terça-feira, 26 de maio de 2009

Notícias do IFF...

Foto:Hugo Prates...

A Magnífica Reitora do IFF, Professora Cibele Daher manda avisar e nós publicamos...



IF Fluminense anuncia audiências públicas

Em coletiva à imprensa a reitora do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia Fluminense, Cibele Daher anunciou que o IFF está de portas abertas à comunidade. Ela esclareceu que todos os segmentos representativos da sociedade vão ter a chance de participar de audiências públicas que acontecerão em todos os campi. As sugestões e idéias debatidas durante as audiências vão ser usadas na elaboração do Plano de Desenvolvimento Institucional. O PDI é um plano de ações que vai definir como a instituição pode contribuir com o desenvolvimento regional, além de traçar metas, políticas e estratégias. Ele envolve cinco ações que já estão sendo realizadas: reuniões com a comissão dos representantes dos campi; consulta à comunidade interna; audiências públicas; reuniões setoriais da Instituição, entre elas, gerências educacionais, pedagogos, etc; e encontros das esferas públicas envolvendo o IF Fluminense, as Coordenadorias Estaduais de Educação, as Secretarias Municipais de Educação, de Ciência e Tecnologia e de Planejamento.

O objetivo é que todos possam participar democraticamente das discussões do Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) e da elaboração do Estatuto, já que através da educação, o IF Fluminense contribui com a formação de jovens e o desenvolvimento das potencialidades locais e abrange hoje seis campi nas regiões Norte, Noroeste e Lagos, com cerca de 12 mil alunos e uma média de um mil servidores.

Simultaneamente acontecem as discussões do novo Estatuto junto a comunidade interna com a representação de 15 pessoas dos diversos campi: Campos, Guarus, Macaé, Cabo Frio, Itaperuna e Bom Jesus. Estes representantes analisam a minuta enviada pelo MEC, no dia 14 de maio, fazem emendas, sugestões e transformam tudo em relatório que deverá ser enviado ao MEC até o dia 29 de junho. A aprovação do Estatuto, pela SETE/MEC, será no prazo máximo de até 45 dias, quando após essa data, poderão ser constituídos os novos Conselhos Superiores, o que permitirá o início dos processos eleitorais para diretor geral dos campi.


(...)

Cronograma para as discussões do PDI

Além das reuniões internas com representantes dos campi de diversas áreas, a elaboração do PDI vai contar com a participação de representantes do poder público.

No dia 4 de junho acontece em Cabo Frio um encontro de integração das políticas de Educação profissional e tecnológica do IFF às demais esferas publica com Secretários de Educação, Ciência e Tecnologia, Secretários de Planejamento e Coordenadores Estaduais de Educação dos municípios da Baixada Litorânea. No dia 18 de junho é a vez do campus Macaé com as presenças dos Secretários de Educação, Ciência e Tecnologia, Secretários de Planejamento; Coordenadores Estaduais de Educação dos Municípios de Macaé e Quissamã.

No dia 25 de junho o encontro será em Campos no campus Centro com Secretários de Educação, Ciência e Tecnologia, Secretários de Planejamento; Coordenadores Estaduais de Educação dos Municípios de Campos dos Goytacazes e São João da Barra. Já no dia 9 de julho é a vez do campus Itaperuna com representantes deste município e de Bom Jesus do Itabapoana.

As audiências públicas com a comunidade, em geral, acontecerão nos seis campi do IF Fluminense e serão informativas. Por terem este caráter, acontecem em julho, após o prazo estipulado pelo MEC. Nelas serão apresentados a estrutura do Instituto, o PDI, além da participação da população através de perguntas. A comissão também vai criar uma urna com perguntas à comunidade no intuito de fazer um raio-x da percepção das pessoas em relação à Instituição.

14/7 – Audiência Pública no campus Bom Jesus do Itabapoana

16/7 – Audiência Pública no campus Itaperuna

21/7 – Audiência Pública no campus Campos-Guarus

23/7 - Audiência Pública no campus Campos-Centro

28/7 - Audiência Pública no campus Macaé

30/7 - Audiência Pública no campus Cabo Frio

ASCOM IF Flumienense – 2726-2845

5 comentários:

Avassaladora disse...

Xacal, até dei uma olha na matéria postada. Mas não sabaria o que dizer, poi desconheço a realidade da IFF.

Vc é aluno ou professor? Curiosidade feminina...rsrsrs

Vim agradecer os cafunés... me fizeram um bem danado...rs
Nem imagina o quanto...

Cafunés virtuais... rsrsrs


Beijos e carinhos!

Avassaladores, é claro!

Xacal disse...

Ave, ava...

sou apenas um ex-aluno...

Hugo Prates disse...

Xacal , coloca o credito na foto por favor. Foto: Hugo Prates/ if Fluminense

saullo carvalho disse...

Hum. interessante!

Um ex-aluno que está doido pra uma portaria! não é!? Igual a do Roberto José! Ou será que a sua pessoa tem alguma consultoria jurídica, jornalistica? ah sei, tem algum buffet?! ou um supermercado?

Ah, já sei, talvez uma fábrica de canetas para assinar as tais portarias obscuras!


Brincadeirinha...

saullo!

Anônimo disse...

Cotas raciais

Uerj vai recorrer; alunos apoiam a direção
Fui hoje à Uerj e lá o clima era de união para manter as cotas. Falei para uma plateia de cotistas e não cotistas e o clima geral era de susto pela decião da Justiça. A Uerj tentará reverter a liminar que suspendeu as cotas raciais. O DCE disse que concorda com a direção e a luta a favor das cotas.

A Uerj foi a primeira escola a adotar o sistema. Hoje, segundo professores com quem conversei, eles estão orgulhosos do desempenho dos cotistas e vão fazer uma ampla pesquisa para saber o resultado da política no mercado de trabalho. Eu fui lá para abrir a V Amostra de Estágios.

O que eu vi hoje lá foi uma platéia cheia da bela diversidade do Brasil: pretos, brancos, pardos, meninos, meninas, moradores de áreas diferentes do Rio, juntos, integrados, debatendo sobre riscos e oportunidades do mercado de trabalho. Uma prova viva de que conviver juntos no mesmo espaço, em pé de igualdade é o melhor remédio contra as desigualdades raciais brasileira.

A liminar, explicou o reitor, Ricardo Vieiralves de Castro, suspendeu a aplicação de uma lei que tem oito anos e às vésperas do vestibular. Se não for cassada prejudicará os estudantes que se inscreveram pelo sistema de cotas. E uma medida liminar, como se sabe não pode provocar prejuizos irreversiveis.

Sei que este assunto é polêmico, mas tenho há anos a mesma posição favorável às cotas. Já escrevi muito sobre o assunto, não vou repetir os argumentos. Já ouvi e li muitos argumentos contrários. Não me convenceram. As cotas sozinhas não vão resolver as desigualdades racias, mas são uma das armas para nos ajudar a superar o problema. Não, não acho que elas vão "implantar" o racismo no Brasil, não se implanta o que já existe. E estou convencida - fiquei hoje ainda mais - que a convivência de pessoas diversas, de áreas diferentes da cidade e da sociedade, com histórias diversas cria uma chance de menos distância social no Brasil. Na universidade que estudei só havia brancos. A que vi hoje era mais bonita, tinha mais a cara do Brasil.

As empresas modernas sabem que os times mistos são mais eficientes, que a diversidade no quadro de funcionários aumenta a capacidade de resposta da empresa aos desafios. A Uerj está fazendo a parte dela, que o mercado de trabalha entenda os novos tempos e suas chances.

Mírian Leitão