quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

O ganhador do prêmio: "TrOlhaDa na Jumentinha"(in memoriam)...!

Vamos ao obituário do "dotô" imparcial...

Nas sua próprias palavras estão as confissões de um caráter duvidoso, e de uma inteligência reduzida...

"usou o nome de um grande e respeitado amigo para atingir o inatingível. Eu...."

Vejam quanta arrogânia...O inatingível...O inatingível...Alguém arrume uma camisa de força para tanta megalomania...

Não citemos os erros crassos de português, como censo(da atividade de contar)escrito com s, recentemente corrigido às pressas ao longo do dia...

Esqueçamos o apoio político a Flávio Quintanilha, o filho do metranilha-chefe...
Desprezemos o fato de ter sido contratado pela Fundação Pelúcio, ocupando um cargo público sem concurso, e o utilizando para auferir vantagens em sua atividade de advogado(???)...

Se não estivesse morto, chamaríamos o inatingível para um debate público sobre o tema de sua escolha...mas o problema é esse: o "dotô" morreu, junto com seu blog, e está na categoria do extinto ave-linus...

Depois de meses e meses, seu campo de comentários voltou a ser freqüentado justamente no post sobre nossas considerações sobre nosso querido Fábio Siqueira, e sua tolerância além dos limites...

Notem que o espaço do "dotô" está às moscas, e logo no momento que precisa de repercussão...e por que...? Porque caiu a máscara da "santa imparcialidade", um mito que construiu e que não resistiu aos seus interesses, nem sempre confessáveis...Notem que na sua barra de preferidos ainda consta o link com a TrOlha, enquanto nós o banimos há muito tempo, por desconsiderarmos sua irrelevância...O "dotô" dirá que é um democrata...Não...é um oportunista que não prescinde da audiência desse ou de qualquer outro blog, e faz qualquer coisa para "surfar" essa onda, mesmo que odeie o que é escrito por aqui, como já fez questão de mencionar....

Aqui o canalhota, mistura de canalha com idiota, nos brinda com sua incrível má-fé e burrice...Não sabe a diferença entre tradução, comentário e cópia...Não há nada demais em copiar textos de outras fontes, e boa parte da informação circula assim...O problema é que o finado "dotô" é justamente conhecido por essa prática, e todos sabemos ser incapaz de formular um mínimo conceito sobre o que quer que seja...Sem falar no preconceito implícito, que já revelou em outras tristes ocasiões...Vejam quanta canalhotice:

Adorador de sinopses de livros-nunca leu nenhum- sempre publica textos acerca do Oriente Médio. Copia textos de jornais estrangeiros referentes aos xiitas, sunitas, Fatah, Guerra Santa e Israel. Sente um desejo enorme de ser reconhecido por isso, mas.........

Nem falemos da incapacidade de ler ou traduzir de outras línguas...O campo de conhecimento do "inatingível" é limitadíssimo...Sua alcunha na blogosfera é "copia e cola"...Os debates em seu espaço são de uma "relevância" tremenda...Servem apenas para "lustrar" o ego enorme do "inatingível"...

Mas como dissemos, essa é a última vez que ouvimos falar o finado ex-"dotô imparcial e inatingível"...

Morreu junto com a ex-oab...

Não há possibilidade de doação para transplante, pois ninguém quer usar "peças de reposição" de tão baixa qualidade...!

Nossas condolências a família, ou será parabéns por terem se livrado de um fardo...?Sei lá....
De qualquer forma resta o "consolo" do prêmio: "TrolHada na Jumentinha"....

O primeiro ganhador in memoriam...

7 comentários:

Anônimo disse...

Estão falando de quem???????

Axel disse...

Vamos ao currículo do indigitado (falecido):

Boa praça, simpático, como aliás convém a qualquer estelionatário...

Péssimo escritor, arrumou um "jeitinho" de ter um espaço no jornalzinho "OrDInÁRIO". Espaço este frequentemente utilizado por seu "GhostWriter".

Do anedotário que publica adveio um livro(!?), onde se pode ler instrutivos textos, tal como aquele que fala da "resocialização do preso" (sic). Está lá, comprem com o Dr. um exemplar e confiram!

Quantas vezes foi fácil constatar que ele mesmo desconhecia o conteúdo de "seus" textos!?

Quis ser presidente da OAB sem nem ao menos conhecer a regra dessa entidade que exige tempo mínimo de inscrição nos quadros da Ordem. Praticamente um recém formado se julgando apto a presisdir uma entidade de uma profissão a qual mal exerce.

Por tudo, teve que posteriormente ser substituído na chapa. A pergunta é; como alguém que desconhece as regras de funcionamento de uma instituição pretende dela se tornar presidente?

Hoje, revolta-se contra a chapa da qual fez parte, pelo singelo motivo de que diante da intenção de reeleição do atual presidente, sua "liderança" se tornou impossível

Péssimo aluno de direito, arrumou um "jeitinho" de virar professor(!?)
Isso sem ter nenhuma qualificação para tanto, chegou a afirmar ser aluno de um mestrado do qual nunca este matriculado !!!
Mas isto não importa, afinal, tal atividade é uma mera credencial que seu titular pretende ostentar e em muitos casos por franquear-lhe o acesso a certas adolescentes universitárias nem tão inocentes assim...

É duvidoso se sua capacidade didática e seu conhecimento dos assuntos que “leciona” alcancem a página do sumário!

Apresenta um programa de rádio por ser casado com quem lhe abriu portas para tanto. O que não lhe impede de ser figurinha fácil da noite campista, vestido com indumentária tal, como se "garotinho" fosse (duplo sentido, por favor).

Uma pesquisa simples: Consultem o site dos Tribunais, vejam em quantos processos o indigitado "Dr." atua. Vocês verão que sua atividade advocatícia é praticamente nula. Até mesmo por que deve faltar tempo para tanto diante da gigantesca tarefa de trabalhar como vendedor, da própria imagem, registre-se.

Falando de internet, seu blog, espaço privilegiado em que se destila a própria vaidade tem características, no mínimo, suspeitas: Comentários moderados, elogios de múltiplos anônimos ... Não é estranho que elogios sejam dados em regime de anonimato?

Enfim, nada contra a maneira pela qual cada um conduz sua vida, o problema é alguém vender uma falsa imagem, com o propósito de exercer funções públicas que lhe sirvam de trampolim para seus desejos inconfessáveis de notoriedade e ganhos fáceis.

Se tal pessoa expõe ostenta publicamente tais credenciais, deve admitir, por democrático que isso é, que tais qualificações sejam submetidas ao debate público.

Enfim, é isto

Anônimo disse...

Amei, ele mereciu este prêmio e parambés pela excelente colocação rsrsrsrs.

Anônimo disse...

Xacal, o "dotô", aliás, como inúmeros, mas inúmeros para não dizer centenas e centenas de "dotores" da nossa pouco ïntrépida terra,fere mortalmente o português, com uma frequência espantosa. Parece-me que se almeja galgar posições de grande destaque, deveria procurar estudar a língua-mãe, pois, desse jeito, pode-se concluir que ele paasou pelos bancos escolares tendo como mestra a "tia teletubbie".

Anônimo disse...

Imbecis adoradores deste covarde, covarde sim porque se esconde no anonimato como dono de blog, fácil atacar todos com baixaria no anonimato, ele pelo menos mostra a cara, Xacal cagão, calça curta, ou saia curta?

Anônimo disse...

Ao Axel

um dado a acrescentar seu comentário: ele sempre soube que não poderia concorrer na chapa por não possuir, à época, 5 anos de inscrição na OAB; sempre soube porque isso é matemática pura; mas mentiu insistentemente para todos os seus companheiros até o último minuto; sabe pq? para valorizar sua saída e hoje poder mentir dizendo que não cumpriram "compromissos" com ele.

Vc fala de sua fraca atuação como advogado; pois bem, pergunte a ele "qual é o endereço de seu escritório?" Sabe a resposta? Ele não tem escritório.

Pergunte a ele o que fez durante o tempo que estava na OAB. Sabe a resposta? Apareceu na foto dos eventos produzidos pelos que trabalharam de verdade.

Mesmo sendo advogado, vc sabe qual era a sua maior renda? A boquinha da Prefeitura.

Axel, é por aí.

Turcão disse...

Este tipo de canalhinha boa-praça é conhecido. De tanto agradar aqui, puxar saco dali, ainda acaba se arrumando.

Este imbecilzinho é o protótipo do sub-produto da mentalidade vigente na pequena classe média: é preciso se "arrumar" custe o que custar.