terça-feira, 18 de novembro de 2008

Mais intercâmbios...

Muito nos agrada a troca(no bom sentido, ó pá) que o blog do Bento (www.bento-vai-pra-dentro-bento.blogspot.com)vem realizando com alguns blogs da seção goitacá do blogspaço...

Dias desses assistia a um documentário sobre o Fado, e não pude deixar de refletir sobre a importância dos símbolos culturais dos povos, e da necessidade de ponderar sobre a imperatividade de se manter tradições que demarquem identidades, sem no entanto, construir barreiras xenófobas, que sufoquem a própria tradição...

Há, como sabemos, traços culturais, movimentos e manifestações que, não raro, são tomadas como "representação" do sentimento de um povo, e da sua idéia de nação...
Esses "símbolos" tendem a construir estereótipos, é verdade, e também reduzem as nuances que lhes são intrísecas...Mas sua importância para afirmação cultural de um povo deve suplantar essa característica "purista", que mais isola que integra...

Assim, como não poderia deixar de ser, os mercados se apropriam desses entes, como no caso dos produtos de origem denominada, ou certificada, que são "patentes" de processos e nomes, que buscam monopolizar a forma de fazer, e claro, criar um nicho de comércio restrito...Champagne, que dá nome ao espumante, pastéis (senão me engano) de Belém, queijos (também não estou bem certo) de Santa Clara, etc, etc...

Paradoxalmente, é justamente a possibilidade de "exportar" esses saberes, e incorporar outras culturas e saberes nesses processos que aumenta a demanda por esse "produtos culturais", e os reafirma como marcos importantes da civilização local e universal...

Respeitadas as restrições de preferência de estilo musical, é impossível não associar o Fado a Portugal...Esse lamento cantado, que expressa a tristeza comum a todos nós, humanos,  nossa vocação de cruzar mares, e sempre sentir-se deslocado, ao mesmo tempo que sempre planejam novas "navegações"...Mas que assume contornos próprios nas epopéias portuguesas...O Fado é o "banzo" português...

Tudo isso dito, é emocionante registrar a "tolerância cultural" dos portugueses nesse documentário, do qual não me recordo o nome, mas creio que foi exibido no Futura, sobre a "consagração" de Angela Maria, a Sapoti, cantora brasileira de renome, que recebeu dos portugueses fadistas uma espécie de xale, que só é conferido as cantoras da terrinha, como um rito de passagem ao circuito das artistas que são associadas a essa manifestação...

Um bom exemplo de integração de tradições, que como já dissemos, dialeticamente reforçam seus laços regionais, na medida que se tornam reconhecidos por todos...

Um comentário:

Gustavo Landim Soffiati disse...

Intercâmbio ampliado se considerarmos que há quem já tenha levantado origens brasileiras do fado.

Com essa não poderei mais ser incluído na lista dos que se limitam a comentar os textos e as notas sobre Campos, sempre em defesa das facções a que se filiam.