terça-feira, 11 de novembro de 2008

Notícias da vizinhança...

Convulsões democráticas...


As eleições municipais na Nicarágua transcorrem em clima de conflito violento...O presidente Daniel Ortega conseguiu eleger 106 dos prefeitos em 146 cidades, dentre eles o da capital Manágua, com a vitória de Alexis Argüello, ex-boxeador, campeão entre os pesos-pena...Pelo menos dois mortos e seis feridos foram contabilizados, como resultado dos conflitos entre os sandinistas de Ortega e os oposicionisas do Partido Liberal Constitucionalista, do candidato derrotado Eduardo Montealegre, que se nega a admitir a derrota...Os oposicionistas solicitam a presença de observadores internacionais, e insistem em denunciar as fraudes no processo eleitoral, que definiram como: "a luta de um burro amarrado com um tigre solto..." 
Indepentemente da veracidade ou não das reclamações, o fato é que a Nicarágua sofre, e parece que sofrerá por muito tempo, as conseqüências de anos de intervenção estadunidense na região no auge da Guerra Fria...O grau de acirramento das disputas políticas, anos de guerra civil, tornaram a interlocução democrática quase impossível, e os interesses irreconciliáveis...



"Guerra suja"...

Esse foi o termo empregado pelo líder da oposição venezuelana, Manuel Rosales, para classificar a postura do presidente Hugo Chávez durante as eleições municipais da Venezuela, que acontecerão no próximo dia 23 de novembro...Chávez ameaçou prender o governador do Estado do Sucre, a quem acusa de planejar levar à cabo um esquema para fraudar as eleições...
Também na Venezuela os ânimos se acirram na medida que os lados envolvidos na disputa pelo poder não parecem dispostos a negociar saídas políticas que viabilizem o amadurecimento das instituições democráticas...
Fica a sensação de que há um "aparelhamento da verdade"...


Contas pendentes...

Enquanto isso, o presidente boliviano Evo Morales solicitou aos EEUU a deportação do ex-presidente Gonzalo Sánchez de Lozada, e de dois ex-ministros de seu governo, Carlos Sánchez Berzaín, da Defesa, e Jorge Berindoague, dos Hidrocarbonetos...Todos são acusados de genocídio, durante a repressão dos protestos, onde 60 pessoas foram mortas pela polícia e forças do Exército boliviano...O episódio ficou conhecido com Octubre Niegro...Na época, o governo boliviano implementava uma série de medidas "liberais", favoráveis em larga escala aos interesses de grandes grupos internacionais, principalmente dos estadunidenses...Entre as acusações graves de ingerência indevida da embaixada estadunidense nos conflitos, pesam as suspeitas de que Washington, através de seu embaixador pagasse um "soldo paralelo" de US$ 100,00 para cada policial e soldado, a fim de "motivar" a perseguição aos camponeses, índios e mineiros que participavam dos protestos...O presidente Gonçalo Lozada renunciou e fugiu do país logo após a matança, e se refigiou nos EEUU, onde permanece asilado até hoje...



Fonte: El País.


Nenhum comentário: