quinta-feira, 12 de março de 2009

Professores de coleira...

Virou moda entre analistas e palpiteiros, muitos com rasas opiniões como as nossas, atribuir todo o sucesso ou fracasso de uma sociedade, ou de suas geraçãos, a Educação...

Não há dúvidas que uma estrutura educacional bem sucedida é primordial para o nível de desenvolvimento de um país, mas há diversos outros fatores que concorrem para o sucesso ou fracasso de um país...Instituições democráticas, distribuição de renda, conjuntura interna e externa, fatores macroeconômicos, tragédias naturais, disponibilidades de recursos, etc, etc, etc...

Sociedades culturalmente mais avançadas, como os Incas foram dizimadas por hordas de espanhóis analfabetos, sujos e maltrapilhos, mas que detinham a pólvora...Muçulmanos que desenvolviam grande habilidade matemática e nas ciências médicas, detinham proeficiência sobre vários ramos do saber, foram derrotados por cruzados que comiam com as mãos e fediam a distância...

Recentemente, nem toda a educação dos povos da Islândia, e países nórdicos, os impediram de afundar na bancarrota internacional, e experimentar níveis de desemprego e crescimento semelhantes aos dos países de pior nível educacional...

A China cresce a quase 10% em média por ano, e tem um contingente assombroso de analfabetos...

Tudo isso foi dito para eximir um pouco da culpa dos nossos professores pelo perfil das gerações atuais...Afinal, elas foram educadas em um contexto, onde os professores têm limitada possibilidade de intervir e modificar...Mas não seria leviano afirmar que as gerações imbecilizadas de hoje são, em grande parte, uma conseqüência da covardia de boa parte dos professores, que vive à espera de salvadores ou "padrinhos" que lhes estendam a coleira, o chicote e o cocho...

É inegável...a apatia dos professores em reivindicar seus direitos é também fruto de sua desmobilização, promovida pelos anos de neoliberalismo, mas por outro lado é resultado de uma "preguiça histórica", que os leva a se acomodarem ao primeiro sinal de perigo ou admoestação da parte de seus "coronéis coordenadores" ou os "capitães-do-mato diretores"...

Inexplicável que os professores da rede municipal permaneçam tão subservientes enquanto suas escolas estão as traças...É quase um: dane-se, eu não tenho nada haver com isso...!

Onde está a capacidade de indignarem-se com tamanho desprezo das autoridades eleitas e constituídas...?
Até quando professores e outros profissionais da educação concursados da rede municipal aceitarão que pessoas  estranhas ao seu quadro funcional, ou seja, nomeados sem nenhum vínculo com a municipalidade, continuem a controlar os destinos das Escolas municipais...?

Será medo...? Descaso...? Ou covardia...? Ou tudo isso junto...?

Pensando bem, cada categoria veste a canga que lhe fique "mais" confortável...

Salve, salve nossos professores de coleira...

Quem sabe seus alunos fiquem tão adestrados que nem precisem apanhar para aprender a obedecer sem questionar...?

7 comentários:

Anônimo disse...

Excelente comentário:
"Inexplicável que os professores da rede municipal permaneçam tão subservientes enquanto suas escolas estão as traças...É quase um: dane-se, eu não tenho nada haver com isso...!"

Temos que lutar mais, porém de forma organizada, principalmente participando do sindicato da categoria(SEPE).

Desde ontem, estou pedindo ao Fábio Siqueira as datas, porém até o presente momento, nada; trata-se de um omisso!

SEPE. Gostaria de solicitar ao Fábio as datas das possíveis e necessárias reuniões da categoria. Precisamos participar mais!

Anônimo disse...

O direito constituído dos chefes dos poderes executivos nos 3 níveis, nomearem quem bem entendem nos mais diversos cargos é um mal crônico.
Todas eles usam as verbas públicas para comprar as entidades de classes.Onde estão os sindicatos, a UNE entre outros?
Estão todos sob as asas dos governantes.É sempre assim só se manifesta quem está na oposição.
Como disse Lula:Quando a gente é oposição a gente podemos(sic) falar qualquer bravata, quando é governo a coisa muda.
Parabens Trolha, pela facilidade de expressão.

Anônimo disse...

Xacal, ta sabendo que existiam latas de sopa contaminadas com botulismo, uma doença grave. Tem sim lá na promoçao social, já tem ate paciente com dano neurologico. investigue. bj

Anônimo disse...

O anônimo das 18:02, levantou uma questão importante. Onde estão os movimentos populares (associações de moradores e de pais da escola), os grêmios estudantis, a UEE, a UNE, além do SEPE é claro? Será que todos os seus dirigentes já conseguiram uma “boquinha” no governo Rosinha. Acredito que não. O imobilismo dos dirigentes dessas entidades, certamente, reflete à apatia da parcela da sociedade que representam e o isolamento que impuseram a eles.

Infelizmente, hoje, não se luta mais por um ideal ou por um interesse coletivo, como em outros tempos. A maioria de nós, que nasceu e cresceu durante o regime militar e posteriormente no neoliberalismo, foi doutrinado e treinado a ser individualista e a ter de se dar bem, não importando como (Lei de Gerson), e a nos afastarmos desses loucos (que conseguiram se livrar da lavagem cerebral), normalmente rotulados de “comunistas”, e das entidades de classe que são ocupadas por esses “vagabundos, recalcados que não gostam de trabalhar e só gostam de atrapalhar” ( visão que a maioria de nossa sociedade conservadora, possui dos sindicalistas ou daqueles que abraçam causas coletivas).

Estou impressionado com o que li nestes últimos dias, nos blogs, percebo que algumas pessoas (ainda poucas) estão começando a perceber que não alcançarão nenhuma vitória se não se juntarem para lutar por aquilo que acreditam. Está na hora dos dirigentes dessas entidades deixarem o desanimo e a apatia de lado e partirem para a luta, dando condições para que a sua classe se mobilize, organize-se e lute, por aquilo que acredita. Como se dizia antigamente “vamos à luta companheiros, que a vitória é certa”.

FÁBIO SIQUEIRA disse...

Caro(a) Anônimo(a) das 16:23,

Vc ao menos considerou que esse "omisso" poderia, por um acaso, não ter tido, por alguma razão, condição de acessar A TroLhA, algo que faço constantemente por gosto, e não por obrigação?!

Se quer me cobrar atitude, o correto seria me procurar, mesmo por telefone, na sede do SEPE, onde estive toda a tarde de hoje.
Se faz tanta questão do anonimato, te atenderia ao telefone mesmo nessa condição pouco corajosa.

Considere que, antes de estar à sua disposição na internet tenho compromissos outros. Profissionais, particulares e mesmo com o Sindicato - hoje, no início da tarde, estive reunido com a Coordenadora regional da rede estadual, Professora Marinéia, e com o companheiro Juvenil Marques tratando de assuntos do interesse dos funcionários concursados que atuam em escolas da SEE.

Enfim, além de "omisso" não posso ser irresponsável ou assumir funções que não são exclusivamente minhas. Não posso te indicar a data de uma Assembléia ou de uma reunião que ainda não foi maracada.
Somente amanhã a direção do SEPE Campos estará reunida. Não por minha responsabilidade, já que, repito, estive na sede do núcleo toda a tarde de hoje. Assim que houver deliberações, me comprometo a divulga-las no "Comentários do cotidiano". Se preferir, estou à sua disposição, à partir das 13:00 do dia 13/03, no SEPE (Ed. ACIC, sl. 701), ou nos telefones 2735-2406, 2734-6883 e 8821-0206.

Anônimo disse...

Caro Chacal, achei ótimo seu artigo.No entanto, gostaria de ressaltar a inércia de toda a sociedade campista para os descasos das pessoas que governaram e governam esta cidade. Assistimos inertes ao telhado de vidro e vemos uma Câmara Municipal no mínimo suspeita, ja que muitos deles que estão aí nada fizeram diante da crise que Campos passou e passa.
Por que será que não fazemos nada?
Que medo temos?

Professora Hilda Helena disse...

Tem horas que sinto que sou uma voz que clama no deserto!
Essa gestão educacional da PMCG não éstá fácil de engolir não!!!

Tenho vergonha de dizer mas não são poucos os professores que são culpados de tudo isto está acontecendo no Município.


Eu me nego como professora a fazer parte deste tipo desse perfil pois professor que se preza não pode limitar as possibilidades de intervir ou modificar ....Mas sou obrigada a concordar com você quando diz que grande parte dos professores vive à espera de salvadores ou "padrinhos" que lhes estendam a coleira, o chicote e o cocho...
Essa apatia e acomodação dos professores em aceitar tudo que "coronéis coordenadores" ou os "capitães-do-mato diretores"...tem sufocado a fala dos poucos que ainda não se curvaram...

Tenho pulado alto,já procurei autoridades mas o descaso é maior....

Para você ter uma idéia nem o diretor foi nomeado da escola que trabalho ...Eu fiz um curso de capacitação durante 6 meses no ano passado para iniciar a ALfabetização na rede municipal,pois havia saído uma resolução para que isto acontecesse..pois bem fui à Coordenadoria da EJA para resolver o impasse dos meus 10 alunos antigos que foram matriculados na 1ª fase e gostariam de cursar a ALFAEJa, mas para minha surpresa eles acabaram com a tal resolução e me deixaram sem respiração com a medida tomada,disseram que deixaria os alunos por conta de um Projeto chamado Brasil Alfabetizado que não tem fiscalização e que não enttrega há anos e anos nenhum aluno aprovado para cursar as outras séries da EJa!!

Questionei muito sobre umas salas fantasmas chamadas de RECURSO e de LEITURA que privilegiam muitos professores,já que quem nelas não trabalham apenas cumprem horário!!!

Resultado:Mandaram eu cumprir meu horário e aguardar a nomeação do diretor para resolverem meu destino!!

Como lutar contra isto Estou querendo trabalhar e estou sem vaga,sujeita não sei nem a que...talvez me reste uma licença sem vencimento e muitos sonhos perdidos...Eles fazem uma turma multiseriada com 18 alunos mas não oferecem a oportunidade para os alunos terem um professor apenas para a turma que estão cursando...Ficar à toa pode,funcionar salas só de fachada pode o que não pode é resolver o problema da falência da escola pública.....
Indgnação é pouco para o que estou sentindo....