmente transcrita a seguir:
“2.3.4 Registre-se que a instauração da presente TCE foi motivada pela omissão no dever de prestar contas - obrigação esta que deveria ser cumprida ‘até 60 (sessenta) dias após a data de liberação da última parcela transferida’, conforme estabelecido na ‘CLÁUSULA DÉCIMA PRIMEIRA - DA PRESTAÇÃO DE CONTAS’, fl. 30, do contrato firmado entre a Prefeitura Municipal e a Caixa Econômica Federal às fls. 26/33.
2.3.5 Consta também do referido termo contratual, em sua ‘CLÁUSULA SÉTIMA - DA EXECUÇÃO DAS DESPESAS PELO CONTRATADO’, item 7.4, letra ‘b à fl. 29, que o CONTRATADO obriga-se ‘a restituir os valores transferidos, acrescidos de juros legais e atualizados monetariamente, a partir da data do recebimento, na forma da legislação’, ... ‘quando não for apresentada, no prazo regulamentar, as prestações de contas parcial e final, salvo quando decorrente de caso fortuito ou força maior, devidamente comprovados’.

2.3.6 Está correta a afirmativa de que o ‘contrato de repasse MPO/Caixa n.º 0042716-76/97’ foi firmado em 22.12.1997 pelo então prefeito municipal, Sr. Anthony W. Garotinho M. de Oliveira, como alegou em sua defesa o responsável citado. Todavia, conforme o ‘Termo de Transmissão de Cargo de Prefeito’ à fl. 6, a Prefeitura Municipal esteve a partir de 3.4.1998 sob a responsabilidade do Prefeito empossado, Sr. Arnaldo França Vianna. O Prefeito sucessor permaneceu no cargo até o término da vigência do referido Contrato, inicialmente estabelecida em 20.06.98 e, posteriormente, alterada sucessivamente até a data final de 22.12.2001, de acordo com os documentos de fls. 36/48, em atendimento às solicitações da Prefeitura. Diante deste fato, constata-se que o primeiro repasse no valor de R$ 109.679,64, ocorrido em 27.2.1998, deu-se na gestão do Sr. Anthony W. Garotinho M. de Oliveira e os demais na gestão do Prefeito que o sucedeu, Sr. Arnaldo França Vianna, responsabilizado nesta TCE.
2.3.7 Os ‘Relatórios de Acompanhamento de Empreendimento - RAE’, fls. 49/86, emitidos pela Caixa Econômica Federal, demonstram a realização do objeto durante a vigência do Contrato. Consta informado no campo ‘4-Observações’ do Relatório elaborado em 31.07.2000 (fls. 84/86) que a obra foi concluída. No mesmo campo do mencionado RAE, a CEF observou a pendência de documentos e solicitou à municipalidade a apresentação do ‘Parecer da Feema Projeto da Estação de Tratamento e Comparativo de Custos (ETE x Fossas Individuais)’.
2.3.8 Posteriormente, a Caixa Econômica Federal encaminhou os expedientes, cujas cópias encontram-se inseridas às fls. 101/105, relatados no subitem 2.4 da instrução de fls. 143/144. Em 19.4.2002, a CEF encaminhou o comunicado CE N.º 341/02 Redur Campos, ratificando o contido às fls. 104/105, indicando os pareceres faltantes e alertando que a liberação da última parcela seria precedida da entrega dos referidos documentos para posterior apresentação da prestação de contas. Ainda no expediente, a CEF ressaltou que ‘os normativos que regulamentam a matéria estabelecem que a prestação de contas seja apresentada durante a vigência do contrato, que expirou em 22.12.2001, data esta que não pode ser novamente prorrogada tendo em vista a conclusão física do empreendimento’.
3. CONCLUSÃO
3.1 Diante do exposto, e considerando que:
1- O objeto do ‘Contrato de Repasse MPO/Caixa N.º 0042716-76/97’ foi realizado, conforme ‘Relatórios de Acompanhamento de Empreendimento - ERA’ elaborados pela Caixa Econômica Federal às fls. 49/86;
2- Não foi apresentada a Prestação de Contas Final do Contrato, como estabelecia a Cláusula Décima Primeira do ‘Contrato de Repasse MPO/Caixa n.º 0042716/97 às fls. 26/33;
3- e, ainda, considerando o teor da Cláusula Sétima, subitem 7.4, letra ‘b’, transcrita acima no subitem 2.3.5;
Submetemos os autos à consideração superior, propondo o envio ao Gabinete do Ex.mo Sr. Ministro-Relator, Marcos Vinicios Vilaça, com a prévia oitiva do Douto Ministério Público junto ao TCU, sugerindo:
a) sejam as contas do ex-Prefeito Municipal, Sr. Arnaldo França Vianna, julgadas irregulares, com fundamento no artigo 16, inciso III, ‘a’, da Lei n.º 8.443/92, em razão da omissão no dever de prestar contas do ‘Contrato de Repasse MPO/Caixa N.º 0042716/97, celebrado entre a Caixa Econômica Federal e a Prefeitura Municipal de Campos dos Goytacazes/RJ;
b) seja aplicada multa ao ex-Prefeito responsável pela impropriedade indicada na letra ‘a’ anterior, conforme previsto no artigo 58, inciso II, da Lei n.º 8443/92;
c) seja promovida a citação, nos termos dos artigo 12, inciso II, da Lei n.º 8.443/92, da Prefeitura Municipal de Campos dos Goytacazes/RJ, (...)”
6. No parecer de fl. 162, o MP/TCU discorda da proposta da Unidade Técnica, nos seguintes termos:
“Em que pese os Relatórios de Acompanhamento de Empreendimento elaborados pela CEF atestarem a execução do objeto do Contrato de Repasse em tela, a ausência da apresentação da prestação de contas não permite que se estabeleça o necessário nexo entre os recursos repassados e aqueles aplicados na obra, não se podendo concluir que os recursos foram utilizados em prol da municipalidade. Por conseguinte, não há que se imputar débito ao Município como pretende a Unidade Técnica.
O ônus de provar a correta aplicação dos recursos conveniados é de inteira responsabilidade do ex-Prefeito Arnaldo França Vianna.
A jurisprudência predominante deste Tribunal tem orientado no sentido de que a gravidade da infração que comete o responsável omisso no dever constitucional de prestar contas justifica a imposição de débito e a cominação de multa.
Isto posto, este representante do Ministério Público manifesta-se no sentido de que as presentes contas sejam julgadas irregulares, com imputação de débito, no valor de R$ 550.000,00, e cominação de multa ao Sr. Arnaldo França Vianna, com fulcro nos arts. 1º, inciso I, 16, inciso III, alínea ‘a’, 19, caput, e 57 da Lei n.º 8.443/92.”

É o relatório.

VOTO

Trata-se de omissão no dever de prestar contas de recursos transferidos ao município de Campos dos Goytacazes, no Estado do Rio de Janeiro, por meio do Contrato MPO/Caixa n.º 42716/97.
2. O ex-prefeito Arnaldo França Vianna, responsável pela aplicação da verba repassada, foi citado, mas se limitou a alegar, em síntese, que o recurso foi aplicado no objeto do contrato. Solicitou dilação do prazo para a apresentação da documentação relativa à prestação de contas, mas, atendido, não se manifestou.
3. Inicialmente, devo dizer que discordo do encaminhamento proposto pela Unidade Técnica. A responsabilização da entidade convenente, com vistas à devolução dos recursos, é medida que deve ser adotada na hipótese de desvio de finalidade, quando se tem comprovado que os recursos beneficiaram irregularmente o município. É o que se extrai da Decisão Normativa n.º 57/2004:
“Art. 1º Nos processos de Tomadas de Contas Especiais relativos a transferências de recursos públicos federais aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios, ou a entidades de sua administração, as unidades técnico-executivas competentes verificarão se existem indícios de que esses entes da federação se beneficiaram com a aplicação irregular dos recursos.
Art. 2º Configurada a hipótese de que trata o artigo anterior, a unidade técnico-executiva proporá que a citação seja feita também ao ente político envolvido, na pessoa do seu representante legal, solidariamente com o agente público responsável pela irregularidade.”
4. A irregularidade verificada no presente processo é distinta; trata-se, aqui, de omissão no dever de prestar contas, com incidência dos arts. 16, III, “a” e 19, caput, da Lei n.º 8.443/92. Ante a ausência dos documentos referentes à prestação de contas, fica impossível estabelecer o vínculo entre as despesas relativas ao objeto do contrato e os recursos repassados pela Caixa Econômica Federal, apesar de ser inconteste a execução das obras.
5. Assiste, portanto, razão ao Ministério Público.
6. Ante a gravidade da infração, proponho a aplicação da multa prevista nos arts. 19, caput, e 57 da Lei n.º 8.443/1992, no valor de R$ 10.000,00 (dez mil reais).
Ante o exposto, voto por que o Tribunal adote o acórdão que ora submeto à apreciação da Primeira Câmara.

TCU, Sala das Sessões, em 28 de março de 2006.

MARCOS VINICIOS VILAÇA
Ministro-Relator

ACÓRDÃO Nº 704/2006 - TCU - 1ª CÂMARA

1. Processo nº TC-006.797/2004-7
2. Grupo II - Classe II - Tomada de Contas Especial
3. Responsável: Arnaldo França Vianna, ex-prefeito (CPF n.º 268.776.197-49)
4. Órgão: Prefeitura Municipal de Campos dos Goytacazes - RJ
5. Relator: Ministro Marcos Vinicios Vilaça
6. Representante do Ministério Público: Procurador Sérgio Ricardo Costa Caribé
7. Unidade Técnica: Secex/RJ
8. Advogado constituído nos autos: não há

9. Acórdão:
VISTOS, relatados e discutidos estes autos de Tomada de Contas Especial instaurada pela Caixa Econômica Federal, em decorrência da omissão no dever de prestar contas do Contrato de Repasse MPO/Caixa n.º 42716/97 celebrado com a Prefeitura de Campos dos Goytacazes/RJ.
ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União, reunidos em Sessão da 1ª Câmara, com fundamento nos arts. 1º, inciso I, 16, inciso III, alínea “a”, e 19 da Lei nº 8.443, de 16 de julho de 1992, c/c os arts. 1º, inciso I, 202, § 6º, 209, inciso I, e 210 do Regimento Interno, em:
9.1. julgar irregulares as contas de Arnaldo França Vianna, condenando-o ao pagamento das importâncias abaixo indicadas, atualizadas monetariamente e acrescidas dos juros de mora até a data da efetiva quitação do débito, fixando-lhe o prazo de 15 (quinze) dias para que comprove perante o Tribunal o recolhimento da referida quantia aos cofres da Caixa Econômica Federal, nos termos do art. 23, inciso III, alínea “a”, da citada lei c/c o art. 214, inciso III, alínea “a”, do Regimento Interno/TCU:

Valor Original do Débito (R$) Data da Ocorrência
109.679,64 27.02.98
107.570,36 31.08.98
93.250,00 30.11.98
105.000,00 18.03.99
67.250,00 30.09.99
67.250,00 29.10.99

9.2. aplicar a Arnaldo França Vianna a multa prevista no art. 57 da Lei n.º 8.443, de 1992, c/c o art. 267 do Regimento Interno, no valor de R$ 10.000,00 (dez mil reais), com a fixação do prazo de quinze dias, a contar da notificação, para comprovar, perante o Tribunal (art. 214, inciso III, alínea “a” do Regimento Interno), o recolhimento da dívida aos cofres do Tesouro Nacional, atualizada monetariamente a partir do dia seguinte ao do término do prazo estabelecido, até a data do efetivo recolhimento, na forma prevista na legislação em vigor;
9.3. autorizar, desde logo, nos termos do art. 28, inciso II, da Lei nº 8.443/92, a cobrança judicial das dívidas, caso não atendida a notificação.

10. Ata nº 9/2006 - 1ª Câmara
11. Data da Sessão: 28/3/2006 - Ordinária
12. Código eletrônico para localização na página do TCU na Internet: AC-0704-09/06-1
13. Especificação do quórum:
13.1. Ministros presentes: Valmir Campelo (na Presidência), Marcos Vinicios Vilaça (Relator), Guilherme Palmeira e Augusto Nardes.

VALMIR CAMPELO MARCOS VINICIOS VILAÇA
na Presidência Relator

Fui presente:
PAULO SOARES BUGARIN
Subprocurador-Geral

Anônimo disse...

Tem tambem os replicantes do copiar+colar, como este aí em cima...

O cara faz isso em todos os blogs da cidade...

Anônimo disse...

Marcelo Gato = Avelino = Frangolino

Tá atrasado hein!! Este acórdão é do Recurso de Reconsideração que não foi provido salvo engano de 2006 ou 2007. Agora o que vale é o que sairá no Recurso de Revisão. Aí tem que entender de Direito, mas não como o jurídico come mosca de vocês!!Quanto medo hein Frangolino???Vamos pras urnas!! E mandar embora de uma vez por todas essa corja dos Garotinhos!!! Dia 26/10 Arnaldo Vianna - 12. Um beijo no seu coração Frangolino!!

Anônimo disse...

Em política, dos males o menor , o menos duradouro. Dinastia garotinho ou Arnaldo. Qual você prefere?

Anônimo disse...

Livro de cabeceira do Garotinho bonaparte e da Rosa Brown:

Main Campf, traduzido pelo chico da rádio...

Uma estória dessas só pode ter saido de uma belezura assim...

Anônimo disse...

Xacal, viva vocè! Um oasis nesse deserto pré 2ºturno.

Joana de Ávila disse...

É Xacal, enquanto tem blogueiro por aí de montão discutindo picuinhas intestinais dos partidos políticos você vai direto ao ponto.
Agora usam o capitão bola 7 como "fonte" e ainda reproduzem na íntegra.Arg,que nojo.

Marcelo Gato disse...

arnaldo é insanável!
rararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárararárarará

SUPER ENERGIA disse...

Isso ai de comentários está uma m**** mas vamos ao que interessa: quem ganhar leva! Bobagem!!!!! Todo o mundo (pelo menos o nosso) sabe disso inclusive o ceasareadr!hahahahaha! E viva o ótimo huor que eu tenho!

Anônimo disse...

Parece que a Folha vai ficar sem o ter alguma coisa de verdade para publicar durante esses ultimos dias, a não ser a vitória estrondosa de Rosinha no domingo.

Anônimo disse...

A vitoria de Rosinha no próximo domingo dia 26 será so para confirmar o que todos já sabem e acabar com toda esse jogo de mentiras e armações de Arnaldo e seus amiguinhos que querem fazer de tudo para continuar fazendo da PMCG a casa dos sultões e seus Ali Babás.
Chega! acabou a farra dos bois e similares...

Anônimo disse...

Vou chutar o meu palpite: Rosinha vai ganhar com uma diferença de mais de 40 mil votos e pode chegar até a 60 mil votos a mais do que Arnaldo.
Quem viver verá.

Anônimo disse...

XACAL, o que vc achou do jogo de ontem: placar de 6xo contra Arnaldão????????????

Xacal disse...

a opinião já está no próximo post...grato pela visita...

Anônimo disse...

Xacal, se a diferença toda alardeada pelos fundamentalistas do 15 se configurasse de fato, vc acha que seriam necessárias além das 3 milhões de historinhas montadas e mto bem acordadas, pros cara de preto, ainda terminar uma campanha de modo tão rasteiro...tadinhos dos caras do TRE, levaram um prensa pesada, fizeram o dever de casa ainda que no último momento...

Xacal, o pânico deles é muuuiiitooo
grande...