sábado, 13 de dezembro de 2008

Memória "seletiva"...

Hoje, 13 de deembro de 2008, faz exatos 40 anos que teve início um dos períodos mais tenebrosos da nossa História...

Nesse fatídico dia, o governo ditatorial brasileiro "promulgou" o Ato Institucional nº 5, que supendia todas as garantias e direitos fundamentais, cassava mandatos, e jogava na ilegalidade qualquer traço de oposição política ao regime...

Após 40 anos, sob a névoa da nossa crônica (e conveniente) falta de memória, e com boa parte da população nascida sob os auspícios das liberdades democráticas, a lembrança do AI5 não provoca na sociedade o clamor que deveria, acompanhado das reflexões sobre esse triste momento de nossa biografia nacional...

Como foi muito bem lembrado pelo jornalista Mino Carta, em sua publicação semanal Carta Capital, os setores da elite desse país, associados a meios de comunicação (em sua quase totalidade) e aos "cães de guerra", não inauguraram a ditadura apenas em 1968, quando o governo baixou o Ato...

A ditadura foi instalada com o golpe militar de 1964, que esses mesmos setores sustentaram, e que agora tentam se eximir das suas responsabilidade, ao pretenderem "dividir" o movimento conspiratório, que criaram e levaram à cabo, em dois momentos: pré-68, e pós-68...

Para nossa classe dominante, e seus militares e jornalistas de coleira, até bem pouco tempo, o golpe de 64 era chamado Revolução...Para eles, não faltou legitimidade para derrubar, pela força dos tanques, um governo democraticamente eleito...Estrategicamente, não vinculam essa ruptura institucional grave(golpe) com o AI5 que veio quatro anos depois...Como se possível fosse isolar os fatos históricos em compartimentos estanques...Na visão da nossa elite, o AI5 foi um exagero, um desvio de conduta de um movimento que eles entendem legal e justo(golpe de 1964)...

A partir dessa visão parcial e oportunista, formulam conceitos que favoreçam a expiação de suas culpas nos recônditos da memória do país, nos porões da tortura e nas valas comuns dos cemitérios clandestinos...  

Nenhum comentário: