domingo, 26 de abril de 2009

Primeiro round...

Como ficou definido pelo regulamento que o match das finais seria disputado em 180 minutos, parece claro que o melhor ficou para a segunda etapa...

O score do match de hoje, 2 a 2, parece nos indicar que a disputa foi melhor que a do último domingo, quando o Clube de Regatas Flamengo venceu por um tento a zero o Botafogo Futebol e Regatas, também no Estádio Mário Filho...

Em minha rasa opinião, e como torcedor do rubronegro da Gávea, creio que seria correto dizer que o embate desse domingo foi apenas um pouco melhor, o que não é muito, em virtude do péssimo espetáculo apresentado pelos teams na ocasião anterior, na decisão do segundo turno, a chamada Taça Rio...

Algumas modificações táticas fizeram a diferença, e o desenho dos players em campo parecia atender a essas modificações sutis, mas fundamentais...

A falta de Aílton, que joga como terceiro zagueiro, ou para os italianos, il libero, deixou a linha de backs flamenguistas mais vulnerável...

Outro detalhe é que a linha de atack do alvinegro de General Severiano marcou os defensores do Flamengo em seu campo, ou "sobre pressão", o que interrompeu a ligação com a linha média, também muito bem marcada...
Como dizem os boleiros, Nei Franco adiantou seu time...
Os eficientes Ibson e Kléberson foram anulados, o que forçou os players do Flamengo a lançarem bolas em ligação direta defesa-ataque, sem a intervenção dos centers half, o que todos sabem, faz com que a qualidade dos passes diminua, e muito...

Também é de se notar que os dois alas do Flamengo, Léo Moura e Ruan estavam em tardes infelizes, e um deles, Ruan, deu um "chilique" que revelou todo seu descontrole, quem sabe com o mau futebol apresentado por ele e por seus companheiros...

Depois de recompor-se dos primeiros momentos do first half, onde o Flamengo deu sinais(falsos, é verdade)de que iria comandar as ações de ataque, tendo inaugurado o score, com uma cobrança de penalty de falta cometida dentro da área,  Botafogo demonstrou a força de seu ataque e meio campo, associado a uma sólida defesa composta por um Leandro Guerreiro em atuação impecável...
Em suma, o Botafogo foi uma equipe, enquanto o Flamengo foi um amontoado de jogadores dispersos em campo...

Maicosuel, mostrou serviço e de seus pés sairam várias jogadas perigosas, inclusive a falta que originou o goal da virada, marcado pelo back Juninho, em um kick vigoroso, que furou a barreira flamenguista...O forward do Botafogo desta vez menos foi assediado pela marcação de William, que tinha que conduzir a bola, na impossibilidade de tocar aos seus companheiros de meio-campo, que estavam bem marcados...

No final, Flamengo contou duplamente com a sorte, uma vez que os dois melhores jogadores do ataque Botafoguense sucumbiram a contusões, e foram retirados do campo de batalha...

Daí, o esquadrão da Gávea partiu para tentar o goal de empate, mas sem qualquer organização, ou talento, e sim na pura vontade, garra e força...
O resumo desse estado de espírito foi a jogada de William, que literalmente rompeu a defesa alvinegra e chutou em cima do pobre Emerson, que mais uma vez atentou contra o próprio patrimônio...Não houve chance para o bom goal keeper do alvinegro, Renan...

Emoções reservadas para o próximo encontro...

Nós flamenguistas não abrimos mão: Emérson tem que estar em campo...!


PS: Onde está o atack do Flamengo...Será que virão para o próximo match...?

3 comentários:

Provisano disse...

Garra, força, emoção. É com esse trinômio que o Mengão levantará a taça domingo que vem, alcançando a marca de 31 vezes Campeão Estadual.

É o que nos reservam os Deuses do Futebol.

Mário Teresa, disse...

O Botafogo realmente foi melhor, porém essa é a grande questão: O Fogo não consegue ganhar do Fla!!! Mesmo quando atua melhor.

SRN
DCF

Gervásio Neto disse...

O time da gávea não precisa de atacante quando o Emerson, zagueiro do Glorioso, está em campo.
Semana que vem teremos o desfalque do Maicosuel e vcs o reforço do Emerson, um dos artilheiros do seu time. Mesmo assim continuo acreditando.
grande abraço