sexta-feira, 2 de janeiro de 2009

Ano novo, velhas preocupações...

O pessoal do blog outroscampos.blogspot.com já nos trouxe uma relevante reflexão sobre o significado das festas de ano novo, vinculadas a apropriação do tempo e a "renovação" de nossos laços culturais com  sistema que construímos e mantemos...

A confraternização universal, o início de uma nova contagem não têm o condão de fazer desaparecer os conflitos, muito embora o discurso etéreo da "esperança" tenta substituir os fatos que teimam em contrariá-la...

Na Palestina, Israel segue sua "cruzada étnica-política-econômica", sob as bençãos explícitas dos EEUU, ou da omissão cúmplice da ONU...

Na Europa, a disputa entre Ucrânia e Rússia sobre o preço do gás ameaça engolir todo o continente...

No México, autoridades desesperadas tentam publicar leis mais rigorosas para cessar o flagelo da criminalidade violenta no país, que se tranformou em base de operações para o narcotráfico que abastece o maior consumidor do mundo, os EEUU...Houve um acréscimo de 110% na taxa de homicídios entre 2007 e 2008...

A África permanece a padecer sua pobreza endêmica, que alimentam suas guerras fraticidas...

Iraque e Afeganistão permanecem como um enclave de sangue e ódio para a maior nação do planeta... 

A crise econômica, por sua vez, alimenta a fogueira dos embates regionais, e aprofunda a distância entre pobres e ricos, uma vez que os governos parecem dispostos a ceder a chantagem dos grandes grupos capitalistas, ao invés de privilegiar formas de regulação e controle que protejam as grandes massas de despossuídos...

Ano novo, vida velha...


10 comentários:

Anônimo disse...

Bom comentário.

Roberto Torres disse...

Com certeza Xacal, velhas preocupacoes! Alias, muita gente iria dizer que nao tem sentido fazer uma lista de quais sao as velhas preocupacoes do nosso ano novo. Na verdade, elas sao velhas na medida em que se tratam de problemas centrais da sociedade global, entre os quais eu acho que devemos buscar fazer uma hierarquia valorativa, ou seja, determinar nao que alguns problemas nao sejam importantes, ou que nao é a hora de pensar neles, mas sim buscarmos uma visao totalizadora dos nossos males. Certamente nao se transforma o mundo somente com idéias, mas certamente nao podemos transformá-los sem idéias novas e poderosas em sua novidade. O maior inimigo ideológico é o relativismo, pois tenta nos prender a uma visao sempre fragmentada da realidade e seus problemas, realidade essa que é relacional e por isso mesmo incapaz de ser enfrentada (cognitiva e politicamente) sem uma pretensao totalizante. A luta que devemos travar no campo do debate, do qual nossos blogs fazem parte, é contra esse relativismo moral, cognitivo e político. As coisas e a realidade social tem o seu valor diferencial, embora nao possam ser definidas em termos absolutos como somente boas ou ruins. Marx está vivo porque até hoje nenhum relativista imbecil (isso é sempre pleonasmo) conseguiu descrever melhor o real do que a visao dialética relacional do materialismo histórico. Fico feliz porque o Xacal realiza esse enfrentamento no espaco que ocupa. Quando voce acertadamente se irritou com imbécis colonizados, pela comparacao e pela visao essencialista sobre Cuba, ainda tinha uma outra galera a ser batida: os caras do que "nao se pode comparar", sao duas culturas distintas, com históricas distintas, e mil outras redundancias e formulacoes circulares...

Roberto Torres disse...

esqueci... o dado com o qual voce encerra. Alguém duvida que a crise economica assume o papel de problema central da sociedade global, na medida em que ela redimensiona todos os outros? Uma sociologia política marxista se faz urgente! Para corrigir alguns equívocos do marxismo economicista que e que nao consegue compreender de fato o funcionamento da economia.

Anônimo disse...

A crise americana vai ser paga com suor e lágrimas pelos de sempre, a classe trabalhadora mundial que vai ficar sem emprego, ou aumentar o grau de precarização, com salários baixos e mais horas de trabalho ( mais valia absoluta) para compensar parte das perdas.O novo governo americano precisa disto, bem como dos preços baixos da energia e dos juros reais negativos para implantar um novo período de sua hegemonia baseada no dólar , mas armas e na ideologia consumista ditada pelos seus meios de comunicação.

Roberto Torres disse...

Concordo anonimo. Mas nao podemos deixar de saber que "americanos" somos todos nós no sentido mais importante. Talvez até mesmo nossas possíveis virtudes também sejam americanas. Alias nao há país na America Latina mais parecida com os EUA do que o Brasil, ao contrário do que pensávam alguns de nossos mais influentes pensadores, como Sérgio Buarque de Holanda e Raymundo Faoro. O mito que que somos o outro dos EUA nao passa de um mito.

rodrigocherene disse...

muito embora o discurso etéreo da "esperança" tenta substituir os fatos que teimam em contrariá-la...

Se Esperamos o que vemos então não esperamos

Esperança é isto...

associar esperança com o verbo esperar é pobre demais

Esperança produz Paz, por isto algum tempo atrás falei sobre PAZ independente das CIRCUNSTÂNCIAS

é POSSÍVEL, sem ser UTÓPICO

PAZ

ótimo texto

Roberto Torres disse...

Rodrigo, a Paz sem dúvida tem seu apelo moral diante de situacoes em que a guerra genocida é o fato a ser enfrentado, como o genocídio de Isreal contra a palestina. Mas ter a paz como valor central da política em geral é cair no conservadorismo, pois, garantidas as condicoes mínimas de integridade física, o caminho para as mudancas e a para as esperancas é a luta, o conflito e nao a paz.

rodrigocherene disse...

o caminho para as mudancas e a para as esperancas é a luta, o conflito e nao a paz.


sim querido, porém ninguém luta se não tiver em PAZ para lutar.

PAZ também é certeza de que a LUTA terá um BENEFÍCIO.

Sem PAZ não vivemos.

PAZ para GOVERNAR

PAZ para TRABALHAR

PAZ para LECIONAR

PAZ para POSTAR NUM BLOG

PAZ para ACORDAR e LEVANTAR da CAMA

sem PAZ, até LEVANTAR da cama é um FARDO


PAZ

Xacal disse...

"sim querido, porém ninguém luta se não tiver em PAZ para lutar."

como..?

putz, essa foi foda...sem comentários...

o rodrigo vive a procura de um slogan...

deve ser um cara feliz...

quem pensa pouco, sofre pouco...!

Vate Füder disse...

Esse é para o comentário de Xacal para Rodrigo Cherene: hahahahahahahahahahahahahaha

Esse Rodrigo é interplanetário, né não?