sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

A porta de entrada para a História...

Há várias formas de entrar para a História...poderíamos dizer que a maioria de nós "entra" para a História diluido junto a história de muitos outros dos nossos pares...

Outras biografias se destacam, e por várias razões...E sempre haverá um bocado de controvérsia sobre o teor do epitáfio desses personagens...

Getúlio Vargas escolheu uma forma dramática ao extremo para marcar seu nome no cenário político republicano...
Barak Obama é o primeiro presidente negro eleito nos EEUU...

Temos alexandre macabro que será lembrado como pior prefeito da História de Campos dos G..

Do outro lado temos o napoleão da lapa, que "torrou" todo seu capital político(os tão falados 15 milhões de votos)em escândalos como pecado capital e segurança s/a, o que o reduziu a triste tarefa de "auxiliar escamoteado" da eleição de sua títere...o "escondidinho da lapa"...

Fico a me perguntar como pode uma pessoa que chega ao degrau mais alto de sua carreira profissional,  é escolhido para chefiar um dos poderes da República, o stf, sacrificar toda a importância de seus feitos, saberes e competências para servir ao jogo do que há de mais execrável na cena política brasileira, conspurcando a liturgia de seu cargo, e a própria credibilidade da instituição que dirige...

Depois de protagonizar uma "palhaçada" como a dos "supostos grampos", caso Veja/Abin/Satiagraha/PF, e de emprestar seu nome a uma das mais sórdidas tramas da era republicana(daniel dantas/opportunity), o presidente do stf sai mais uma vez de sua toca(ou será toga)para "cagar regras" a outros poderes, cindindo o equilíbrio e autonomia que deveria vigorar entre eles...

É claro que um crime motivado por conflitos pela posse da terra nesse país são gravíssimos, e merecem toda a atenção de todos, inclusive nossas altas autoridades...

O que envergonha o stf, nosso sistema jurídico e os operadores de direito em geral, é ver tanta superficialidade e leviandade a serviço da desconstrução do governo federal...

Antes mesmo do término de qualquer investigação, e açodado(como sempre) pelos microfones e câmeras, o ministro do stf pôs a deitar conclusões sobre o fato e suas cirscunstâncias, sem que uma única prova sequer tivesse sido apresentada, ou qualquer indício ou movimento da Polícia Civil de Pernambuco que nos autorize a emitir "pareceres" sobre o caso...É possível que nem a portaria do Inquérito Policial haja sido lavrada...

Foi além sua excelência, e "sentenciou" todo o movimento do MST, repelindo o repasse de verbas públicas a "organizações criminosas", como se o ato de um, ou de alguns de seus integrantes justificasse a "criminalização" de um movimento social que, em pleno século XXI, ainda luta por uma questão que já foi resolvida em quase todo mundo "civilizado"...e CAPITALISTA...a Reforma Agrária... 

Sobre a injustiça da divisão das terras nesse imenso e rico país...Nenhuma palavra...

Na sua sanha incriminatória, o ministro expôs todo seu conservadorismo, e ficou nú...
Não me recordo de ter visto o ministro fazer nenhum pronunciamento em repúdio a outras vítimas desse interminável e sangrento conflito...
Aquelas que morrem do outro lado da cerca...os milhares de militantes, que como Chico Mendes e Doroth Stang tombaram por acreditar em distribuição de riqueza desse país...Ou ainda sobre os fiscais da Justiça do Trabalho mortos em Unaí a soldo do maior plantador de feijão daquela região, e prefeito da cidade...
Nesse episódio(dos fiscais do TRT), estão presentes todos os elementos "terroristas", ou seja, uma organização criminosa se forma para atacar o Estado e os representantes de seu poder de polícia...Nenhuma singela fala do ministro em homenagem as vítimas e suas famílias...

Nenhuma palavra do ministro para realçar a desproporção de mortos entre os dois lados: militantes e latifundiários...! A taxa de mortalidade de militantes para cada miliciano dos fazendeiros é maior que a de palestinos em relação ao israelenses, na Faixa de Gaza...

Reafirmamos que repudiamos qualquer forma de violência, e nesse episódio todos os culpados devem ser punidos na proporção de sua participação para consumação dos crimes...

No entanto, extrapolar a questão para auferir ganhos políticos não é uma papel adequado ao guardião-mor de nossa Constituição...
Presumir que o governo "financia" o crime, e a ele se acumplicia, quando investe nos assentamentos rurais é um pensamento tão tosco, quanto imaginar que o governo e as montadoras de veículos subsidiadas por ele são cúmplices nas mortes em incidentes de trânsito...

Pelo jeito, sua excelência, o ministro que sonha em ser presidente, escolheu a porta dos fundos da História...

30 comentários:

Anônimo disse...

Gilmar Mendes é um idiota, um idiota engravatado, um idiota presidente do STF, mas não passa de um idiota.


Xacal, me diga uma coisa, como vê o quadro de sucessão estadual.

Não me lembro de ter lido muito a respeito em seu blog, me parece que começam a surgir os contornos da disputa estadual de 2010.

Anônimo disse...

Xacal,
Concordo e discordo de você.

Concordo quando você fala sobre o Gilmar Mendes. Acho que ele ficou marcado negativamente com o escândalo do DD.

Discordo com relação ao MST, um movimento que já foi importante, mas que hoje perdeu totalmente o seu propósito. Hoje o MST invade terras produtivas, saqueiam propriedades e até mesmo fazendas utilizadas para pesquisa foram depredadas.

Na minha opinião, o fim do MST começou quando pessoas que nunca pegaram uma enxada começaram a entrar no movimento, apenas para descolar uma terrinha...

Xacal disse...

Caro comentarista das 10:32, em breve teremos alguma análise sobre o assunto...

comentarista das 11:02,

suas considerações sobre o MST são oportunas, e realmente, como todo movimento social de qualquer segmento, é inevitável que ocorram alterações ao longo de sua história...

é muito pouco provável que tenhamos, na história dos movimentos, algum que tenha permanecido "puro"...por isso que o nome é movimento...agora, o post está adstrito a tentativa de criminalizar o movimento, que ocorreu com maior intensidade durante a octaéride cardosista...

lembremos que a política da criminalização e enfrentamento "puro e simples" dessa época só acirrou os conflitos e se demonstrou um fracasso em todos os aspectos, inclusive no qual era o viés principal: a ótica policial e do assunto como caso de segurança pública, e não como problema social que é...

um abraço, e obrigado pelo comentário

Di Donato: disse...

Bom amigo.
depois de um acordar envolto em forças acima dos 45 mil watts
Minha Sujestão:
Abra uma cerveja bem gelada, observe o vôo das cinzas do canavial em chamas, reuna forças, solte um PTQPariu bem alto, e parta pro segundo POST.
voce é bom.

Do exílio
Di Donato

Anônimo disse...

Eu acho que o MST surgiu a partir da necessidade de promover a reforma agrária. É um sistema que visa distribuir terras de forma justa.
O movimento é organizado em 24 estados brasileiros a partir de comissões de frente que buscam a reforma agrária de forma verdadeira.
Como forma de reivindicação é um movimento mais do que justo.
O MST universalizou sua causa e tornou conhecida a necessidade de fazer valer o direito do homem de ter seu espaço para morar e promover seu sustento e ainda trouxe à tona a ocupação improdutiva de terras por pessoas que visam apenas terem posses.
Se existem pessoas que se infiltram no movimento com a intenção de enganar o governo e os próprios manifestantes somente para obterem um pedaço de chão. Estes, de maneira alguma devem ser considerados integrantes sem-terra.

Assim como na política existem os bem intencionados e os que só querem tirar proveito próprio em detrimento do grupo ou população!.

Tramem disse...

Já concluimos a reforma agrária no Brasil? Os assentados realmente já receberam o apoio necessário? Já visitou um acampamento? um assentamento? sabe a diferença? Sabe o que é protesto? Luta? Invadem? Ah os que aparecem nas colunas sociais não invadiram?
Reproduzo nota oficial do MST
Nota de esclarecimento sobre os acontecimentos em PE
27/02/2009

1– Nesses 25 anos de luta pela Reforma Agrária, o MST repudia a violência como solução para os conflitos no campo. Nós, como muitos outros movimentos sociais do país, fomos historicamente vítimas da violência da reação do latifúndio e do agronegócio. Segundo dados da CPT (Comissão Pastoral da Terra), de 1985 a 2007, foram cerca de 1500 assassinatos de trabalhadores rurais, muitos deles mortos enquanto defendiam seu direito à terra.

2 – O caso recente de Pernambuco é um exemplo de ação em legítima defesa, a que os trabalhadores tiveram de recorrer para evitar mais um massacre. Pistoleiros e milícias armadas rondavam dois acampamentos – nas fazendas Jabuticaba e Consulta - desde sábado (21/02), conforme comprovam fotos e denúncias feitas à Polícia Militar. Os pistoleiros entraram armados no acampamento Consulta, depois de reocupado pelas famílias, e passaram a agredir um trabalhador, até levá-lo ao chão. Um dos pistoleiros chegou a sacar uma arma para atirar, e foi nesse momento que os acampados reagiram, em legítima defesa. No desfecho da situação, quatro pistoleiros morreram e um trabalhador foi baleado. A Polícia Militar foi chamada para registrar a tentativa de massacre, e prendeu dois Sem Terra sem averiguar a denúncia feita pelas famílias. Hoje, esses trabalhadores e trabalhadoras estão sendo permanentemente ameaçados por parte das milícias armadas da região.

3 – Solicitamos a defesa da vida das famílias acampadas e a desapropriação imediata das duas fazendas, que, conforme já comprovou o Incra, são improdutivas e não cumprem sua função social.

4 – O MST reafirma seu compromisso de luta por uma Reforma Agrária ampla e massiva, que possa de fato resolver os conflitos no campo, através da desconcentração da propriedade da terra, garantindo a milhares de famílias Sem Terra seu sustento e a produção de alimentos para a sociedade brasileira.

Nota de esclarecimento sobre as ocupações em São Paulo

Diante da repercussão das ocupações de terras ocorridas em São Paulo nos últimos dias, a Direção Estadual do MST esclarece:

1 - As ocupações são importantes ferramentas na luta pela terra, por isso, o MST, durante os seus 25 anos de história, sempre utilizou dessa ferramenta para lutar pela Reforma Agrária. Desse modo, o MST continuará realizando ocupações de terra independentemente de calendários. Na madrugada de sábado (21/2) realizamos três ocupações na região do Pontal do Paranapanema: Fazenda Dumontina, em Mirante do Paranapanema, com 50 famílias; Fazenda São Luiz, em Presidente Bernardes, com 80 famílias e Fazenda Santo André, em Martinópolis, com 70 famílias.

2 - Como já é de conhecimento público, José Rainha Júnior não compõe nenhuma instância organizativa do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra e, portanto, não está autorizado a falar e agir em nome dessa Organização.

3 - A reunião com o secretário de Justiça de São Paulo divulgada pela imprensa, não era com a direção estadual do MST, portanto, não temos nada a declarar sobre esse assunto.

Tramem disse...

Autor:
Juliana Santos do Nascimento
(10 anos, terceira série, Escola Ouro Verde, Assentamento Ouro Verde, Lagoa Grande, Pernambuco.) Reproduzida com a permissão do MST São Paulo

Título:
O MST mudou minha vida
(O irmão menor morrera de subnutrição. A migração do Nordeste parecia cada vez mais inevitável.O MST mudou o destino dos que só teriam a vida de retirantes como opção.)

No tempo em que eu era guri e morava no Cariri(1) com uma fome danada, olhava mas só via capim.
Jogava meu olhar à distância e naquela imensidão uma grande seca sem fim.
O meu pai falava com mamãe assim: Tereza esse vai ser nosso fim, o único jeito que tem é ir embora do Cariri(2).
Eu não podia ouvir estas palavras que meus olhos enchiam de água, sabia que dali se ia mas nunca podia voltar.
E o meu pé de juá? Que nele eu gostava de brincar. Meu Deus faça chover nesse lugar.
Mas quando eu pensava no meu irmão Antoninho que ali tinha morrido porque não tinha do que se alimentar.
Mas um dia nosso caso teve solução, chegou um homem de caminhão e com papai foi falar. Falava de um MST, eu estava distante não dava para entender.
Depois que o homem saiu, eu e mamãe fomos perguntar do que o moço falava. Meu pai disse, do MST.
MST! Nós nos espantamos, o que danado é isso? Papai foi nos explicar. Mas com duas semanas depois saímos daquele lugar e uma fazenda fomos ocupar.
Adeus Cariri, e nos barracos fomos penar. Enfrentamos sol, chuva, polícia, fomos despejados, ia para lá e vinha para cá.
Mas um dia isto mudou, ganhamos terra, começamos a plantar. A felicidade é tanta que nem lembro daquele lugar, muito menos do pé de juá.
Aqui nós temos de tudo, roça, escola, creches, posto de saúde e até parque para brincar.
Mais se o leitor duvidar da força do MST
Só entrando na luta que você vai ver
Todo mundo feliz com razão para viver.

1. Cidade nas região muito árida do sertão nordestino no estado do Ceará.
2. A criança se refere aqui ao conhecido fenômeno dos retirantes do Nordeste.

Anônimo disse...

Tramem e Xacal,

Compreendo e concordo com a necessidade de reforma agrária. Acontece que as ocupações são muitas vezes feitas em propriedades produtivas e seguidas de saques de depredação.

Isso sem falar na destruição de propriedades usadas para pesquisa e qualquer coisa relacionada a trangênicos.

Ou seja, a causa é mais do que justa, o problema são as pessoas que conduzem o movimento.

Xacal disse...

Mas eu nunca mencionei aqui que não há distorções e exageros nas invasões...e que devem ser punidas...

Mais uma vez: denunciei a forma tosca e de má-fé dos argumentos do ministro, e da cobertura açodada da imprensa...

Sem mencionar na "rapidez" da Judtiça/Polícia ao prender os "acusados", quando sabemos que a maioria dos mandantes dos crimes de pistolagem no conflito agrário brasileiro permanecem impunes...

Um abraço...

Anônimo disse...

Acho que ninguém vai aparecer aqui para defender o GM. :P

Tramem disse...

Continuo defendo o MST , a necessidade urgente da reforma agrária e a total descrença de que qualquer governo nesse país a faça sem um movimento social forte empurrando! Ocupar, resistir e produzir!

Tramem disse...

27/02/2009

O Fórum Nacional pela Reforma Agrária e Justiça no Campo - FNRA, vem contestar as declarações carregadas de preconceito e rancor de classe do presidente do Supremo Tribunal Federal - STF, Gilmar Mendes, e apoiadas pelos Presidentes do Senado Federal, e da Câmara dos Deputados, contra os movimentos sociais e sindicais do campo. Ao longo da historia da luta pela terra no Brasil, a atuação dos movimentos tem sido inspirada pela garantia dos direitos humanos, em especial o direito à vida, à dignidade dos homens e mulheres do campo e o direito e a necessidade de realização de uma reforma agrária massiva, que contemple uma ampla e justa distribuição de terras.

Lastimamos que o Presidente do STF, que é o guardião da Constituição Federal, não tenha incorporado à história de luta das classes populares nacionais. Em declaração recente a imprensa, o Ministro, em uma atitude revoltosa, coloca no mesmo patamar diferentes situações como as ocupações de terras, convênios e contratos assinados entre organizações e governo, questiona as autoridades responsáveis pelo repasse de verbas e pede a punição por crime de responsabilidade.

Nunca a sociedade brasileira ouviu do Ministro uma condenação aos grupos de latifundiários armados no campo ou a concessão de financiamentos públicos aos grandes grupos econômicos, que tem provocado o trabalho escravo, chacinas contra populações tradicionais e crimes ambientais. Dessa forma, o senhor Ministro Gilmar Mendes, estimula o processo de criminalização dos movimentos sociais e sindicais, unindo e fortalecendo politicamente os setores que atuam no sentido contrario à consolidação de uma sociedade livre, organizada e democrática.

A luta pela reforma agrária não vai recuar diante de declarações imponderadas como esta do ministro Gilmar Mendes. Ao contrario, fortalece a luta do FNRA contra as legislações que institucionalizam a criminalização das organizações, contra as leis que impedem as legitimas ocupações e A FAVOR da emenda constitucional que limita o tamanho da propriedade rural e pela assinatura da Portaria que atualiza os índices de produtividade.

Atualmente existem cerca de 250 mil famílias de sem-terras acampadas nas beiras das estradas. Os recursos orçamentários da União destinados para a reforma agrária não dão conta desta demanda, apesar de estar comprovado que o Estado possui recursos suficientes para realizar a reforma agrária em menos de três anos. Adiar este processo significa promover e estimular a violência no campo, colocando em risco a vida de milhares de famílias brasileiras.

E lamentável quando lemos e ouvimos o Presidente do Supremo Tribunal Federal apelar para Medidas Provisórias e legislações recentes sobre a reforma agrária, quando a Constituição Federal assegura aos cidadãos e cidadãs o direito à terra aos que nela trabalham, a moradia e a uma vida digna. O papel do FNRA é exigir do Estado o efetivo cumprimento da função social da propriedade da terra, para que dela os brasileiros e brasileiras tirem seu sustento.

As lideranças dos diferentes movimentos reunidos em Salvador durante o Seminário Nacional pela Campanha do Limite da Propriedade da Terra não se sentem ameaçadas pelas palavras do Ministro Gilmar Mendes. Pelo contrario, se sentem desafiadas e estimuladas a renovar suas alianças e dar continuidade à luta histórica em nome dos companheiros e companheiras que tombaram nesta caminhada.

Pela Reforma Agrária e Justiça no Campo, já!

Fórum Nacional pela Reforma Agrária e Justiça no Campo - FNRA

Anônimo disse...

O Gilmar Mendes não é uma pessoa isenta e confiável, o seu comportamento no episódio do Daniel Dantas assim comprova.

Mas no que se refere às suas declarações com relação a dinheiro público para o MST, acho que ele está com a razão.

Dá dinheiro público para o MST invadir e destruir propriedade é o mesmo que dar dinheiro público para um assaltante comprar uma arma para assaltar transeuntes nas esquinas.

Ora, quer fazer manifestações, que arrume dinheiro particular!! Se vire por conta própria, sem dinheiro público.

O MST é um grupo terrorista. Só não mostrou totalmente do que é capaz porque recebe dinheiro público. Quando a fonte secar, partirão para a ignorância e passarão a fazer atentados terroristas. São bandidos. Se compõe de dirigentes que se beneficiam de verbas públicas e arregimentam pessoas (a grande maioria não é da área rural, é da área urbana, que se aproveitam da situação para ganhar “um qualquer”) para agitarem. A reforma agrária é apenas um pretexto, a razão maior é o poder, e ganhar dinheiro com isso, SEM TRABALHAR!!!!!

E quanto à Reforma Agrária? Ela só se justifica se representar uma real função social para a propriedade. Mas função social da propriedade significa utiliza-la em benefício do maior número de pessoas possível, em benefício da sociedade como um todo. E, em se tratando de terras produtivas, a função social significa fazer a terra produzir o máximo possível,produzir o máximo de alimentos possível. Isso só se obtém com a utilização da terra como um empreendimento, com agronegócio, utilização da terra como empresa e com grandes investimentos.
Utilizar terra como agricultura familiar não leva a terra a cumprir sua função social, pois esse método de produção é arcaico, e não beneficia a sociedade. Produz muito mal para alguns poucos produtores (reais produtores rurais), mal dando para o sustento de sua família.
Reforma Agrária para valer é fazer com que as terras produzam o máximo de alimentos possível. E isso não se consegue com agricultura familiar ou cooperativas formadas para tal, e muito menos por pessoas sem aptidões para o trabalho rural.

É hora de cortar o suprimento de dinheiro público para o MST. E punir quem ilegalmente transferiu recursos públicos para esses terroristas.

Anônimo disse...

Xacal, o Gilmar da mais um fora em sua carreira não muito ilibada e uns e outros vem dar razão ao socio de Daniel Dantas . Senhores acordem, o MST quer fazer no Brasil o que ja foi feito em todo mundo (REFORMA AGRARIA). A proposito em todo mundo ela não foi muito pacifica , pois a eterna luta do capital latifundio contra os pequenos produtores sempre foi aviltante em qualque lugar do mundo.Com relação aos infiltrados ate no meio dos apostolos tinha um . Sera que esses defensores do sr. Gilmar sabe como os donos de grandes propriedades compreendendo regiões de Imbé , Rio preto , Lagoa de cima , Lagoa Feia,margens de rio ,areas de proteção ambiental, conseguiram ou seus antepassados conseguiram a posse de suas terras ? deixa pra , la (casa de marinbondo pura),ainda estão curiosos ? então procurem o Marcelo Lessa que a verdade sobre estes pseudo latifundiario virão a tona. Caros , estamos falando de Campos , imagina o que acontece de grilagem ao longo de seculos neste Brasil de proporções continentais, facil imaginar, grande proprietarios invadiram e ainda envadem terras por este pais afora , eles podem mas o MST aquela corja sem berço , suja , desdentada , analfabeta não pode.Ta tudo claro ; não sei por que estou escrevendo estas linhas com meu portugues meio capenga e tentar mostrar a estes defensores do indefensavel Gilmar que o MST apesar dos pesares ainda e um movimento que rende fruto, ou sera que alguem ainda não sabe porque o Brasil quase que dobrou suas atividades na produção de alimentos?A proposito meus caros , passem num acampamento do MST de Campos , conheça de perto suas dores, dificuldades e minima assitencia de qualquer esfera governamental(MELHOROU UM POUCO COM LULA) , ai voces vão ver a diferença dos invasores do passado, porque que não dizer tambem do presente , da turma do MST,; os primeiros aparecem nas colunas sociais e o segundo quando aparecem em jornal so se for nas paginas policiais. Obrigado Xacal desabafei.

Xacal disse...

ótimo debate, ótimo debate...parabéns a todos os comentaristas...

engraçado como o editor do blogue nem sempre (ou quase nunca) consegue determinar uma "pauta" que entre em sintonia com os leitores/comentaristas/colaboradores...

eu relutei a publicar esse post porque achei o assunto meio desinteressante e desgastado...

estava absolutamente errado...

Anônimo disse...

Grilagens passadas não justificam grilagens presentes nem grilagens futuras. Muito menos justificam grilagens financiadas com dinheiro público.

Grilagens passadas, principalmente na nossa região não são difíceis de serem constatadas. Isso poderia ser averiguado, investigado legalmente junto aos cartórios e com a análise das veracidades das escrituras. Basta querer fazer, e tomar as medidas legais necessárias.

O que o MST faz é bandidagem, tentativa de grilagem com verba pública. A reforma agrária é apenas pretexto.

Se nos acampamentos do MST as coisas não funcionam direito, isso decorre da própria forma desse movimento atuar. Os seus dirigentes, que não trabalham, não pegam nunca na enxada, estão sempre no bem bom, gozandos dos capitais (verbas públicas) enquanto os lúmpens que eles comando passam fome, são apenas massa de manobra. Os Rainhas e os Stédiles viajam o Brasil todo ( e no exterior também), usufruindo das verbas públicas.

Nos últimos anos (só agora a mídia está divulgando) foram aproximadamente R$ 50.000.000,00 (CINQUENTA MLILHÕES DE REAIS) !!!!!!!. O lumpesinato, obviamente, não viu (e nunca verá) a cor desse dinheiro, mas os Stédiles viram e usufruiram muito bem deles.

Acorda povo brasileiro!!! Deixe de ser otário!!!!. Essa turma da esquerda não quer nada com trabalho!! Só querem se dar bem com o Poder, com as verbas públicas, e iludem incautos com papos furados do tipo “tudo pelo social”.

Anônimo disse...

Xacal , ja desabafei, agora contra o comentario sobre meu comentario eu fico sem commentario pois contra viseira, sem comentarios.Insisto va a um acampamento e voces verão muitas dificuldades menos ociosidade ou desorganização pelo contrario quem tem divide com quem não tem ,enfim a essencia da organização (solidariedade)e muita luta. Sou um quase Arquiteto e urbano deste meu nascimento, caras quando conheci o MST vi ai a solução da zona urbana e rural na sua forma mais eficiente e (VIVA A AGRICULTURA FAMILIAR, VIDE FEIRAS DA ROÇA E NOSSO MERCADO COM PRODUTOS DE QUALIDADE A MAIORIA PRODUZIDO EM ASSENTAMENTOS DO MST), fim de papo.

Anônimo disse...

'Arquiteto e urbano deste meu nascimento, caras quando conheci o MST vi ai a solução da zona urbana e rural na sua forma mais eficiente e (VIVA A AGRICULTURA FAMILIAR, VIDE FEIRAS DA ROÇA E NOSSO MERCADO COM PRODUTOS DE QUALIDADE A MAIORIA PRODUZIDO EM ASSENTAMENTOS DO MST), fim de papo.

28 de Fevereiro de 2009 19:24"

PARABÉNS!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Anônimo disse...

se as populações dependessem apenas da escassa produção e da qualidade dos produtos da agricultura familiar estariam todos passando fome e guerreando por comida

Tramem disse...

No pantano goitaca onde como dizia o pai de uma conhecida,
" quem tem um quintal posa de fazendeiro" , a questão fundiária sempre vai atrair grandes debates Xacal !
As ocupações aqui não foram banhadas de sangue porque um decreto do velho Leonel Brizola impede que a Polícia Militar atue nesses conflitos sem ordem do executivo, isso mesmo ordem direta do governador, e ai havia tempo de se reverter as questões no judiciário,e deixava o governador de saia justa porque seria o responsável direto pelo massacre que poderia ocorrer. Várias desocupações foram impedidas e ou revertidas com os advogados do MST ou defensoria pública a partir desse decreto.
Prova de que o assunto aqui pega fogo foi a operação da polícia federal na questão das ilhas do paraiba do sul, acho que em 93 ou 94, lembro que na época chegou-se a pensar que PC Farias estivesse sendo preso em Campos, helicopteros, viaturas, um aparato enorme maior que a da telhado de Vidro para levar uns pobres trabalhadores rurais com a alegação de que havia plantio de drogas nas ilhas, o que nao foi confirmado evidentemente. Ambientalistas e fazendeiros do mesmo lado usando o argumento de que a área era de preservação, mas o gado continuava pastando lá, tranquilamente , até o gado de um dos diretores da rede globo,o tal do Bockel, Ai chegou o MST e se juntou aos pescadores e trabalhadores rurais que continuam buscando seu pedaço de chão... E os ambientalistas? Bom acho que a área não é mais de preservação, ninguem diz mais nada, o gado continua lá, assim como algumas velhas paredes dos poucos barracos , cravadas de balas. Era só para assustar". Assustaram sim! Mas não impediram que a luta continuasse. A luta continua! Ocupar ! Resistir e Produzir!

Anônimo disse...

o comentarista se equivocou com o lema do mst. Considerando o que tem sido feito, o certo seria: ocupar, destruir, matar, aparecer na mídia e faturar dinheiro público. E não trabalhar!

Carlota Joaquina disse...

... E nós entramos nessa terra e não vamos sair!! Nosso lema é ocupar resisitir e produzir!!!!!

Anônimo disse...

Vejam como está certo  o lema:- Ocupar: ocupam mesmo, todos saben disso;- destruir: destroem mesmo, tudo de produtivo que encontram pela frente, lavouras, animais, etc;- matar: matam mesmo, animais e pessoas, se preciso for. - aparecer na mídia: toos percebem isso diariamente;- ganhar dinehiro público : R$ 50.000.000.00 (HAJA ZEROS NESTE NÚMERO! CINQUETA MILHOES DE REAIS!!!)- NÃO TRABALHAR: TRABALHAR PARA QUE? O DINHEIRO PÚBLICO CHEGA DIREITINHO, VAMOS VADIAR!!!  PASSAM FOME, MAS NÃO QUEREM TRABALHAR.

Xacal disse...

Quando se fala na questão fundiária, o que ouvimos é toda sorte de idiotice e hipocrisia, os canalhotas(má-fé e burrice, juntas)

Nossa estrutura fundiária foi alicerçada a partir das capitanis hereditárias, a única experiência de "repartir" terras nessa país... precisa dizer mais alguma coisa...?

Bom, mas diremos:

Engraçado é falar em grilagem...falam, falam, falam ou vomitam a informação que lhes deu congestão em seus diminutos cérebros...

Grilar é tornar-se possuidor ou proprietário com a utilização de fraude(escrituras falsas), com a colaboração da quadrila dos cartórios, a leniência e cumplicidade dos governos, que destinam bilhões e bilhões dos bancos oficiais para sustentar "atividade produtiva" em terrars ocupadas ilegalmente...

Bom, e a conta...o idiota-contribuinte paga...pois esse dinheiro público serve para alavancar projetos de poder político, que bancam deputados aliados e candidaturas dos próprios latifundiários(chamados, eufemisticamente, de bancada ruralista) que depois, chantageia os governos para perdão da dívida...

A desapropriação e transferência da propriedade na reforma agrária é, ao contrário, um processo judicial, onde as partes(latifundiários e mst)têm acesso ao contraditório e ampla defesa de suas teses, e por sentença de um JUIZ competente pata tal ato, sentencia-se ou não pela tradição do imóvel rural...

Muito diferente da grilagem, ó imbecis...

Quer mais exemplo de investimento do dinheiro público em atividade criminosa dos "valorosos" ruralistas...

A VW, montadora de veículos, recebedora, assim como suas concorrentes, de históricos subsídios(desde a época do aço barato, às custas da CSN Estatal), continua a ter acesso a linhas de crédito do BNDES, bem como isenção de impostos(IPI)para alavancar suas vendas...

Pois bem...boa parte do carvão vegetal as siderúgicas que alimentam a VW de aço é produzida em terras griladas, com desmatamento ilegal e trabalho análogo a escravidão...

Imbecis, ó imbecis...se informem antes de debater...faz bem, e ajuda a não fazer papel de bobo...

Anônimo disse...

Essa turma da esquerda é tudo igual. Faltam argumentos convincentes e passam a apelar.

Dentre tantos aspectos apontados realtivos a esse post, o Xacal, por exemplo, se resumiu à terminologia de grilagem. Tergiversar a turma da esquerda faz muito bem e constantemente. Mas, obviamente, só a seu favor. Quando a acepção da palavra lhe é favorável, vale o que está no dicionário. Quando não favorável, mas útil, vale as comparações, o jogo de palavras.

Ora, é claro, óbvio e evidente que a grilagem que o MST faz não é exatamente como antiga e tradicionalmente. Mas o que o MST faz é uma espécie de grilagem sim. E a grilagem que ele pratica não é exatamente só de terras. A reforma agrária é pretexto. A grilagem que interessa é ter recurso do contribuinte, verba pública! No bem bom, sem trabalhar. Para que terra se se pode ter muito grana pública?

Idiotas são os que acreditam nas boas intenções dos dirigentes do MST. Eles estão se dando bem às custas de vocês (contribuintes), otários!

Ora, querer levar no grito é grilagem sim, mesmo porque é com a anuência do Governo Federal ( o “cartório”). E estão levando muita grana pública no grito e com muita facilidade, pois quem está no Governo é o PT (aliado histórico, farinha do mesmo saco), cujo INCRA prevarica, não cumpre o seu dever, pendendo para o lado do MST. Na verdade, o MST (que não tem coragem de aparecer oficialmente, não tem nem CNPJ) só leva dinheiro público (através de "entidades" amigas e ONGs) no grito porque a prevaricação de diversas autoridades está se generalizando no país, ninguém cumpre com sua obrigação de fazer prevalecer a lei. Ora, invadir propriedade privada é crime.

É o mesmo que invadir a casa de qualquer um do povo (do Xacal, por exemplo) e se apoderar dela e de seus pertences.

Depois do “Mensalão”, que até agora não deu em nada, está valendo de tudo neste país, reina a sem vergonhice, pois ele é governado por um partido que não honra com seus ideais históricos e faz tudo para se perpetuar no Poder. O PT se aliou e se igualou ao PMDB! Quer maior exemplo de molecagem?

Xacal disse...

Bom, vemos retrucar, embora já tenha diagnosticado que o interlocutor não quer debate, quer palco para vociferar seus conceitos tradição, família e propriedade...

Primeiro vamos denunciar o superficialismo e simplismo dos argumentos...roda, roda, roda e não diz nada...

Quem reduziu o post ao tema grilagem foi o comentarista, nós só replicamos para fazer a distinção entre ocupação promovida pelo MST e grilagem, promovida por latifundiários...

O comentarista não entendeu, ou entendeu e usa de má-fé, típica dos ultradireitistas, e diz que manipulamos o sentido das palavras, mas como...? Fui eu que inventei que as desapropriações são feitas através de processo administrativo e judicial, e as grilagens se dão nos estertores dos cartórios...?

Digo e repito: Se o INCRA, ou qualquer outro órgão governamental, ou integrante do Judiciário erra nesses processos, que se averigue e sejam punidos, mas há aqui uma diferença crucial, que nosso cruzado cego de ódio não pode enxergar: são processos com presunção de legalidade, tocados oficialmente, e sujeitos a fiscalização, revogação ou reforma pelos órgãos de controle, ao contrário dos crimes cometidos por grileiros latifundiários e a quadrilha dos cartórios, que já partem de uma ação ilegal...

Separei um trecho mais raivoso, que nos dá conta da confusão mental do nosso cruzado:

"Ora, querer levar no grito é grilagem sim, mesmo porque é com a anuência do Governo Federal ( o “cartório”). E estão levando muita grana pública no grito e com muita facilidade, pois quem está no Governo é o PT (aliado histórico, farinha do mesmo saco), cujo INCRA prevarica, não cumpre o seu dever, pendendo para o lado do MST. Na verdade, o MST (que não tem coragem de aparecer oficialmente, não tem nem CNPJ) só leva dinheiro público (através de "entidades" amigas e ONGs) no grito porque a prevaricação de diversas autoridades está se generalizando no país, ninguém cumpre com sua obrigação de fazer prevalecer a lei. Ora, invadir propriedade privada é crime."

Como...???

Alguém precisa explicar ao nosso furioso da udr que nem sempre legitimidade rima com legalidade...Esse é um princípio basilar do Estado Democrático de Direito, e que nos garante que as Leis podem e devem se aproximar ao máximo da noção de Justiça, mas juízes e governantes podem e devem agir nesse sentido quando as leis falham, e assim se criam novos princípios jurídicos que modificam o ordenamento, é uma noçãozinha básica: fato, valo e norma...a pirâmide de Kelsen, senão me engano...

O canalhota segue sua fúria cruzada e reduz tudo a sua visão torpe de propriedade, muito embaçada é verdade pelo ataque ideológico dos integrantes de nossa elite, que fazem acreditar que todo proprietário de algo se une por esse vínculo real, ideológica e economicamente falando...

Ora, ora, ora, caro canalhota: o mst, nem os sem teto invadiriam minha casa, pois nesse caso a minha humilde casa não afronta o direito da coletividade de ter um país e um mundo onde o direito a propriedade é limitado por sua função social...

Está lá em nossa Constituição, e creia-me: não fui eu quem escrevi, nem alterei o "sentido" da expressão: função social...

Agora, com certeza se minha casa ocupasse 4/5 de um país e se esse desequilíbrio se mantivesse sobre a exploração dos meus vizinhos, gerando toda sorte de conflito, com certeza ela seria invadida...

A má-fé com burrice fica ainda mais explícita: o MST não leva dinheiro público...o dinheiro é repassado aos assentados, e suas cooperativas sob forma de insumos empréstimos, assitência técnica, e em valores muito, muito menores que os destinados ao agrobusiness...
E olha que boa parte do arroz e feijão, leite e outros itens da nossa dieta se produzem em micro e pequenas propriedade...Nem de longe desprezamos a agricultura em grande escala das grandes fazendas...
Só que um país sério com pessoas inteligentes defendem a integração dessas atividades complementares, e não uma em lugar da outra...

Se o assentado ao final do seu ano de trabalho, com o fruto da sua colheita resolve doar aos organismos que os ajudou a conseguir a posse da terra, ou resolve doar para uma igreja, ou orfanato, ou partido político isso é problema dele, desde que pague em dia as parcelas do financiamento que contraiu junto aos bancos oficiais...

Mais uma vez: cabe ao governo, polícia, judiciário, enfim, a sociedade fiscalizar sempre o uso (ou mal uso) do dinheiro público, sempre...agora não cabe a esses entes fiscalizar o que faço com meu dinheiro, como no caso dos assentados....



Daí, o espumante comentarista mistura alhos com bugalhos e estende sua crítica a aspectos de tática e estratégia do pt, mensalão e etc...

Bom, vamos lá de novo, pois informação nunca é demais, mesmo que repetida:

Sobre o "mensalão" aqui vão os fatos, e não a versão dos fatos, como a mídia PIG adora vaticinar para o deleite de seus leitores espumantes, como é o caso desse aqui(lê a veja e o globo, assiste ao JN, e acha que descobriu a verdade):

Roberto Jefferson foi cassado por quebra de decoro, e justamente porque não provou as acusações que fez...

O STF extingüiu a ação de improbidade contra zé dirceu, justamente aquela na qual foi denunciado como "mensaleiro"...

Não me consta que o governo controle o stf, pelo menos não é a essa a impressão que nos passa o PIG, com o auxílio luxuoso de gilmar mendes...

Nem vou retrucar a questão da aliança com o pmdb...queria aliança com quem, com o partido democrata estadunidense...? a política e os partidos são o reflexo de cada sociedade, ou o idiota acha que teremos políticos muito diferentes do que somos...?

Anônimo disse...

Tá bom, tá bom, tá bom.

Está claro que Xacal concorda com molecagens! E ainda acredita nas boas intenções do MST. E depois depois diz que os idiotas são os outros ... Seria Xacal o Eremildo??

Xacal disse...

Bom ficou claro que acabaram os argumentos(poucos e rasos, e verdade...)do nosso espumante cruzado...

Importa pouco o que acredito ou deixo de acreditar, o que importa para o debate, meu caro, é o que vc acredita e sua capacidade de elaborar conceitos e trazer fatos e informações, e não apenas ficar "babando" como um cruzado neonazista...

Quando tiver mais condições, retorne, e participe...será sempre bem-vindo...!

Anônimo disse...

Xacal , larga esse mane falando sozinho , no minimo ele deve ser herdeiro ou procurador dos admardos,aris pessanhas e outros equivalentes da vida.Voce e outros tentaram sem violencia puxar sua viseira para que o mane pudesse conhecer algo alem da canga que norteia o seu cerebro .A proposito voce percebeu que o mane e tão empacado que ele não deixa de comentar seu post la embaixo.

Anônimo disse...

gostei dos debates é bom saber as diversas opiniões sobre reforma agrária