quarta-feira, 18 de março de 2009

Rachas e tendências...

A democracia interna das instituições é mais que saudável...Rejeitamos ornganismos partidários, sindicais, associativos onde a vontade do "chefe", do "líder", ou do "naoleão de plantão" seja a última e única palavra...

Com o advento da possibilidade das decisões serem tomadas a partir das discussões e votações, onde prevaleça a decisão majoritária, surgem os grupos e tendências internas...É do comportamento humano se associar aos semelhantes para exercer relações políticas em quaisquer níveis da socidade...

O PT é conhecido por abrigar um sem número de tendências e facções, que muitas vezes eram apresentados como um mal a ser combatido, caso contrário, o partido não seria apto a conquistar o poder, e mantê-lo...Essa tese se mostrou falsa, pois permanecem as tendências, algumas se foram quando as incompatibilidades eram irremediáveis, e outras se fundiram...
Mas o princípio de democracia interna prevalece, ao contrário dos partidos de "caciques e chefes"...

Em alguns setores do sindicalismo essa lógica se repete, principalmente nas organizações ligadas a CUT...

No entanto, a democracia interna tem seus efeitos colaterais...
Por muitas vezes, a disputa por hegemonia do aparato partidário e sindical imobiliza essas instituições com lutas fraticidas...Em alguns casos, o empenho em derrubar o adversário interno supera, e muito, a capacidade de unificarem-se em torno do inimigo comum externo...

Em Campos dos G., assistimos um pouco dessa realidade se reproduzir no SEPE...
O SEPE encontra-se em pleno processo de eleições internas para definir seus novos dirigentes...
Nesse contexto, muito embora a mobilização pelas bandeiras da categoria em nível municipal pareçam ser a prioridade, não é leviano afirmar que algumas facções que disputam o pleito na condição de oposição da atual direção sindical façam corpo mole frente a necessidade de unificar a luta pelos direitos da categoria, enquantom os situacionistas, por sua vez, utilizem essa mobilização, que é de todos, como uma conquista da sua chapa...

Estranho que setores ligados so PSOL e PSTU, que têm na blogosfera ilustres representantes como Maycon Bezerra de Almeida e Erik Schunk não tenham se irmanado na convocação dos profissionais da Educação para a Assembléia de hoje, 17 horas no Sindicato dos Bancários...

Esse é mais um sintoma dessa incapacidade de enxergar além dos cortes políticos das suas tendências e facções...

Tomara que essa Assembléia sirva para romper esses laços nefastos que atam a conquista dos direitos dos profissionais de ensino da rede municipal...

Mas que fique claro: melhor a democracia interna que a obediência cega e "religiosa" aos "senhores feudais partidários"...!

13 comentários:

Amaro "O Bicho Cão" disse...

Mr Chacal, será esta obediência cega e irracional ao "semhores" que produz figuras do tipo:
"Sou PT voto Feijó"
ou ainda,
"Sou PT, mas voto em "Quem Mackoul Odete Rocha"???
Agora mesmo, véspera da disputa para o Governo do Estado, estamos a assistir o retorno destas pérolas.

Amaro "O Bicho Cão"

Xacal disse...

Cadelinha bichoca,

Democracia interna também produz erros de avaliação, tática e estratégia eleitorais...

Ou você é daqueles que acredita que a democracia é um sistema perfeito e imaculado...

Mas não tenha dúvida: prefiro errar com um monte de gente a ter que obedecer aos caprichos desse ou daquele "guia genial dos povos"...!

Em tempo: não fiz parte dos que defenderam sou PT, voto Feijó, e muito menos da aliança com o popozão, ou com aqueles que viram em Odete uma opção...portanto, vá cobrar de quem tem responsabilidade...

Antes que eu esqueça: não há uma lógica cartesiana em política, isso eu acho que você já é capaz de enxergar...Se essas alterações conjunturais coadunam com a "ética" que desejamos para esses acordos, isso é outra questão...

Acho que chega de informação para você...Não exagere na dose, seu diminuto aparato neuro-cognitivo não agüenta tanta carga de uma só vez...

Um abraço na patroa...

Anônimo disse...

Xacal, tenho te lido sempre e silencioso, mas essa não dá para ficar sem comentar: você é f...

Djahojinho.

Anônimo disse...

PS. e por falar em PT, as eleições serão em novembro, é preciso neutralizar essas tendências que só enterraram a sigla.

Djahojinho

Anônimo disse...

Mas se vc votoyu nulo pela primeira vez em 2008, em quem voyou das ouytras vezes? Makhoul/Campista; Makhoil/mocaibner?

Gustavo Landim Soffiati disse...

Se bem me lembro, no ano passado, numa paralisação de servidores públicos estaduais, marcada por uma passeata até o Palácio de Cabral que parou o trânsito no Rio, os diretores do SEPE Campos que não compareceram o fizeram simplesmente porque eram cutistas e petistas e a manifestação foi organizada pela Conlutas. É o tipo da coisa que atrapalha sempre as lutas dos trabalhadores.

Essa defesa de "correntes" no interior do SEPE só serve para deixar os representantes da categoria acorrentados como Prometeus.

Sem querer dizer que a Apefaetec é perfeita, não posso deixar de lembrar que lá os diretores não deixam que colorações político-partidárias ganhem importância maior que a luta pelos direitos dos servidores. Foi uma luta árdua. Há até quem nos acusem de anti-democráticos, pois conseguimos acabar com as eleições baseadas na proporcionalidade, entre outras coisas. Mas na Associação (futuramente Sindicato -Sindpefaetec)o servidor (concursado)realmente tem representação. Na dúvida, pergunte ao Fábio.

Maycon Bezerra de Almeida disse...

Caro Xacal, se não participei da convocatória da assembléia, isto se deve apenas ao fato de que não tive tempo de postar nada nestes últimos dias além do texto que enviei para ser publicado no Monitor Campista. Você deve saber, eu imagino, pois nos conhecenos pessoalmente, que não é parte de minha metodologia a utilização deste estratagema que trabalha contra a categoria. No entanto, talvez seu artigo faça parte, de algum modo, da defesa das posições petistas e cutistas encasteladas no Sepe Campos, o que seria surpreendente para mim.

P.S: Além do mais, você deve saber que não possuo nenhum cargo na direção do Sepe.

Uma cordial saudação!

Rosangela disse...

Amaro "O Bicho Cão" é cadela.

Gustavo Landim Soffiati disse...

Corrigindo: há até quem nos acuse.

Xacal disse...

Caro Maycon eu disse que achei estranho, e não lhe fiz acusações diretas de "sabotagem"....

Agora estão aí suas explicações...

Mas continuo a achar estranho que vc vincule sua participação política em um momento como esse a condição de ser ou não direção...

Ainda mais quando sabemos que vc faz parte dos setores oposicionistas, com muita dignidade...!

Se vc ler com cuidado em denunciei justamente o tipo de pensamento que parece implícito(ou explícito) na sua fala sobre "encastelamentos"...

Tanto das posições oposicionistas quanto "cutistas e petistas", leia de novo:

"(...)não é leviano afirmar que algumas facções que disputam o pleito na condição de oposição da atual direção sindical façam corpo mole frente a necessidade de unificar a luta pelos direitos da categoria,

enquanto os situacionistas, por sua vez, utilizem essa mobilização, que é de todos, como uma conquista da sua chapa(...)"

Creio que esse último parágrafo clareia minha posição a respeito de encastelamentos: tanto os da oposição quanto o da situação...

O problema é que a categoria fica sempre no fosso entre essas fortificações...

Um democrático e fraternal abraço ao meu cientista social predileto...!

Maycon Bezerra de Almeida disse...

Meu caro Xacal, não explicitei o fato de não ser diretor do Sepe como forma de legitimar alguma forma de abrir mão de participar do sindicato, ao contrário, principalmente de algum tempo para cá tenho tentado contribuir e participar dos rumos do sindicato nos limites de minhas possibilidades (trabalho em seis escolas diferentes com um total de mais de 46 horas semanais em sala de aula). Quando ressaltei o fato de não ser diretor do Sepe foi para me eximir da óbvia responsabilidade diferenciada que pesa sobre quem o é.

Um abraço!

Xacal disse...

Hummm,

Você quer dizer que a "nomenclatura" tem mais responsabilidades que a base...?

Mas como, cadê sua tese de valorização das bases populares como agentes e senhoras de seu próprio destino...?

Calma, que é só provocação...

Maycon Bezerra de Almeida disse...

Já que é provocação, fica como está, porque você sabe a resposta. Um abraço!