segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

Rio e Sampa, as nuances que separam suas Escolas de Samba...

Assistir a transmissão de desfiles de Escola de Samba, como não poderia deixar de ser, é um exercício de sadomasoquismo, onde somos atingidos pelas idiotices e lugares-comuns excretados pelos locutores globais com aura de tratados sobre o samba...

Ridícula a tentativa hipócrita de  relevar as enormes diferenças estruturais e estéticas dos desfiles das duas capitais, onde ficou claro a desconexão entre o discurso decorado pelos locutores e os repórteres de pista, que sempre dirigiam suas perguntas na mesma direção: "e aí, tem diferença entre o desfile carioca e o paulista...?", onde o entrevistado sapecava na resposta: "não, não...nós aqui sambamos igualzinho"....
Como se "a relevância" do samba paulista só se confirmasse pela "macaqueação" do evento do Rio...

As Escolas de Samba, como manifestação cultural popular, e no início adstrita as comunidades carentes, sempre funcionaram como um campo para a "legitimação" das atividades econômicas marginais ou ilícitas...
Não que devamos "criminalizar" tais manifestaçãoes com essa "associação", mas para melhor entendê-las é necessário revelar essa sua característica: 

As Escolas de Samba carioca maturaram sua estrutura de espetáculo produzido em escala industrial pela íntima ligação política e econômica com o setor da contravenção, ou popularmente, jogo do bicho", que até hoje, é apresentado por especialistas como Walter Fanganielo Maierovitch, ex-secretário nacional anti-drogas, juiz federal aposentado e articulista da Carta Capital, como uma das únicas manifestações de crime organizado no país, ladeado apenas pelos crimes de colarinho branco...

Foi o patrocínio irrestrito dos bicheiros que possibilitou as Escolas manterem intactas suas tradições e o envolvimento da comunidade, uma vez que foram afastadas as influências externas que poderiam se impor pela necessidade de financiamento...

Hoje, com o enfraquecimento desses laços, outrora quase exclusivos, assistimos a "uma contaminação" das Escolas com temas de "encomenda", para atender a exigência de captar recursos de outras fontes...

O jogo do bicho em SP não se desenvolveu com a força dos seus pares fluminenses...A própria conformação geográfica das periferias paulistas demarcam fronteiras de exclusão bem definidas...Ao contrário do Rio de Janeiro, os bicheiros paulistas não precisavam expandir sua "imagem pública" para conquistar o convívio com "a elite", como aconteceu por aqui...!
Logo, enquanto no Rio, as Escolas de Samba deixaram de ser marginalizadas e passaram a ser importante veículo de integração entre o Rio bandido e o Rio "chique", em SP, as Escolas de Samba estacionaram como uma manifestação cultural restrita a seus limites territoriais e de classe...

Enfim, o silêncio cúmplice das autoridades, que não desejavam contrariar as demandas de um setor que cresceu, se institucionalizou de "fora para dentro" do Estado, e que se firmou como gerador de renda e dividendos políticos, permitiu que o dinheiro das apostas transformasse as Escolas do Rio em um fenômeno de beleza e grandiosidade...

3 comentários:

Xacal disse...

a partir de agora, volta a valer a regra: comentários sobre temas alheios aos posts serão suprimidos...caso os comentaristas desejem, suas considerações serão sempre mantidas nos posts que coincidam com suas opiniões....

não aceitaram táticas autoritárias nesse espaço, inclusive de comentaristas que utilizam a tática de reproduzir em outros blogs as discussões aqui publicadas, sem que nossas opiniões sejam por lá reproduzidas, criando um clima da mão única nas discussões, e de desrespeito ao leitor...

mas de canalhas, desleais e fascistas podemos esperar tudo...

mas repetimos: aqui quem manda é o editor do blog, e não seremos pautados por ninguém...

caso seja necessário, vigorará a moderação...

Roberto Torres disse...

Como seu leitor, apoio Xacal. Nao pode mesmo subjulgar o nível do debate ao nível da política em campos. Bem vindos os que discordam, mas que discordam por vontade, e nao por suberviencia. Aqui é lugar de gente autonoma, ou quem busca ser.

Tramem disse...

Tamus junto !!!