sábado, 10 de janeiro de 2009

E tem mais...

Dentre todas as asneiras que falou a pedagoga-mor desse pântano que chamamos de cidade, uma chamou atenção pelo ineditismo...não da idéia, que é velha, e fracassada..Mas por ser a primeira vez que a pedagoga-mor vem a público divulgar...

A escola-pólo...

Na contramão de todo o consenso que se construiu acerca da qualidade e dos métodos necessários para um processo de aprendizagem eficiente, a pedagoga-mor agora defende que as escolas com poucos alunos, as escolas pequenas e "precárias" sejam substituídas por escolas-pólo(no seu português erudito:escolas-pólos)...
Ou seja: a boa e velha tática de amontoar alunos em sala de aula, como já fizeram o casal da lapa quando arrasaram com a Educação estadual...

Esse conceito, de juntar alunos atende a dois propósitos, igualmente nefastos: "economizar os recursos materiais e humanos disponíveis"...
Contradizem a si mesmos: se dizem preocupados com o "social", mas contingenciam e retiram os recursos dos serviços essenciais, para satisfazer os interesses das agências de propaganda e das intervenções patrimonialistas (obras, obras e obras)...
Para quem defende as causas sociais, a Educação não é gasto, é investimento...!

Todos sabem que o desejável é que as salas de aula sejam ambientes com menor concentração possível de alunos, e que, hoje, na direção oposta do pregado pela pedagoga-mor, há uma tendência a desmobilizar as unidades escolares grandes, para priorizar unidades menores, que atendem de forma mais capilarizada e com mais possibilidade de um ensino próximo a realidade de cada aluno, tratado como indivíduo, e não como "gado tangido pelos enormes corredores"...

Para solucionar o problema do deslocamento, a pedagoga-mor advoga o transporte gratuito para os alunos...

Perguntamos: Se as escolas grandes são mais caras, e mais difíceis de manter que várias unidades pequenas, se vai haver um custo e um incômodo do transporte dos alunos, se os professores são unânimes em preferir turmas menores...a quem atende essa decisão...?

Não seria o caso de mandar a pedagoga-mor para uma escola-pólo...?
Uma escola no pólo norte...

Um comentário:

Anônimo disse...

gás de pimenta no olho do ... dessa freitas de merda