quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

O espírito...

No lixão da Codin, assim como em qualquer lugar onde a sociedade utilize para amontoar os dejetos do mundo de consumo, o natal, ou a "ceia" da véspera de natal é realizada com um dia de atraso...

Lá, todo ano, a centenas de pessoas que chafurdam naquele mar de merda e lixo, fuçam, como porcos, os restos dos jantares natalinos dos cristãos de todos os credos e virtudes, inclusive daqueles que crêem no milagre da multiplicação das ordens de serviço e obras superfaturadas...

Os homens, mulheres e crianças-abutres sabem de cor o horário e o itinerário dos caminhões de lixo, versão low-profile(no linguajar dos descolados)do trenó de papai-noel...
É fácil: o lixo da Pelinca é luxo...já o lixo dos bairros pobres não vale muito a pena...

Esse ano, com as operações da polícia, o fim do governo e a crise subprime, a ceia promete ser mais magra, pois quem mamou nas "tetas" da viúva por anos, agora guarda para a "travessia do deserto"...

Mesmo assim, ainda se acha um Peru ou Chester quase intacto, muito arroz "enfeitado", rabanadas, etc, etc...

Até as crianças "brincam de natal", e com o papel de presente e as caixas de brinquedo vazias, montam embrulhos vazios, mas cheios de imaginação...É uma alegria só, talvez só superada se por acaso houvesse algo lá dentro das caixas...Nem que fosse uma bonequinha ou carrinho de 1,99...

Lá no lixão está o verdadeiro espírito de natal, como dizem as moças dos telejornais...Felicidade na imundície...Pobre, mas cheio de amor, como dizem que foi o nascimento do "salvador"...
Que papo furado...
Uma forma cínica de dizer aos pobres que não se importem com o consumo, conforto, dinheiro e uma vida digna...
Essa conversa fiada de amor, mesmo na pobreza quer dizer o seguinte:
"Não vale a pena...deus não está ali no luxo, ou nos shoppings...deus está no lixo, na merda, na carência e na doença..."

Quem sabe deus esteja no coração caridoso daqueles que roubaram milhões e milhões de reais, que poderiam levar um bocado de miseráveis a entrar no "inferno" das tentações do consumo e da mesa farta...?
Não, não, não...o caridoso, religioso e templário prefeito macabro não quer que seu "rebanho" peque pela gula, cobiça ou avareza...

O pessoal do lixão só reclama de uma coisa: como os "humanistas" e solidários não fazem uma coleta seletiva de lixo, às vezes fica dificil distingüir bolo de chocolate de cocô das fraldas descartáveis...

Esse é o espírito...

Feliz 2012...

8 comentários:

Professora Hilda Helena disse...

Será que estamos cansando?
Por que não acontece nada de novo
nessa geração?
O capitalimo parece mais selvagem e ao mesmo tempo globalizado!!!!O povo já foi dominado?Desacreditaram ?

Xacal disse...

eu nunca acreditei(nem em deus, muito menos no capitalismo), portanto, não me decepcionei...

Tramem disse...

Será que é cansaço professora... ainda sonho... mas a desesperança me acorda! Minha única fé inabalável era a de que o mundo poderia ser mudado... mas sempre me vem a lembrança de Olga Benário: " Será que o mundo quer ser mudado? " Feliz 2012? Será Xacal? Quero minha esperança de volta, ser beija-flor é pouco ... não tenho nem a certeza da qualidade da água que posso carregar em meu bico...

Marcos Valério disse...

Porém ainda não abondonou a função de carregador de aguas, embora tenha um biquinho pouco maior que o meu....Isso é a esperança!

Anônimo disse...

Se vc acreditasse em Deus e não fizesse NADA para mudar a situação,daria no mesmo. E não me consta que na Suécia (país capitalista)pessoas disputem merda no lixão. Um tempo pra essa fumaça véia!

Xacal disse...

O comentário do anônimo é merecedor de réplica:

ora, para que os suecos e outros povos escandinavos possam desfrutar do seu "sucesso" capitalista, povos africanos e latino-americanos e de outras "periferias" chafurdam nos lixões do capitalismo...

bom, isso para quem acredita que os sistemas econômicos estão correlacionados e interagem como causa e efeito...

mesmo assim, cabe informar ao "otimista" do capitalismo, que na Suécia, Noruega, etc, o "modelo" privilegia altas taxas tributárias, intervenção estatal econômica permanente, e uma rede de proteção social que contraria toda a retórica liberal-capitalista...

bom, mas mesmo assim, pretender utilizar essas "exceções" bem sucedidas como uma "regra generalizante" só pode ser ingenuidade ou má-fé...quem sabe ambas...

FÁBIO SIQUEIRA disse...

Não necessariamente Xacal!
Os modelos de "exceção" do "welfare state" foram - e podem ser - edificados a partir de projetos políticos e da disputa de hegemonia, ou de "acomodação" e pacto!
O modelo social-democrata é a prova de que é possível construir redes de proteção social e desenvolver ações mais tímidas de política social - conforme o governo LULA - no campo da política e num mundo capitalista. Se isso não pode se reproduzir em escala universal é outra - e mais profunda - discussão.
Quem sabe a tardia progressividade tributária no IR não possa evoluir - não sei quando! - para a necessária - e tão protelada - reforma tributária que possa, finalmente, taxar as elites nacionais conforme nosso interesse de classe?
Abs

Xacal disse...

Caríssimo Fábio,

Os limites da política-econômica do governo Lula constrastam de forma gritante com o enorme capital político que acumula...

Todos sabemos dos limites "impostos" pela realidade, que tornam as "manobras" monetárias e financeiras mais restritas...

Mas, o governo federal, refém do seu eterno "medo" de desagradar os "donos do poder", ousou pouco, e apenas aprofundou as medidas herdadas do mandarinato ffhhcc...

É verdade que o governo tentou "compensar" com paliativos protetivos sociais, mas a estrutura acumulativa, especulativa e excludente patrocinada pelo "mercado" esteve e está intacta...

Estamos com seis anos de governo, e só agora, frente a uma demanda do grande capital, o governo se "mexe" para instaurar uma faixa tributária mais justa e próxima do que sempre pregou...

Ou seja, enquanto nós da classe média solicitávamos tais intervenções: nada! basta os empresários e banqueiros berrarem, e pronto...

Pergunto: quando taxarão os grandes lucros e fortunas...?

Esse debate é longo, e saudável...retomemos em outra oportunidade...

feliz 2012