quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Só uma perguntinha...

Bom se vale a lei do mais "forte", e a concessionária dos "corsários espanhóis", OHL, resolveu exercer arbitrariamente suas razões, e decretar o fim do direito constitucional de locomoção(ir e vir)das comunidades do entorno de suas praças de "extorsão", vai aqui nossa pergunta:

E se os "bárbaros aldeões" das periferias da modernidade rodoviária resolverem queimar as praças de pedágio...ou melhor: bloquer a estrada e impedir o faturamento...?

Seria violento...? Claro que sim, mas seria ilegal...? Alguns juristas e parte da doutrina acham que não...Ao reagir contra os desmandos da concessionária, os cidadãos estariam na legítima defesa do seu direito de ir e vir...

Bom, de qualquer forma, quem age contra a lei, e de forma arbitrária se expõe ao risco de reções no mesmo tom, não acham...?

Para que fique claro...O blog defende o direito de governos e empresas celebrarem contratos de concessão onde compensações financeiras sejam estipuladas(as tarifas de pedágio)...No entanto, ao agirem como "gangsters", os "corsários espanhóis" se igualam aqueles bandidos que na Idade Média saqueavam os viajantes incautos...Se assemelham aos milicianos, e traficantes que achacam os moradores de suas comunidades...

Pedágio é um preço público, não é um tributo, portanto não pode ser obrigatório...
Pedágio é proveniente de uma relação contratual, onde o usuário "escolhe" contratar ou não(trafegar ou não pela via)os serviços da concessionária...As comunidades do entorno das praças de "extorsão" não podem ser obrigadas a contratar um serviço que não desejam, e têm o direito de escolher por onde transitar...

13 comentários:

Anônimo disse...

Concordo com tudo o que dissestes. Menos em chamá-los de corsários espanhóis. A meu ver, não são corsários. São é piratas espanhóis
impiedosos e cruéis que estão mais uma vez explorando nossas riquezas
e nosso povo, povo brasileiro que é tratado como vermes quando vão para a Espanha. Vamos começar a reagir pressionando alguns espanhóis aqui no Brasil e veremos que as coisas vão melhorar. É um povo em sua maioria, mesquinho, sujo, explorador e cruel.

Anônimo disse...

E esses caras da OHL já estão devendo, não estão cumprindo a sua parte. Pelo contrato de concessõ, o trecho ´rio Bonito Rio Dourado deve ser duplicado em três anos. Já se passou um ano. E a obra nem começou!!!!!

Anônimo disse...

> Estimados(as) amigos(as),
>
> Esta carta foi enviada ao Banco Bradesco; porém, devido à
> criatividade com
> que foi redigida, deveria ser direcionada a todas as
> instituições
> financeiras.
>
> Tenho que prestar reverência ao brasileira(o) que, apesar
> de ser altamente
> explorado, ainda consegue manter o bom humor.
>
> É um pouco extensa, mas vale a pena ler...
>
> ------------------------------
>
> CARTA ABERTA AO BRADESCO
>
> Senhores Diretores do Bradesco,
>
> Gostaria de saber se os senhores aceitariam pagar uma
> taxa, uma pequena
> taxa mensal, pela existência da padaria na esquina de sua
> rua, ou pela
> existência do posto de gasolina ou da farmácia ou da
> feira, ou de qualquer
> outro desses serviços indispensáveis ao nosso dia-a-dia.
>
> Funcionaria assim: todo mês os senhores, e todos os
> usuários, pagariam uma
> pequena taxa para a manutenção dos serviços (padaria,
> feira, mecânico,
> costureira, farmácia etc).. Uma taxa que não garantiria
> nenhum direito
> extraordinário ao pagante.
>
> Existente apenas para enriquecer os proprietários sob a
> alegação de que
> serviria para manter um serviço de alta qualidade.
> Por qualquer produto adquirido (um pãozinho, um remédio,
> uns litros de
> combustível etc) o usuário pagaria os preços de mercado
> ou, dependendo do
> produto, até um pouquinho acima. Que tal?
>
> Pois, ontem saí de seu Banco com a certeza que os senhores
> concordariam com
> tais taxas. Por uma questão de equidade e de honestidade.
>
> Minha certeza deriva de um raciocínio simples. Vamos
> imaginar a seguinte
> cena: eu vou à padaria para comprar um pãozinho. O
> padeiro me atende muito
> gentilmente. Vende o pãozinho. Cobra o embrulhar do pão,
> assim como, todo e
> qualquer serviço..
>
> Além disso, me impõe taxas. Uma 'taxa de acesso ao
> pãozinho', outra 'taxa
> por guardar pão quentinho' e ainda uma 'taxa de
> abertura da padaria'. Tudo
> com muita cordialidade e muito profissionalismo, claro.
>
> Fazendo uma comparação que talvez os padeiros não
> concordem, foi o que
> ocorreu comigo em seu Banco.
>
> Financiei um carro. Ou seja, comprei um produto de seu
> negócio. Os senhores
> me cobraram preços de mercado. Assim como o padeiro me
> cobra o preço de
> mercado pelo pãozinho.
>
> Entretanto, diferentemente do padeiro, os senhores não se
> satisfazem me
> cobrando apenas pelo produto que adquiri.
>
> Para ter acesso ao produto de seu negócio, os senhores me
> cobraram uma 'taxa
> de abertura de crédito' - equivalente àquela
> hipotética 'taxa de acesso ao
> pãozinho', que os senhores certamente achariam um
> absurdo e se negariam a
> pagar.
>
> Não satisfeitos, para ter acesso ao pãozinho, digo, ao
> financiamento, fui
> obrigado a abrir uma conta corrente em seu Banco.
>
> Para que isso fosse possível, os senhores me cobraram uma
> 'taxa de abertura
> de conta'.
>
> Como só é possível fazer negócios com os senhores
> depois de abrir uma conta,
> essa 'taxa de abertura de conta' se assemelharia a
> uma 'taxa de abertura da
> padaria', pois, só é possível fazer negócios com o
> padeiro depois de abrir
> a padaria.
>
> Antigamente, os empréstimos bancários eram popularmente
> conhecidos como
> papagaios'. para liberar o 'papagaio', alguns
> Gerentes inescrupulosos
> cobravam um 'por fora', que era devidamente
> embolsado.
>
> Fiquei com a impressão que o Banco resolveu se antecipar
> aos gerentes
> inescrupulosos.
>
> Agora ao invés de um 'por fora' temos muitos
> 'por dentro'.
> - Tirei um extrato de minha conta - um
> único extrato no
> mês - os senhores me cobraram uma taxa de R$ 5,00.
> - Olhando o extrato, descobri uma outra
> taxa de R$ 7,90
> 'para a
> manutenção da conta' semelhante àquela 'taxa
> pela existência da padaria na
> esquina da rua'.
> - A surpresa não acabou: descobri outra
> taxa de R$ 22,00 a
> cada trimestre - uma taxa para manter um limite especial
> que não me dá
> nenhum direito. Se eu utilizar o limite especial vou pagar
> os juros (preços)
> mais altos do mundo.
> - Semelhante àquela 'taxa por guardar
> o pão quentinho'.
> - Mas, os senhores são insaciáveis. A
> gentil funcionária
> que me atendeu, me entregou um caderninho onde sou
> informado que me cobrarão
> taxas por toda e qualquer movimentação que eu fizer.
>
> Cordialmente, retribuindo tanta gentileza, gostaria de
> alertar que os
> senhores esqueceram de me cobrar o ar que respirei enquanto
> estive nas
> instalações de seu Banco.
>
> Por favor, me esclareçam uma dúvida: até agora não sei
> se comprei um
> financiamento ou se vendi a alma?
>
> Depois que eu pagar as taxas correspondentes, talvez os
> senhores me
> respondam informando, muito cordial e profissionalmente,
> que um serviço
> bancário é muito diferente de uma padaria. Que sua
> responsabilidade é muito
> grande, que existem inúmeras exigências governamentais,
> que os riscos do
> negócio são muito elevados etc e tal. E, ademais, tudo o
> que estão cobrando
> está devidamente coberto por lei, regulamentado e
> autorizado pelo Banco
> Central.
>
> Sei disso. Como sei, também, que existem seguros e
> garantias legais que
> protegem seu negócio de todo e qualquer risco.
>
> Presumo que os riscos de uma padaria, que não conta com o
> poder de
> influência dos senhores, talvez sejam muito mais
> elevados..
>
> Sei que são legais. Mas, também sei que são imorais. Por
> mais que estejam
> garantidas em lei, vocês concordam o quanto são
> abusivas.!?!
>
> ENTÃO ENVIEM A QUANTOS CONTATOS PUDEREM.
> VAMOS VER SE MEXE COM A CABEÇA DE QUEM FEZ ESSAS LEIS PARA
> PENSAREM O QUANTO
> ESTÃO ERRADOS!!!
>
> Já fiz minha parte reenviando p/você. . .
>
> Um abraço.
> ------------------------------
>
>

Anônimo disse...

O anonimo das 13:48, exagerou nas tintas ao mostrar o seu racismo, quanto ao resto concordo com ele.

Anônimo disse...

Tudo bem, o bloqueio da estrada foi retirado, mas......a empresa não vai ser multada?? Então posso atravessar meu carro na avenida pelinca e impedir o transito nela e depois vcs só me tiram de lá e pronto? Já é carnaval......

Anônimo disse...

O BOM DESSE BLOG "TROLHA" É QUE É SÓ ENVIAR A MENSAGEM QUE ELA APARECE DE IMEDIATO. OS OUTROS BLOGS FICAM CENSURANDO MUITO, TEM UNS QUE LAVAM MAIS DE DIA PARA LIBERAR UM COMENTÁRIO. PARABENS XACAL TROLHUDO!

Anônimo disse...

Na realidade deveria sim ser construída uma via alternativa para que não fossemos obrigados a pagar estes pedágios. Porém o desconhecimento da lei, a pacividade de nós brasileiros aliados a inoperância dos nossos representantes reflete nesta exploração.

Joaquim

Funcionária do Ferreira Pu... da vida!!! disse...

Xacal, só para lembrar,ao assistir ao Jornal da Record agora, sobre aquele cara atropelado e socorrido pela esposa, que para o azar dos Hospitais onde foi atendido, o Ferreira,primeiramente,a mulher é enfermeira, e constatou que, ele não passou por uma avaliação de um cirurgião torácico, lógico, não estava lá, deveria estar em casa como todos.Nem viram seu trauma no tórax, que é protocolo de politraumatismo, pelo menos, uma tomografia.Com certeza foi atendido por um merda de acadêmico com um carimbo de médico no bolso, enquanto o FDP descansa em casa.Só viram, pasmem, uma fratura no pé, e enviaram, com certeza, para outro acadêmico na ortopedia, e depois liberado.Isso ocorre diariamente no Ferreira, acadêmicos ilegais, pois não podem assumir plantões sozinhos, nem assinar por médicos, matam diariamente, sob conivência da direção.Esse problema é antigo, e processos são esquecidos e abafados.Ainda mais quando Mackoul é o diretor do conselho de medicina em Campos.Não foi a bactéria que o matou, foi a negligência médica vista em nossos hospitais sempre, onde pacientes são lixos, médicos são merdas(a maioria), acadêmicos sem ética e caráter se passando por médicos e fazendo pacientes de cobaias.Deus me perdoe, mas torço para que um dia, seja um parente deles a cair na mão destes que hoje matam em vez de salvar vidas.Acorda Ricardo Madeira, acabe com esse esquema assassino, bota essa cambada pra trabalhar.Fica alí na emergência só pra ganhar gratificação de mais ou menos 2.000,00.Tira a gratificação que não fica um.Quer dizer, já não fica mesmo.É só aparecer lá a noite ou de dia que verão aqueles frangotes com uniformes de centro cirúrgico do Ferreira(pra nós funcionários, não tem), e carimbos de médicos no bolso, matando todo mundo....Merda de medicina, merda de hospital....merda de cidade!!!!

E a besta da repórter disse que foi a mesma bactéria que matou a modelo...a que matou a modelo foi Pseudomonas,anta!!Está na hora de acabar com essa quadrilha, esse acobertamento médico, que se unem com unhas e dentes e se esquecem pra que servem...é melhor ir pra política,pois lá,mata mais devagar.

Anônimo disse...

O anônimo das 19:58 disse faz muito sentido. Transparece para qualquer um que ingressa naquele hospital que as coisas funcionam da forma relatada. Acadêmicos atendendo e decidindo sozinhos. Um absurdo!!!!!

Anônimo disse...

Acho que o relato das 19:58 merece uma maior discussão entre os blogs da cidade. A começar pelo nosso Xacal. É um assunto urgente, antigo, que espera por uma solução.

Funcionária do Ferreira cada vez mais P...da vida disse...

Código de Ética do Estudante de Medicina
II - É vedado ao estudante de Medicina:
Art. 14. Prestar assistência médica sob sua exclusiva
responsabilidade, salvo em casos de iminente perigo à vida;
Art. 15. Assinar à receitas ou fazer prescrições sem a
supervisão do médico que o orienta;
Art. 16. Acumpliciar-se, de qualquer forma, com os
que exercem ilegalmente a Medicina;
Art. 24. Receber honorários das pessoas às quais presta trabalho, ou receber salário pelo exercício
de sua atividade acadêmica, mas pode fazê-lo em forma de bolsa de estudo das instituições
docentes às quais esteja ligado(recebem cerca de R$500,00 para substituir o médico plantonista);
Art. 25. Usar suas atividades para corromper os costumes,cometer ou favorecer o crime;(omissão de socorro pelo plantonista responsável e negligência médica são crimes, sem falar em falsidade ideológica,quando assinam por médicos)
Art. 26. Participar de prática de tortura ou outras formas
de procedimentos degradantes, desumanos ou cruéis contra pessoas, ou fornecer meios, instrumentos, substâncias ou conhecimento para tais fins(realizam procedimentos sem supervisão, na sua maioria sem conhecimento técnico exigido,levando a tortura do paciente, sua cobaia);
Art. 44. O estudante de Medicina responde civil, penal
e administrativamente por atos danosos ao paciente e que tenham dado causa por imprudência
ou negligência.

RESOLVE:
1 - Determinar aos médicos manter permanente supervisão
dos procedimentos realizados por estudantes de Medicina no trato com os doentes.
2 - Determinar aos médicos que, nessa supervisão,
procurem sempre fazer conhecidas dos estudantes de
Medicina todas as implicações éticas dos diferentes procedimentos
e das diferentes situações encontradas no trato dos doentes.
3 - Determinar aos médicos que procurem fazer conhecidas dos estudantes de Medicina sob sua supervisão as altas responsabilidades sociais da Medicina e dos médicos em particular.
Rio de Janeiro, 28 de fevereiro de 1975.
MURILLO BASTOS BELCHIOR
Presidente
JOSÉ LUIZ GUIMARÃES SANTOS
Secretário-Geral
Publicada no D.O.U. (Seção 1 - Parte II) de 12/08/75

Funcionária de novo...mais P. ainda!! disse...

CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA
Resolução CFM nº 1.246/88, DE 08.01.88 (D.O.U 26.01.88)

É VEDADO AO MÉDICO:
Art. 29 - Praticar atos profissionais danosos ao paciente, que possam ser caracterizados como imperícia,imprudência ou negligência.
Art. 30 - Delegar à outros profissionais atos ou atribuições exclusivos da profissão médica.
Art. 33 - Assumir responsabilidade por ato médico que não praticou ou do qual não participou efetivamente.
Art. 35 - Deixar de atender em setores de urgência e emergência, quando for de sua obrigação fazê-lo,
colocando em risco a vida de pacientes, mesmo respaldado por decisão majoritária da categoria.
Art. 36 - Afastar-se de suas atividades profissionais, mesmo temporariamente, sem deixar outro médico encarregado do atendimento de seus pacientes em estado grave.
Art. 37 - Deixar de comparecer a plantão em horário preestabelecido ou abandoná-lo sem a presença de
substituto, salvo por motivo de força maior.
Art. 39 - Receitar ou atestar de forma secreta ou ilegível, assim como assinar em branco folhas de
receituários, laudos, atestados ou quaisquer outros documentos médicos.

Eleitor do 15 pulando enquanto é tempo disse...

ÉEEEEEEE OOOOODDDDDEEEEETTTTEEEE!!!!