terça-feira, 2 de junho de 2009

Abutres com pautas, câmeras e microfones...

Diante da comoção provocada pela tragédia do vôo AF-447, é natural que a mídia local e internacional se ocupe do assunto, que afinal de contas, mobiliza a atenção de todos, movidos pelos mais diversos sentimentos, desde a mais sincera consternação até o curiosismo sádico...

O problema é que o tom da cobertura da imprensa PIG sempre extrapola, e nos "brinda" com o mais puro jornalismo de carniçaria, atrelado, como sempre ao oportunismo canalha, e da defesa de interesses inconfessáveis...

Eis que durante todo o dia, pululam os mesmo esquemas de pauta, com os intermináveis "especialistas", de vôo, de risco, de metereologia, enfim, uma trupe de idiotas de aluguel, manipulados pelas equipes de reportagens e apresentadores, destinados a prática do mais puro achismo e futurologia, pretensamente a serviço de pareceres científicos...

Todos sabem que a identificação de causas de incidentes aéreos, ainda mais com as características sui generis desse caso, demoram meses, ou anos, para serem concluídas...

Esse circo de horrores montado sobre a dor dos parentes e amigos das vítimas, não levará a nada, a não ser o aumento de pontos de audiência, e do fluxo de faturamento de empresas de mídia e seus patrocinadores...
Não há nenhuma possibilidade de se informar ao público, pois não há fato ou informação a ser tratada, para além das hipóteses...

Sabemos, por experiência infeliz ao longo dos anos, que toda vez que nossa imprensa procura dar verniz de fato às suas meras especulações, o desastre costuma ser tão grande para a Democracia, quanto as tragédias reportadas em si....

Foi assim no caso do incidente da TAM/Congonhas, Gol/Legacy, febre amarela silvestre, episódios recentes, que somam a nossa triste memória do caso Bodega/SP, Escola Base, etc, etc...
Casos escarafunchados com furor incansável, até que se revelassem a ignomínia que moviam tais "investigações"...
Disposição, diametralmente, oposta a falta de zelo e interesse quando se tratava de incidentes relacionados aos seus aliados, como no caso do buraco do Metrô de SP, quintal do tucanato paulista...

Há eventos novos nessa categoria "operação abafa"...
A exceção da Rede Record,no último domingo, quase nem se fala dos recorrentes confrontos da PM paulista e moradores da periferia, com contornos insurreicionais, além dos limites da pura retaliação criminosa a ação legítima do Estado...

Resta o exemplo do governo e demais instituições francesas, quando se negam a divulgar nome, e maiores detalhes do incidente, em respeito a privacidade das famílias, e para impedir "pressões" das versões sobre os fatos, que acarretaria, por exemplo, erros judiciários irreparáveis...

Nossos jornalistas de coleira do PIG babam e espumam de raiva, pois se fosse por aqui, acusariam o governo de estar "negando direito à informação", e cerceando a liberdade de imprensa...

Por derradeiro, o PIG globo dá seu toque final, ao, sutilmente, começar a "plantar" nas suas "reportagens" a falsa polêmica sobre quem será responsável pelas investigações...Está aí, a porta aberta para futuras divagações e manipulações escrotas sobre uma "fragilidade diplomática brasileira"...

Não há dúvidas...A grande parte de nossa mídia é um veneno para a Democracia...
E não confundam, gendarmes de coleira, pois mídia não é sinônimo de liberdade de expressão...Muito ao contrário...

2 comentários:

Anônimo disse...

Xacal, pela primeira vez tenho que concordar contigo.
Nada mais chato do que ir todos os dias para as ruas, procurar mais caroço de azeitona, no lixo, que já foi virado, revirado, escarafunchado.
É por essas e outras que prefiro desligar a tv, viajar pela net, procurar algo útil para estudar, baixar uma coletanea de músicas, e encontrar as respostas que necessito, para minhas indagações, a respeito da mídia eletrônica.
Já não aguento mais ver o choro daquela mulher na tv e nos jornais.
Pior do que isso tudo, é ver emissoras como a Band, e o Datena, levarem horas e mais horas, falando de um carocinho de azeitona, como se aquilo fosse o fim do mundo para uma cidade como São Paulo. Mas como ele fala e repete, a impressão que tenho é que São Paulo é menor do que o Parque Tamandaré.
Fui.....

Anônimo disse...

A google n vale nd