quarta-feira, 17 de junho de 2009

Cidade melancólica...

Para além dos problemas que vivemos nessa planície lamacenta, é quase palpável uma tristeza no ar...

Uma sensação de derrota, e falta de perspectiva, um desânimo apalermado...

A opção do governo dos mil patetas em deixar de administrar a cidade, para calcinar o capital político do grupo antecessor, imobiliza a cidade, e desorganiza as instituições...

É claro que as apurações devem seguir seu curso, doa a quem doer...Não se trata de defender os telhadeiros de vidro...

Mas quando será que a câmara passará a fiscalizar os atos desse governo, ou mesmo começar a legislar e discutir os temas relevantes para a cidade...?

Afinal de contas, quando começará o governo dos mil patetas...?

Ou será que os mil patetas acreditam que esse oba-oba midiático pode substituir as práticas de boa governança, exaustivamente prometidas em palanques de campanha...?

Ainda que fôssemos olhar com uma lupa, e com toda a boa vontade, procurarmos algo que mereça destaque nessa gestão, nada encontraríamos, a não ser que concordemos que passagem de um real justifica o desperdício de milhões de reais em um setor que já demonstrou sua inaptidão em servir ao público, como as empresas de transporte coletivo...

Ou, por outro lado, entendamos como política de desenvolvimento, a incineração de milhões de reais em grupos econômicos de passado duvidoso, e devedores de todas as suas responsabilidades cíveis e sociais...

Quem sabe nos contentemos com escolas administradas por uma secretária de educação que tem como grande virtude o não-pensar e não-questionar, e apenas dizer amém...

A contratação sem concurso público, a emergência sem causa, a transparência indecente, dentre outras incongruências explícitas...Tudo isso abate o ânimo do campista...

De que temos medo...?

O que é pior que a vergonha de sermos cúmplices pela omissão...?





Um comentário:

Anônimo disse...

Vejam vcs, não tem o que começar.Este grupelho não tEm porjeto algun, a não ser a compra, confessada por uns, de votos.É só isso.
Costumo dizer que é o governo do MÍNIMO para a admistração pública e o MÁXIMO para o NAPOLEÃO.
Que viver verá.