quinta-feira, 30 de abril de 2009

Massa de pão...

A nossa seção goitacá da bolgosfera quanto mais apanha, mais cresce, para desespero dos colarinhos brancos, colonistas e jornalistas de coleira...

Veja aí quem mandou botar água no feijão, porque está chegando:

Blog de Morro do Coco, www.morrodococo.blogspot.com/ com notícias do maior distrito do Norte Fluminense, terra de Nilo Peçanha, e Thetônio Ferreira de Aráujo...De responsabilidade do Ciro Mendes, o blog vai, com certeza, cumprir sua missão de aproximar nossas demandas de forma integrada, sem esquecer, no entanto, as particularidades daquela localidade...


Blog Palavras Acesas, da companheira Graciete Santana Nogueira Nunes, líder sindical do SEPE, militante-dirigente do PCB, e amiga de longa data...Lá no blog gracietesantana.blogspot.com você poderá compartilhar um pouco da maior característica que admiramos da guerreira: Sua capacidade de lutar pelo que acredita, a despeito de todas as dificuldades...Concorde-se ou não com suas crenças políticas, uma coisa é inegável: Ela tem coragem...!

Blog Simplificando a Informática, brunobuexm.blogspot.com/ do Bruno Buexm, que se junta ao blog do Márcio Valério, para nos dar dicas, e funcionar como um oásis nesse árido deserto de nossa ignorância cibernética...Mais uma prova que além de politizada, combativa e irreverente, nós temos por aqui uma segmentação de blogs por área de interesse, que no final, fortalece o fenômeno como um todo...


Sejam todos bem-vindos, e saibam: A TrOLha está firme com vocês...!

3 comentários:

Anônimo disse...

Xacal, no Blog do sr Garotinho como sempre ele atacando o governador e o preesidente, como na Pega na Mentira-2 postado dia 29/04/2009 às 19:05.
Vamos Pegar na mentira tb?
Home Notícias Esportes Entretenimento Vídeos Assine a Globo.com Todos os sites




Exclusivo Online


Sumário da revista

Melhores capas

Edições anteriores

Edições especiais











Matérias de capa

@'s da Edição

Entrevistas

Colunistas

Joyce Pascowitch

Saúde






Clique aqui para receber o boletim




Fale Conosco

Expediente

Anuncie

Assine já

Época na Educação




Pequenas Empresas & Grandes Negócios


Globo Rural

Marie Claire

Criativa

AutoEsporte

Galileu

Casa e Jardim

Crescer

QUEM

Infantis

NET TV




Editora Globo

TV Globo

Rádio CBN

Globo Online

O Globo On Line

Diário de S. Paulo




Enviar matéria Comente Assine já


Silveirinha, o Cyborg

A incrível história do assessor de Rosinha Matheus que confessou ter conta de US$ 8,9 milhões na Suíça

Andrei Meireles e Edna Dantas


O carioca Rodrigo Silveirinha Corrêa, de 40 anos, há 12 fiscal de renda do Estado do Rio de Janeiro, estrelou a posse mais rápida do Oeste. Na segunda-feira 6, Silveirinha foi instalado pela governadora Rosinha Matheus na presidência da Companhia do Desenvolvimento Industrial do Rio de Janeiro, a Codin. Era um prêmio pelos bons serviços prestados ao governo do marido, Anthony Garotinho, e também na campanha eleitoral. Três dias depois, Silveirinha foi exonerado como protagonista de um escândalo de corrupção, cobrança de propina e contas secretas na Suíça. Em depoimento oficial, ele já admitiu possuir uma conta de US$ 8,9 milhões.

Silveirinha caiu depois de exibir um traço de comportamento que já destruiu tantas reputações e revelou muita malfeitoria no serviço público - exibicionismo. Circulava nos corredores e repartições do governo fluminense vestindo ternos bem cortados e camisas caras. Para surpresa de todos, deu para tomar o avião para Paris apenas para passar o fim de semana na capital francesa. Mesmo tendo ocupado cargos públicos importantes - como o de vice-presidente da Riotur na gestão Leonel Brizola e o de subsecretário de Administração Tributária do governo Garotinho -, Silveirinha nunca recebeu salários que ultrapassassem os R$ 9.600 mensais, teto do funcionalismo do Rio no ano passado. Com um padrão de vida tão confortável e um salário tão típico de classe média, o funcionário Silveirinha recebeu nos meios políticos um apelido típico da galhofa carioca: Cyborg, o Homem de Seis Milhões de Dólares.

Em petição produzida pelos procuradores Arthur Gueiros e Bruno Acioli, Silveirinha é acusado de ter remetido US$ 8,9 milhões para um banco suíço, o Discount Bank and Trust Company. A suspeita é de que enriqueceu cobrando propinas de empresas que fraudavam impostos, já que teria de trabalhar 247 anos sem gastar um centavo, alimentando-se de sanduíche, para reunir esse dinheiro. A denúncia, feita pela Procuradoria- Geral da República, resultou num inquérito na Delegacia Fazendária da Polícia Federal, que investiga ainda outras sete pessoas - três fiscais e quatro auditores da Receita Federal lotados no Rio. Os oito são apontados como envolvidos num gigantesco esquema de corrupção de empresas fluminenses que deixou um rastro de US$ 33,4 milhões (R$ 110,4 milhões) em depósitos na Suíça.

Chamados a depor, eles disseram que são mesmo donos de contas no banco suíço. Deram explicações múltiplas e pouco convincentes. Afirmaram que as contas foram abertas com dinheiro que viria de comissões recebidas em transações comerciais e de operações imobiliárias feitas com suas fortunas pessoais ou de familiares. Diante da fragilidade da justificativa, mudaram de versão logo em seguida. "Eles confessaram que provinha de conselhos fiscais dados a importantes empresas ativas no Brasil e que os honorários eram pagos de mão em mão, sem comprovantes", escreveram os procuradores na petição que solicita o seqüestro dos valores depositados.

Demonstrando frieza e fé na impunidade, no dia da posse na Codin Silveirinha agiu como se nada estivesse acontecendo - não há sinal de que tenha informado Rosinha do que se passava. Seu inferno teve início há quatro meses, durante uma audiência no gabinete do procurador-geral da República, Geraldo Brindeiro. Ali compareceu o subprocurador suíço Brent Holtkam, que, desconfiado de contas vultosas em nome de funcionários públicos brasileiros, decidiu investigar sua procedência. Com a documentação nas mãos, Brindeiro designou Gueiros e Acioli para apurar a origem do dinheiro e pediu ao Banco Central para investigar o caso. O BC confirmou as remessas para a Suíça e pediu à polícia a abertura de inquérito. Os envolvidos poderão pegar até dez anos de prisão, além de perder seus cargos e, esperam os contribuintes, o dinheiro.

Casado com uma assessora do gabinete do deputado estadual Sérgio Cabral Filho, que em fevereiro assume uma cadeira no Senado, Silveirinha não é da chamada Turma do Chuvisco - grupo que assessora Garotinho desde sua gestão na prefeitura de Campos, no Norte Fluminense, onde o chuvisco, doce à base de clara de ovo, é tradicional. Filiado ao PDT, de 1984 a 1988 trabalhou na Riotur, empresa pública de turismo, na gestão de Trajano Ribeiro. "Para mim é uma surpresa. Ele sempre teve uma conduta ilibada. Não acredito em nada disso", diz Trajano, um dos principais assessores políticos nos dois governos de Leonel Brizola. Em 1990, Silveirinha fez concurso público e entrou para a Secretaria de Fazenda como fiscal. Jovem, com fama de competente, mais tarde faria parte de uma turma de promissores tecnocratas do governo fluminense apelidada de Os Menudos, numa homenagem ao ä grupo de meninos porto-riquenhos que fez muito sucesso na música popular nos anos 80.

Em 1999, já na gestão Garotinho, tornou-se o mais jovem subsecretário a assumir o cargo, aos 36 anos. Prestigiado, ocupou a Inspetoria de Contribuintes de Grande Porte, criada pelo ex-governador como uma tentativa de aumentar a arrecadação do Estado. A inspetoria fiscalizava as 400 maiores empresas do Rio. Na prática, deliberava sobre 75% da arrecadação de ICMS. Por mês, calcula-se que Silveirinha administrava cerca de R$ 600 milhões.

Ao saber das denúncias, Garotinho distribuiu nota pedindo a investigação do caso e informando que desconhecia o esquema montado. Pessoas ligadas ao ex-governador disseram a Época que, ao fim de seu governo, Garotinho chegou a desconfiar de que Silveirinha estava envolvido em irregularidades e pensou em exonerá-lo. Desistiu por falta de provas e pelo temor de que acabasse atingido pelo escândalo, ainda que na forma de respingo.

As suspeitas se baseavam nos hábitos suntuosos do assessor, mas, como nada ficou demonstrado, Silveirinha foi chamado a entrar na campanha de Rosinha como assessor econômico. "Ela simpatizou com ele porque não falava economês, era didático", diz um assessor da governadora. Silveirinha chegou a ser cotado para a Secretaria de Fazenda, mas acabou ficando na Codin. A troca implicou perda de prestígio político, mas abria espaço para sombras privadas - uma das atividades da Codin é negociar isenções e incentivos fiscais a empresas interessadas em se instalar no Estado. Fontes ligadas ao PT - que trava uma guerra na disputa local com o partido de Rosinha, o PSB - garantem que Silveirinha foi um dos principais arrecadadores de caixa para a campanha da governadora. O Palácio Guanabara nega com veemência.

Em nota oficial, a Polícia Federal disse que há fortes indícios de corrupção, lavagem de dinheiro e sonegação fiscal. Desconfia-se de que os oito envolvidos formaram uma quadrilha para cobrar propinas de empresas, amortecendo suas dívidas com o Estado. Silveirinha é descrito como um fiscal com interesse especial por achacar supermercados. Em maio de 2002, o deputado estadual Domingos Brazão (PT do B), desconfiado das facilidades dadas pelo governo para sanear supermercados e de outras operações que envolviam a Inspetoria de Contribuintes de Grande Porte, tentou abrir uma CPI na Assembléia Legislativa do Rio. Não conseguiu. Mas a Inspetoria foi extinta quando a governadora Benedita da Silva assumiu, em abril de 2002. "Não havia sentido de existir. Além de concentrar muito dinheiro, na verdade apenas oito empresas do Estado podem ser consideradas grandes contribuintes", justifica o secretário da Fazenda da gestão Benedita, Nelson Rocha.

Pouco antes de sair do governo, o secretário da Receita Federal, Everardo Maciel, pediu a abertura de inquérito interno para investigar os quatro auditores fiscais apontados pelos suíços. Descobriu-se que os fiscais não declararam o dinheiro enviado à Suíça. Com base nesse dados, um inquérito será aberto nos próximos dias. Na Receita, os funcionários poderão ser demitidos. Os servidores da Secretaria de Fazenda também passarão pelo pente-fino. "Enviaremos a documentação aos procuradores assim que finalizarmos o processo na Receita", diz Moacir Leão, corregedor-geral do órgão. Na sexta-feira Época enviou diversos recados e mensagens a Rodrigo Silveirinha Correa. O propósito era abrir espaço em entrevista para sua defesa e explicações. O acusado não deu resposta.








Edição 243 - 13/01/03

E ainda eles esquecem.
Quem tem telhado de vidro não deve jogar pedra na dos outros........

Jéssica Carvalho disse...

Olá Xacal, também tenho um blog que pode-se considerar recente.
O Sapientia. Se achar que seu conteúdo é relevante, peço humildemente que tb o divulgue no seu espaço democrático.
www.sapientias.blogspot.com

Abç

Ciro Mendes disse...

Valeu Xacal! Obrigado pelo apoio ae!
Estamos juntos.

Abs