segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

Horizontes...

Esse país, nosso país, sofre há tempos com a disseminação de certos estereótipos, que sempre estão a serviço do atraso...

Até hoje há uma visão tacanha, baseada em premissas falsas sobre o trabalho intelectual e as atividades consideradas mais pragmáticas...

De um lado esse mito foi em grande parte construído por uma parte da Academia, que de posse de uma arrogância elitista, procurou legitimar sua atividade com o desprezo por tudo que a cercava...
De outro lado, sempre floresceu em terras tupiniquins um "populismo obreiro", que sempre associou a atividade de pensar a desocupados, como se fosse possível erigir algum conhecimento humano apenas baseado em experiências empíricas...

É claro que essas duas posições obedeciam a uma lógica "política", que tanto serviu para que a Academia elitista mantivesse uma série de privilégios, enquanto aos "populistas obreiros" foi delegada a atribuição de definir as prioridades da sociedade...

Hoje, no jornal espanhol El País está publicada uma entrevista com o ministro de Assuntos Estratégicos, Mangabeira Unger, a qual reproduzimos aqui...
A despeito da polêmica que envolve seu nome, o que importa é sua capacidade de formular os conceitos necessários ao desenvolvimento de políticas públicas relevantes...

Confira aí...


Pregunta: ¿Qué debería proponer hoy la izquierda en todo el mundo?

Respuesta: Básicamente hay tres izquierdas en el mundo. Hay una vendida, que acepta el mercado y la globalización en sus formas actuales y que quiere simplemente humanizarlas por medio de políticas sociales. Para esa izquierda, solo se trata de humanizar lo inevitable. Su programa es el programa de sus adversarios, con un descuento social y una renta moral y narcisista. Hay otra izquierda, recalcitrante, que quiere desacelerar el progreso de los mercados y la globalización, en defensa de su base histórica tradicional (los trabajadores sindicados de grandes empresas industriales). Y hay una tercera izquierda, la que me interesa, que quiere reconstruir el mercado y reorientar la globalización con un conjunto de innovaciones institucionales. Para esa izquierda, lo primero es democratizar la economía de mercado, lo segundo capacitar al pueblo y lo tercero, profundizar la democracia. Yo entiendo ese proyecto como una propuesta de la izquierda para la izquierda. Diría, con un lenguaje provocativo y algo teológico, que la ambición de esa izquierda no es humanizar la sociedad, sino divinizar la humanidad. El objetivo es elevar la vida común de las personas comunes al plano más alto. Y todo lo que se hace en materia de lucha contra la desigualdad es accesorio a esto. Rousseau dice en algún lugar: ellos no consiguieron ser hombres; entonces, decidieron ser ricos. Nosotros, la izquierda, no queremos eso, queremos que sean hombres.

P. ¿Como analiza hoy día la crisis económica internacional?

R. Yo diría que hace mucho tiempo que el mundo está sometido al yugo de una dictadura de falta de alternativas y que, en general, en la historia moderna, contrariamente a lo que pensaron muchos de los grandes teóricos sociales, los cambios fueron forzados por las guerras y los colapsos económicos. El trauma fue el requisito de la transformación. Hoy hay una gran pobreza de ideas sobre las alternativas en el mundo. Las ideas que orientaron la izquierda históricamente, como el marxismo, están fallidas y la respuesta a la crisis financiera internacional revela de una forma muy dramática las consecuencias de esa pobreza de ideas. No hay nada que no sea una versión momificada del keynesianismo vulgar, es la única luz en esta obscuridad. Hasta ahora, el debate ha estado casi enteramente dominado por dos temas superficiales: el imperativo de regular los mercados financieros y la necesidad de adoptar políticas fiscales y monetarias expansionistas. Son ideas muy por debajo del nivel, de la dimensión del problema. Los líderes de las veinte economías más importantes del mundo se reúnen en Washington y no tienen nada que decir. La verdad es que los poderosos aborrecen a las ideas; cuando ellos llegan, las ideas se van.

P. ¿De que habría que debatir entonces?

R. Hay tres temas suprimidos en el debate, mucho más importantes que esos dos temas superficiales. Todo lo que se puede hacer, y se debe hacer, en materia de regulación de los mercados financieros y de expansionismo fiscal y monetario depende, para su eficacia, del enfrentamiento de esos temas subyacentes más importantes. Son tres. Primero, la necesidad de superar los desequilibrios estructurales en la economía mundial entre los países con superávit en comercio y ahorro, empezando por China, y los países deficitarios en comercio y ahorro, comenzando por EEUU. El motor del crecimiento mundial, en los últimos años, fue el acuerdo implícito entre esos dos elementos. Ese motor se ha roto y vamos a tener que conseguir otro. Eso exigirá grandes cambios en EEUU, en China y la organización de la economía mundial.

P.¿No se trata de regular, sino de reorganizar?

R. Efectivamente. Vamos al segundo punto: la necesidad de que la regulación de los mercados financieros sea parte de una tarea mayor, que es reorganizar la relación entre el sistema financiero y la producción. Reorganizar específicamente el vínculo entre finanzas y producción. De la forma en que se organizan hoy las economías de mercado, el sistema productivo está básicamente autofinanciado. ¿Cuál es entonces el propósito de todo el dinero que está en los bancos y en las bolsas de valores?. Teóricamente sirve para financiar la producción, pero en realidad es solo va oblicuamente a ese cometido. Eso no tiene que ser así y eso es el resultado de las instituciones existentes. En este sistema, las finanzas son relativamente indiferentes a la producción en tiempos de bonanza y son una amenaza destructiva cuando surge una crisis como esta. Es decir, son indiferentes para el bien y eficaces para el mal.

P. ¿Y el debate sobre la distribución de la riqueza?

R. Ese es el tercer punto del que hablaba. El vínculo entre recuperación y redistribución. Todos admiramos la construcción en la segunda mitad del s. XX en EEUU de un mercado de consumo en masa. En principio, la construcción de ese tipo de mercado exige la democratización del poder adquisitivo y, por lo tanto, redistribución de la renta y de la riqueza, pero eso no sucedió en EEUU. Ocurrió lo contrario, hubo una violenta concentración de la renta y de la riqueza. ¿Cómo entonces consiguieron los norteamericanos la construcción de un mercado de consumo en masa?. Parte de la respuesta está en lo que sucedió con la supervalorización inmobiliaria ficticia. Ha habido una falsa democratización del crédito, una democratización postiza, precaria del crédito, que hizo las veces de la democratización de redistribución la renta y de la riqueza, que no hubo. Y ahora que ese sistema está destruido, es necesario crear una nueva base para el mercado. Es necesario insistir en cambios más profundos. Lo que yo le digo a mis ciudadanos es que yo quiero una dinámica de rebeldía; pero la rebeldía es una condición necesaria, pero no suficiente. Necesita una aliada que es la imaginación, la imaginación institucional.

P. ¿Cuál es el papel de Brasil en esa polémica?

R. Voy a decir inmediatamente lo que me parece más importante de Brasil. Su atributo más destacable es su vitalidad. Brasil es, sobre todo, vida. Hierve de vida que viene de abajo y esa vitalidad tiene una expresión social muy importante. La clase media tradicional en Brasil hace mucho tiempo que esta debilitada, económicamente y espiritualmente. Yo digo espiritualmente porque esa clase media tradicional amenaza, al igual que en los países ricos del Atlántico Norte, con una cultura de desencanto con la política. Pero Brasil no es Dinamarca, en nuestro país todo continúa dependiendo de soluciones colectivas a problemas colectivos. Nosotros necesitamos desesperadamente la política.

P. ¿Esta surgiendo una nueva clase media?

R. Surge, al lado de esa clase media tradicional, una segunda clase media que viene de abajo. No es una clase media europeizada, sofisticada; es ruda, morena, mestiza, de millones de personas que trabajan, luchan, para abrir pequeñas empresas, que estudian por la noche y que inauguran una cultura de autoayuda iniciativa. Es el horizonte que la mayoría quiere seguir. Pero sin tener cómo seguirlo, sin instrumentos ni ayuda. Yo entiendo que la gran revolución en Brasil hoy, sería que el Estado usara sus poderes y recursos para permitir a la mayoría seguir el camino de esa vanguardia de batalladores emergentes. Para eso tendría que innovar en las instituciones, económicas y políticas. Y ahí está un gran problema, porque nuestros dirigentes históricamente demostraron una completa falta de imaginación y de audacia. Nuestra gran tarea nacional hoy, colocada en sus términos más sencillos, sería instrumentalizar esa energía, esa energía que viene de abajo. Ahí hay dos grandes proyectos. Un proyecto de democratizar la economía de mercado y un proyecto de profundizar la democracia política. Y eso vale para encarar la crisis en todo el mundo.

P. ¿Impulsará Brasil la construcción de un proyecto común en América Latina?.

R. Al proyecto de unión sudamericana le falta un corazón, un cerebro. Es todo esqueleto, estructura, no tiene espíritu. La UE tuvo dos premisas: ser un proyecto de paz perpetua, para poner el fin al siglo de las guerras europeas, y ser un gran espacio de un modelo de organización social y económica diferente del modelo de EEUU. Nosotros no construimos aún en América del Sur una contrapartida para eso, tratamos de comercio, de integración energética y logística, pero no tratamos de lo más importante: cuál es nuestro proyecto, cuál es nuestro camino en el mundo. Yo creo que la afirmación de ese modelo, de esa trayectoria, en Brasil, que es, de lejos, el país más preponderante de América de Sur, permitiría dar un corazón, un cerebro, al proyecto de unión sudamericana.

P. ¿ Como son las relaciones entre Brasil y Estados Unidos?

R. Yo digo siempre que Brasil es el país del mundo más parecido a EEUU, aunque esa semejanza no se reconoce, ni en EEUU ni en Brasil. Son dos países con tamaños prácticamente idénticos, fundados con la mismas bases, población europea y esclavitud africana, multiétnicos. Los más desiguales de su tipo. EEUU, el más desigual de los países ricos; Brasil, el más desigual de los grandes países en desarrollo. Y paradójicamente, en esos dos países muy desiguales la mayor parte de los hombres y de las mujeres comunes continúan pensando que todo es posible. Brasil tiene, sobre todo ahora, una oportunidad extraordinaria y considero que un compromiso crítico con EEUU. Ellos están buscando en este momento, un momento de inflexión histórica, un sucedáneo al proyecto de Roosevelt. En Brasil estamos en una búsqueda paralela de un nuevo modelo de desarrollo que transforme la ampliación de las oportunidades económicas y educativas, en el propio motor del crecimiento económico. No se trata de discutir solo en el nivel de las abstracciones ideológicas; mi propuesta es que construyamos experimentos comunes en las instituciones que definen la economía de mercado y la democracia (FMI,BM, OMC, ONU)

P. ¿Participa el presidente Lula de su análisis estratégico?

R. Lula es, en algunos aspectos, una personalidad opuesta a la mía, pero él tiene intuición, y capta y traduce en sus discursos, lo noto cada vez más, esas cosas 

11 comentários:

Gustavo Alejandro Oviedo disse...

Muito interessante. É bom saber que há um funcionário público que se dedica a "pensar" o futuro. E que tenha a liberdade para dizer certas coisas, como a definição da primeira esquerda que ele comenta, que se parece bastante com o governo Lula.

Rosângela - discípula aprendendo... disse...

Horizontes..
Eita país de Horizontes!
País Nosso!

Sim, é verdade, trabalho intelectual e atividades de “eiros” sempre foram vistos com uma “visão tacanha”. Quando eu fazia Pedagogia nos anos 80 na, hoje, FAFIC, os “estudantes” de História falavam que Pedagogia era curso de “lavadeira”.
E vinha aqueles colegas, futuros pedagogos, em “pose” de arrogância querendo justamente ali, lavar a roupa suja.
Eu tentava acalmar os ânimos e me concentrava em “Nilsinho”( colega de infancia de meu marido, morava na mesma rua, filho da dona Valdéia), cheio de vida e nos ensinando sobre esta questão “petelizar” as cabeças”””
Como admirava Nilsinho! Ele conseguia dizer o que eu tinha medo até de pensar!!! Ah, saudades de você, Nilsinho!!! Você deu o ponta pé e eu ia, te ouvia aprendia. E nunca nem perto chegava, afinal que medo dos de História!!! Ali, no meu “tanque” entre Freud, Piaget e Paulo Freire, buscava tudo! Sem dinheiro para comprar os livros, vivia na biblioteca... ( hoje carrego minha bibiloteca para tudo quanto é lado e ela se resume em apenas 66 livros.. hehehe cheios de Vida...).
Nilsinho com aquele seu andar de quem olhava o futuro, era doce e ao mesmo tempo “mau”. Mas... um “Mau” para o bem e sempre respeitando as “lavadeiras”. Claro que não íamos achar que ele nos oprimia só porque “alguns de sua comitiva”(anti-freireana e sem entender nada de nada e querendo só brigar), nos esculachavam.
Coitadas das “lavadeiras”... Éramos sim, as que tentavam lavar a roupa suja no processo, para juntos podermos tirar Campos das mãos dos “Rockbozas”. Não por eles terem sido “sempre eles”, mas porque Campos não andava..
Este texto de Xacal mexeu comigo.
E, não pensem vocês que nós lavadeira definíamos prioridadeas! Nenhuma! Éramos lavadeiras. Não pro Nilsinho, ele não tinha culpa... e sempre eu soube separar as coisas... ( Deus me ajudava..sempre).

Mas, pensando bem, é Verdade!Não é mito!
Nilsinho( História), Freire, Gadotti, Brandão, (Pedagogos),e aqui me incluo..lavadeira, queríamos sim, ver Campos Lavada e Limpa!Como quero até hoje.

Nilsinho, intelectual, saiu do tempo e foi para o infinito da eternidade. Paulo Freire ídem. Gadotti, Brandão, estão por ai, sei lá, tentando sustentar o insustentável.

Eu? Ai Meu Deus!
Uma jumentinha perdida entre textos que ninguém entende, que não diz coisa com coisa, que leva fora daqui e dali, dos intelectuais da Academia, inclusive, ainda...

Bem, o que tá me salvando agora aqui é o MangabeiraUnger, que nunca vi tão gordo, mas que caiu como uma luva em meu coração e me acaricia, hoje, numa data tão significativa!

Ele diz aqui que temos três esquerdas:
1 – vendida, que aceita e que humaniza o inevitável.
2 – que defende sua base histórica tradicional ( estou revendo meus conceitos)
3 – (que interessa ao mangabeira) – Reconstruir, reorientar, democratizar economia de mercado, capacitar povo, e aprofundar a democracia.- Esquerda para a esquerda!

Ele, Mnngabeira, PODE provocar teologicamente e dizer:
“A ambição desta esquerda não é humanizar a sociedade, mas DIVINIZAR a humanidade.
Lindo! Sem comentários! Eita Mangabeira dos meus!
Onde tem algo divino, tem:

VIDA COMUM das pessoas em plano mais alto, sempre buscando as coisas de cima( nunca em outros campos...)
Lutar contra desigualdades( inclusive talvez até ligado ao “espiriual”)
Não querer ter riquezas, mas querer ser Gente.

Sobre Econmia Internacional, ele diz:

mundo em JUGO de DITADURAS de falta de alternativas( e olha que ele nem conhece os bad blogs aqui..)
pobreza de alternativas de ideias
Marxismo falido não é resposta

A VERDADE É:
PODEROSOS SÃO CONTRA IDÉIAS!

E perguntam ao Mangabeira:
Qual deveria ser o debate?
Vejam, que coisa de “eiros”!!!

"Superar desequilibrios estruturais na economia mundial em países com superavit comercial. Nada de Regular e Sim Reorganizar sistema financeiro e produção pois hoje o sistema produtivo está autofinanciado."

“SÃO INDIFERENTES PARA O BEM E EFICAZES NO MAL”, caraca!!! (nada a ver com Venezuela, é coisa de jumenta mesmo). Pera aí Caraca e Venezuela tem a ver??? sou ruim de memória!!!!!

Cara! Já vi este filme
Rebeldia sim, mas ela não é suficiente pois tem que estar aliada a IMAGINAÇÃO”( olha o jules aí..hehehehe, mas ele ama o diabo e diabo não cria nada! Só copia... e Jules não devia perder tempo com este “impostor”...Só uma sugestão, jules!)

Porque.... Rebeldia sem imaginação???? NINGUÉM MERECE, GENTE!!!

Qual o Papel do Brasil?
Hum!!!! Aqui Mangabeira parece a !"EIRA onde os eiros podem passar” E as lavadeiras podem ajudar a limpar esta EIRA... Limpe a eira que os eiros vão passar... inclusive... Lavadeiras .

O mais importante no Brasil segundo Mangabeira: SUA VITALIDADE!!!! VIDAAAAAAAAAAAA UAAAAAAAAAAAAALLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLL.

Brasil é sobretudo, VIDA!
Agora... Que vida Mangabeira?
Vida “bios” ou Vida “zoe”?
Bios= natural
Zoe = Divina

Vida que vem de baixo!
Ali onde gesta!
Ali onde é “bosta adubando vida”!
Cara!!! Olha o extrume ali!!!

O Povo não é visto como extrume?
Campos não está um extrume?
Mas povão é adubo!

E Mangabeira vem ofender todos nós dizendo que:

“Classe Média é debilitada econômica e ESPIRITUALMENTE!”

Viu? Eu que o diga! Pois Manga diz “Cultura desencantada”, mas eu digo, né não Gabeira, aqui no Brasil a Cultura é “encantada”, é muito encantamento para tudo quanto é lado para trazer até morte aos adversarios, sabia? Manga??? Brasil é espiritual mas só para mal. Aqui se você levar espiritual para a VIDA ZOE, eles chamam a gente de lavadeira, e mais coisas e o pior ainda esculacham o Autor da VIDA!!!
Ahhhhhhhhh Mangabeira!!!!!


Quem sabe agora, os intelectuais nos deixam seguir em paz em conjunto e se juntem aos EIROs da VIDA????

Mangabeira dá a receita para a Revolução Hoje:

! Preste atenção!

“ O Estado usar seus PODERES e RECURSOS e permitir a maioria seguir o caminho dessa vanguarda de 'EIROS' EMERGENTES!!!

Mas... e a falta de IMAGINAÇÃO???? E A fALTA DE AUDÁCIA?

Recado da “lavadeira jumenta bosta” para Mangabeira ( vcs reparam que na eira tem fruto, né?):

Mangabeira Unger, Brasil é Brasil de Eiros, e eira tá cheia de Manga!!! kkkkkkkkk
Com coração
Com criatividade
Com imaginação
Com cérebro
Com energia( cheio de Jesus que só faz o bem e jamais “o mal também”...)
Humildade
Verdade
Integridade
Olhando para cima
debraço com o seu próximo

E assim DIVINIZADOS, COMO EIROS, AJUNTANDO E NÃO ESPALHANDO...
Precisamos muito de( o que poderíamos definir numa palavra todo o texto de mangabeira):

I N T U I Ç Ã O!!!!

Vamos respeitar mais as lavadeiras e jamais retaliar os intelectuais.
Ainda mais agora depois desta pérola que o Xacal trouxe.
Obrigada, Xacal, vc não é tão mal assim.

Deixa eu lavar os teu pés, amigo?
Rosângela... e obrigada pelo presente, pois hoje é meu aniversário e vc nem sabia... 5 ponto 6.

E digo pra mim mesma hoje, Xacal:
Rosângela,conviértase en una vasija que DIOS PUEDA USAR.

Xacal,Cuando piensa en la clase de "vasijas" que usted es? viene a su mente palabras como "astillado", "partido", "roto" y "sucio"? Sin embargo, Dios logra cosas extraordinarias a través de personas ordinarias que creen que Dios puede usarlas y las usará, aunque sean imperfectas.

Roberto Torres disse...

Uma provocacao para voce rosangela. Por que Garotinho sempre rejeitou todos os intelectuais? Será que ele chamaria para o seu governo alguém que pensa autonomamente e convida os seus interlocutores a faze-lo, sempre com a possibilidade de que os debates sobre o futuro impliquem em críticas? Lula com certeza merece muitas críticas, mas trata-se de um estadista, um democrata sem medo de enfrentar os riscos da democracia, que acredita no debate plural de idéias como fonte de uma sociedade melhor. O dia que voce admitir Garotinho é um ditarozinho mimado e, felizmente, sem espaco, ganhará o meu respeito.

Rosângela - discípula aprendendo... disse...

Que isso,Torres? Esta "dita" sua foi muito dura agora!

Todos os homens tem qualidades e defeitos, tanto Garotinho como Lula. Gosto dos dois, sabia?
Quanto a seu respeito, quer dizer que está fazendo comigo o que vcs fazem com todos da UENF? Eu não sou da UENF. Não preciso ter seu respeito. Demais a mais, respeitamos pessoas pela dignidade dela como pessoa, e não por pensar assim ou assado. E, olha eu por muito menos sofro com vcs aqui e nem consigo colcoca meus pensamentos.
VCs não deixam de jeito nenhum.
Eu acho que Garotinho não colocaraia pessoas que oprimiram outras, só isso!

Não vai comentar sobre meu texto?

Vcs são mesmo uenfezados, hein??? SEuis colegas no outros Campos são educados, não são assim. Que isso? VC e xacal, são bravos!Muito bravos. E não sabem ser questionados, não levam n ada na esportiva. Agem de forma estranha.
E tem mais, vcs continuarão tendo meu respeito sim. Vou respeitá- los mesmo que vcs achem o Garotinho ditadorzinho mimad.
Onde vejo mais ditadura são nos seus comentários referentes a mim. E agora entendi. Sua ostura comigo é por causa de Garotinho.
Meu Deus, eu tinha uma coleguinha que fazia assim: "sò fico de bem com vc se vc ficar de mal com ela..."

O que chama isso em sociologia, hein? e em psicologia? Será que FReud explica?

Roberto Torres disse...

Acontece que na vida política tudo é sério e nao da para levar na esportiva, para colaborar com a ingenuidade conveniente de apostar na despolitizacao, no "amor" na humildade crista. Todas esses elementos tem espaco na política, e sao fatores decisivos no aprendizado coletivo, mas desde que nao queiram anular a política como o espaco da luta, onde sempre existem inimigos, INIMIGOS!!!!!! Gente que atua numa posicao que precisa ser derrotada para que os interesses emacipatórios que defendemos, que o discurso anti-aprendizado da gente como garotinho representa. Nao há com alguém acreditar no debate racional e acreditar em Garotinho ao mesmo tempo.

Xacal disse...

Pois é Roberto,

Leia minhas considerações e me diga se concorda ou não...

Primeiro é bom que se destaque que esse comentário não é uma réplica aos comentários desse ou daquele leitor...para alguns, essas palavras funcionam como um espécie de obituário...

Talvez por arrogância nossa mesmo, talvez por incapacidade de conviver com certos tipos, mas, fundamentalmente por não enxergar nesses interlocutores qualquer chance de progresso para construir qualquer conceito que me seja caro...E isso ninguém pode controlar, são escolhas minhas, e embora o debate se dê em esfera pública, as decisões sobre com quem, como, o que e por que vou debater é minha, e dela não abro mão...

Bom vamos lá Roberto,

Há nos diferentes formas de embates políticos, em alguns casos, em algumas formas de conflito violento mesmo, uma categoria de pessoas predispostas a fazer a linha de frente, mesmo que não tenham a mínima condição de estar lá...quer por deficiência intelectual, quer por ausência de força, no sentido estrito da palavra

Assim, nas favelas, quando a polícia faz incursões, existem mulheres com crianças no colo que se colocam no fogo cruzado, enfrentam as forças do Estado, como uma primeira linha, em atividade diversionista, como chamamos na esfera militar...

Nas cadeias, há os "cachorrinhos" e "robozinhos" que funcionam como a ponta de lança em rebeliões, e protagonizam os episódios mais violentos, a serviço dos "chefes das cadeias"...

Na Palestina conflagrada, são os meninos que atiram pedras contra os tanques, e por aí vai...

O que há de comum entre eles, e alguns leitores de blogs que infestam esses espaços com "mantras", e toda a sorte de subeserviência explícita a esse ou aquele líder político..?

Muita coisa, mas dentre esses aspectos em comum, um se destaca:
O que torna essa gente tão perigosa é sua fragilidade...explico:

Esses paus-mandados são reconhecidos como a parte mais fraca do conflito, e mesmo assim desafiam a parte contrária, mesmo que seja um "duelo" pedras e canhões...
Tentam despertar no imaginário dos que assistem essas embates, uma simpatia pelo mais fraco, o resgate da mitologica Davi x Golias...Se arriscam, abusam do direito de serem fracos, e quando são repelidos, denunciam o abuso da força de quem os pisoteia, e negam estar ali para confrontar(como vc bem já denunciou em seu comentário)...

Como não tem vontade própria, a não ser a de cumprir as missões para qual foram designados, os "cachorrinhos da blogosfera" sempre se colocam em posição de inferioridade, um tipo de "falsa humildade", que na verdade esconde um autoritarismo de não reconhecer o embate político como tal, e reduzem tudo a uma questão de fé, ou de preferência pessoal, para se esconderem na última cidadela dos canalhas: a reclamação de perseguição anti-democrática e respeito ao seu direito de culto as personalidades que endeusam...

Disso tudo, Roberto, nascem sentimentos como o que motiva os sionistas de hoje, que sempre se postaram como as vítimas internacionais da opressão(não sem motivo), mas que a primeira oportunidade demonstram seu caráter violento e segregador...

Para os "cachorrinhos da blogosfera" não há, por mais que digam ao contrário, forma de interlocução distinta da violência, uma vez que só admitem a relação com o outro se essa for uma relação de dominação...
Para eles o mundo se divide sempre sob sua lógica tosca: ou eles são dominados e pobres coitados, ou são dominadores e portadores da "verdade"...

Enfim, são uns canalhas da pior espécie...

Um abraço Roberto...

Raskolnikov disse...

Perguntinhas que não querem calar: Que tipo de assessoria essa tal mente iluminada prestava a Daniel Dantas? Qual Mangabeira merece credibilidade intelectual, aquele que "denunciou" o Gov. Lula como "o mais corrupto da nossa História" ou esse que foi mendigar a vaga de ministro(?) do bem sucedido Gov. Lula? Quais são planos estratégicos do ministro dos assuntos estratégicos?
O neo gringo do Mangabeira dveria aprender com Rousseau: não basta ser iluminista, tem que ser democrático! Ora, não existe projeto transformador consistente sem a participação dos cidadãos na formação da "vontade geral"! Parece ser bastante saudável desconfiar de intelectuais que s comportam como partidos (aventureiros!) acima da dinâmica coletiva e contraditória da realidade social!

Xacal disse...

Caro Raskolnikov,

Não basta denunciar as incongruências pessoais do Mangabeira, embora essas características influenciem sua dimensão pública, principalmente em debates dessa magnitude...

Mas há um limite para a"desconstrução" do intelectual e confuso mangabeira, que não podemos desconsiderar, sob pena de empobrecer a discussão, ao pretendê-la só com aqueles os quais se comportam de acordo com um figurino que achamos justo:

Boa parte do que ele fala tem sentido, portanto...

Roberto Torres disse...

Brilhante intervencao xacal. Concordo com tudo que voce disse. Daí vem os homens bomba.

Roberto Torres disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Roberto Torres disse...

Com certeza Mangabeira pode e deve ser criticado ... mas nao concordo que seja andidemocrático falar acima dos partidos, considerando-se que os partidos também nao compreendem e nem representam as contradicoes da realidade social. Acho que a esfera pública pode e deve estar aberta a intelectuais que falem além dos partidos, que busquem realizar sínteses de interesses. Mas eu concordo com voce Ralkolnikov, que um dos problemas do Mangabeira é o fato dele nao assumir de modo tao aberto que é um defensor dos interesses do que ela chama de nossa "nova pequena burguesia", interesses que ele tenta dinamizar como sendo o interesse particular com maior potencial de universlizacao da sociedade. Mangabeira se ve como um homem de construcao nacional, que busca construir consensos de interesses além de fronteiras de classe. Acho isso em princípio uma tarefa fundamental num país sem imaginacao republicana como o nosso, mas concordo com voce que nao podemos embarcar nisso sem compreender as contradicoes socais das quais se busca se criar alguma síntese. O negócio entao meu caro é como compreender nossas contradicoes sociais. Quem está precoupado com isso em partidos, ou mesmo na esfera intelectual?