segunda-feira, 18 de maio de 2009

As lentes castellanas...

A Palma desejada...


Pedro Almodóvar e Bibi Torres...

Rossy de Palma...


É verdade que os EEUU detêm a hegemonia absoluta da Sétima Arte...Não falo de qualidade, se entendida pelos critérios subjetivos da escolha de temas e do engajamento do cinema como veículo para além do entretenimento...

Se o cinema é indústria, os EEUU são os manda-chuvas dessa manifestção cultural ao redor do planeta...

Mas eis que o grande barato de qualquer forma de expressão, é que a diversidade garante espaço, e agrega a possibilidade de existirem contrapontos aos hegemônicos, sem abrir mão do viés mercadológico, combinando aspectos e traços de outras culturas, outros saberes e enfim, outras "competências"...

O estofo cultural francês, que embora tenha servido a um estereótipo de que a maneira dos "herdeiros de Asterix" de fazer cinema seja autoral, monótona, monolítica, ou como querem, anti-cinema, é responsável pelo charme que transforma o Festival de Cannes nessa "outra face" da indústria do cinema...

O deslocamento de uma faixa de mercado de produção de filmes, que encontra sua relevância no eixo europeu, e na sua linguagem para avaliar e premiar, contribui para oxigenar e renovar a Arte da Telona...

Nesse sentido, quem talvez tenha captado com mais ênfase essa "brecha", foi Almodóvar, e sua estética kitsch-surrealista...
No suposto exagero do diretor espanhol e suas divas, as nuances, dramas e conflitos ficam a mostra, como pequenas manchas de batom vermelho na capa amarelo-rosa de um toreador...

Assim, as mulheres de Almodóar são tão exageradas que beiram a transexualidade, e isso não é só um manerismo lírico-estético bem-humorado...Talvez seja uma declaração implícita de que feminilidade é tão importante e presente para ele, que transcenda a questão de gênero...

Em Almodóvar, o contraste é o fio condutor das histórias, sem que para isso, se abra mão da delicadeza...

Nossa homenagem ao cineasta espanhol...


Fotos: El País..

4 comentários:

O Inconformista disse...

Quando o cara começa a falar desse negócio de arte vem logo com um papo estranho de transcender "a questão de gênero" e de não "abrir mão da delidadeza". Esse xacal tá virando cadelinha ...

Xacal disse...

Quáquáquá...

taí o "machão" que se autodenomina o "inconformista"...será um incorformado misturado com transformista...?

alguém que reafirma sua suposta masculinidade para então poder superar suas dúvidas, e então acreditar nela...?

não sei, não sei...o que vocês acham...?

Antonio Fernando disse...

A qualidade do texto, o conhecimento do assunto e a tal sacada do tema foram ótimos. Homens tranquilos de si são delicados sem problema. E a gente vê aqui que o Xacal também vai por aí. Beleza. Vale lembrar que mestre Kurosawa também mexia muito bem com as cores. Aquele cara que fez o Edward Mâos de Tesoura - Tim Burton - também tem uma estética muita legal.

O Reacionário disse...

Mais que coisa mais fofa!!!