sexta-feira, 14 de novembro de 2008

O veto de Tabaré...

O presidente uruguaio, Tabaré Vázquez, vetou o projeto de lei aprovado no parlamento, denominado Lei de Saúde Sexual e Reprodutiva, que despenalizava a prática do aborto, feito até 12 semanas da concepção...

Por 17 votos a 11, os congressistas da Frente Ampla de Esquerda (da base governista) derrotaram os Colorados e Brancos, que somaram 11 votos...

Com o veto preseidencial, o projeto retorna ao parlamento, onde deverá ser ratificado com maoria qualficada, ou seja, 3/5 dos votos...

Estima-se que 33.000 abortos clandestinos sejam praticados no Uruguais, anualmente...

Com idas e vindas, pelos menos nossos vizinhos já se adiantaram no debate desse importante tema...!


Fonte: El País.

7 comentários:

Gustavo Alejandro Oviedo disse...

Xacal, os uruguaios sempre foram uma ilha de sensatez entre Brasil e Argentina.

Gustavo Alejandro Oviedo disse...

Não me refiro ao veto do presidente, é claro.

Xacal disse...

Começo a crer nisso...

Anônimo disse...

por q xacau quando alguem ousa discordar d vc,é chamado de adepto a quadrilha da lapa? as pessoas nao tem o direito de pensar diferente d vc sem ser chamadas de corruptas ??? chega d agressoes baixarias, vc era ate engraçado mas ta cansando!!! pense nisso.

rodrigocherene disse...

adiantados em quê sentido ?

paz

Flávia matriz... disse...

P^Xacal, taí um debate complicado, nem sei se sou contra ou a favor, as vezes a favor quando vejo algumas mães, que matam, maltratam, expõe ou usam seus filhos...aí, é melhor abortar...mas, sei que com certeza, a idéia é focar no básico, divulgando e trabalhando a consciência de sua sexualidade, priorizando o planejamento familiar, distribuindo e divulgando métodos anticontraceptivos, investindo na atençaõ básica de saúde, com políticas públicas que abordem o uso de álcool e drogas, precursores importantíssimos da gravidez não desejada,saúde da mulher, principalmente na faixa etária de 10 a 19 anos, educação e violência intrafamiliar. Isso, apenas alguns ítens a serem abordados na base...o trabalho é árduo e contínuo. A conscientização é o primeiro passo para a verdadeira autonomia sobre o corpo feminino, podendo, com consciência, escolher e optar sobre a maternidade. O aborto, é uma resposta imediata e falida...faz o primeiro, o segundo...e assim vai...Por isso, um debate complicado, pois investir em saúde pública e primária, é caro, inicialmente, mas a médio e longo prazo, mostram dados de um resultados positivos e duradouros...experiências essas vivenciadas em vários países desenvolvidos...isso sim, vale a pena copiar e implantar e implementar.Educação é tudo!!

Flávia Matriz... disse...

Corrigindo...métodos contraceptivos, sem anti,ok?!