quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

Cine Campos Capitólio...ou Drama End(*)

Em nossa ronda virtual diária, algumas vezes nos deparamos com textos de rara beleza...Simples, objetivos, leves e cheios de significados...

O blog imagina.blogspot.com/ do Jules Rimet é um desses espaços...

Seu texto sobre o ocaso do Cine Capitólio é uma dessa peças universais que têm o dom de contar histórias e desventuras das nossas peculiaridades...

Leia e confira...

Drama End
.
Vai findando, de forma melancólica e inexorável, nos últimos estertores, a existência física daquela que já foi uma importantes sala de exibição cinematográfica de Campos. Estou me referindo ao finado Cine Capitólio.

O Cine Capitólio viveu momento de esplendor, onde a chamada "sociedade" e jovens da cidade se encontrava pra ver o último Cary Grant, a última Rita Hayworth, Gregory Pack, Ava Gardner, Sinatra, Jerry Lewis e Dean Martin e todo o Rat Pack, ou outro, mais recentes. Sua decadência começou já no final dos anos 80, quando passou a projetar filmes pornôs e se transformou em ponto de encontro para aqueles que buscavam sexo furtivo e casual.

Mais recentemente, já totalmente desativado, alguém tentou aproveitar o prédio de excelente localização e acústica ainda perfeita para criar uma boate. O empreendimento só não foi à frente porque nas duas noites em que funcionou houve briga, quebra-quebra e arruaça, que atingiu a vizinhança e mobilizou a polícia.

Hoje, agora à pouco, o prédio do antigo Cine Capitólio deu seus últimos suspiros, embalado por alguma poeira e grandes gemidos. Foi quando desabou seu telhado - acontecimento que, casualmente, vi - e que deixou, enfim, a chuva livre criar córregos no seu interior.
publicado por Jules Rimet @ 18:04 

Longe de tentar fazer sombra a palavras tão bem alinhavadas, vai aqui o desenrolar do comentário que fiz no blog Imagina...

Impossível ler o relato de Jules e não associar com a história desse pântano goitacá...Como o Cine Capitólio, essa cidade já viveu dias de glória...
Não que cultivemos um saudosismo que vive a proclamar "virtudes" de tempos de outrora...Sabemos que todos as épocas guardam suas ignomínias nos porões do esquecimento conveniente...

Mas há sim tempos de glória...Há tempos onde há uma certa efervescência, onde o animus converge para linguagens que produzem grande capital cultural de uma sociedade...
O fenômeno se repete na política...e por conseqüência, na administração...

Para quem não se lembra, esse era o sentimento nos estertores do muda campos, em 1988...

A imagem que fica é que o sentido político daquela mudança se deteriorou, como os filmes do Capitólio...dos clássicos ao pornô...Nada contra, frise-se...
Pouco a pouco, como o velho cinema, Campos dos G., passou do brilho ao obscurantismo...
Como as estruturas e telhado do cinema, nossa cidade foi corroída pela ação dos cupins do poder...

Tal e qual o Capitólio, tentaram uma "nova mudança"...Como no Cine Capitólio, muito barulho, confusão e...no fim, a mesma decadência...

O Cine Capitólio ruiu primeiro, mas a cidade não tarda...!

2 comentários:

Deeva Breu disse...

Ai que saudades que tenho da Aurora da minha vida...

O Capitólio era um patrimônio de todas nós!

A Jules e o Sacal arrasaram na sensibilidade! A Deeva tira o chapéu pra vocês!

Kisses

Roberto Torres disse...

Como sou um sujeito mais novo, rs, nao cheguei a viver esse período que, com todas as suas ambiguidades, certamente foi mais pujante cultural e politicamente do que o "pantano" de hoje em dia. Nao se trata de nostalgia idealizadora, como disse o Xacal, e sim de uma autocrítica do presente identificando um processo de "des-aprendizado" moral e político