sexta-feira, 8 de maio de 2009

TRolHA MUrAL...

A Vera mandou um recado para lembrar do Encontro de Artes Compartilhadas...

Encontro ARTES COMPARTILHADAS

Dia 09 de maio das 14h às 17h

SESC de Campos

 

Este encontro para pais e educadores objetiva apresentar as atividades desenvolvidas no SESC com vistas a uma melhor compreensão do universo cultural e das diferentes linguagens da arte. Será abordada de forma especial a Exposição “Direitos Humanos: a exceção e a regra” quando serão exibidos documentários que apresentam trabalhos com arte em comunidades, realizada a visita mediada na exposição e discutidas possibilidades de trabalho educativo a ser desenvolvido nas escolas e outras instituições a partir desta programação.

Será fornecido certificado e material de apoio pedagógico visando a preparação de grupos que participarão do programa.

                A Exposição “Direitos Humanos: a exceção e a regra” é composta por painéis com trabalhos fotojornalísticos e nove documentários que registram fatos e denúncias sobre direitos humanos no Brasil.

                A participação é gratuita e maiores informações podem ser obtidas com Vera pelo telefone (22) 8117-5398 ou e-mailvera_plet@yahoo.com.br.

As inscrições antecipadas devem ser feitas pessoalmente no SESC ou pelo telefone (22) 2731-4063 com Celinha ou Patrícia.

SESC Campos

Av Alberto Torres, 397, Centro, Campos dos Goytacazes, RJ

Informações (22) 2725-1210  /  2725-6683


Vera L. Pletitsch 
vera_plet@yahoo.com.br 
veralpz@uenf.br 
(22) 2723-5593 
(22) 8117-5398
(22) 2724-3471 (Pólo Regional Arte na Escola - UENF - CCVM)

Um comentário:

Anônimo disse...

NOSSA SAÚDE DO HOSPITAL FERREIRA MACHADO EM ESTADO TERMINAL


Certamente que numa casa “há vasos para honra e vasos para desonra”. Infelizmente enquanto vasos honrosos preservam a vida, vasos desonrosos lesionam e matam pessoas ou terceirizam para outros matarem. É isto que está acontecendo na Emergência do Hospital Ferreira Machado. Tenho conhecimento de causa do que estou testemunhando.
Nossos profissionais de saúde, estão entre os mais bem pago do país. Todavia desde o governo do Dr. Arnaldo(médico) e passando pelo governo do Dr. Mocaiber(médico) e ainda presente neste início de governo de Rosinha, temos uma verdadeira orgia de acadêmicos na Emergência do Ferreira Machado. É uma vergonha. A prefeitura(nós munícipes) pagam aos médicos e eles terceirizam os seus serviços para os acadêmicos( lhes dão seus carimbos e os põe para trabalhar em seus lugares). Caso tenha dúvida disso, vá lá verificar. Não temos nada contra os acadêmicos acompanharem aos médicos a fim de aprenderem((todos os médicos e enfermeiros, um dia o foram); mas, o serem colocados para fazerem emergência(onde se exige alta qualificação, pois não há tempo a perder), isto é uma irresponsabilidade e desrespeito e um mal caratismos sem conta. Há noites, que você não encontra médico na emergência e quando encontra, é apenas um; e, este "assessorado" por vários acadêmicos. Há pessoas que estão morrendo por conta disso.
Ainda há outra situação complicada. Na emergência do Ferreira, há 4 enfermeiros chefes de plantão de 24 horas a cada dia. Eles, desde o governo de Mocaiber, fazem um esqueminha: 2 trabalham doze horas( de 7 à 19 horas) e vão para casa dormir e dois ficam no plantão. Deste dois do plantão, às 22 horas 1 sobe para dormir até o outro dia e apenas 1 fica trabalhando. E assim vão fazendo rodízio: cada semana dois vão para casa. Cada enfermeiro deste ganha o em torno de R$3.500,00 por plantão. Não há lugar no Brasil que se pague este salário(somente a prefeitura São Paulo – nem os hospitais particulares luxuosos de São Paulo). Sem dúvida seria honroso revezarem no próprio hospital- hora de almoço, lanch, jantar, ceia e mais as 3 horas de direito para descansar. Mas acontece que alguns enrolam, fingem que trabalham, mas graças a Deus que há aqueles que suam a camisa. Isso tudo tornou-se uma cultura naquele hospital.

Ainda há outra situação complicada. Os médicos diaristas da Clínica Médica e outras clínicas, são bem pagos para darem 4 horas de trabalho e os que trabalham muito dão 1 hora. Peça a fita do serviço de segurança daquele hospital e confiram as horas que os médicos diaristas destas clínicas chegam e saem. Você vai ficar envergonhado. Pelo menos os médicos poderiam ficar 2 horas. Daria para resolver as situações.

Evidentemente não são todos os médicos e enfermeiros que assim procedem, há os dignos, que são em minoria, infelizmente.

Quem sabe a prefeita Rosinha, que é a prefeita da mudança tomara de fato uma postura honrada e porá fim a esta orgia e que na maioria das vezes acaba em morte ou vida vegetativa. O Dr. Arnaldo(médico) e o Dr. Mocaiber(médico), colocaram nossa saúde no estado terminal e espero que a prefeita Rosinha não a ENTERRE, SEPULTE. Ao contrária TERMINE com este estado TERMINAL trazendo-a a vida. Entendo um pouco os médicos. É complicado confrontar a classe. Mas como Rosinha não é médica, há um fio de esperança. Espero que ela não nos desaponte.

Campos precisa de Todos Nós para desfazer os NÓS.