quarta-feira, 24 de junho de 2009

Festa do padroeiro...padroeiro de quem, cara pálida...? Ou: vamos passar "a sacolinha"...!

Os temas religiosos são recorrentes, e provocam muita polêmica...Boa parte delas, é verdade, surgem de premissas falsas...

A TrOLha utiliza, na maioria das vezes, uma linguagem agressiva para tratar do tema, e não é puro sadismo, embora esse também seja um componente...

É para atacar uma hipocrisia pseudotolerante, que reina entre nós, civilizados e catequizados sob o signo da cruz e o corte da espada portuguesa...

Aqueles que teimam em se esconder sob o manto da livre opção de credo para esconder um fato grave que macula nossa Democracia e Estado de Direito...Misturam as estações para auferirem vantagens e perpetuarem privilégios seculares...

Cada um professe a fé que quiser, pratique a denominação religiosa de sua preferência, com toda a liberdade de culto, desde que o interesse e direito dos que não comungam da mesma fé não sejam atingidos...

Essa é a premissa da República, ou pelo menos deveria...

É inaceitável que o poder público municipal banque com nosso dinheiro uma festa religiosa católica, e lhe dê caráter de festa oficial...Não, não é...É a festa dos padroeiros dos católicos, e só...
Todos nós, ateus, e os que praticam outras denominações religiosas pagamos os impostos que abastecerão os shows e ritos católicos, como se fossem os de toda a comunidade...

Um absurdo...

Paciência...Essa é uma discussão que vai longe...E nós temos tempo...O problema é o dinheiro que vai para a "sacolinha"...

8 comentários:

Anônimo disse...

tad feta seja ela catoica ou nao qe te leve maispara perto dosagrado de sim ser feita tambem pe poder publico,se gsta tanto dinheiro com coisas futeis como festinh de bairro so par promover os politicos,eno gastamosamem pa promover o sagrado,aquilo qu te lva para perto de Deus e t fasta das drogas entre outras coisas,como devemos respeitar a sua opiniao que vcambem respeite as dos outros.

Xacal disse...

meo caru...

u erro nã jutifica o otro...se o podê pubrico gata dinheiro com bobagens, entao nao pudemo acrescentar mais uma...

eu pago impoto e nã quero ficá peto do sagrado..impoto é republicano, é de todos, fé é de cada um...

ahh, vai ser proibida a venda de drogas lícitas no local...?

só refligelante e água...

respeitar a opinião não significa acatá-la...

em linguagem de gente normal...

cada religião que faça a festa com as doações de seus crentes, e não com o erário...

eu vou reivindicar uma festa para o deus baco...é a minha noção de sagrado, e daí...? como fica...?

Anônimo disse...

Acho que o teclado do anônimo está um pouco ruim ou está com fome comendo as letras ou é aquele vírus chatinho que come tudo que vê na frente e pelo jeituuu é contagioso.

Anônimo disse...

A TROLHA,há momentos que, fala mta bobagem e mta coisa sem lógiga. É de se respeitar os usos e costumes do povo, a tradição, etc... Há festas religiosas que ja passaram de duzentos anos (Santo Amaro, por exemplo). Em qualquer luga do pais, onde se tenha um pouco de visão, faria com que ela fosse fomentada como fonte até de divisa e difusão cultural. O vizinho Município de São João da Barra, faz mto bem isso e, a cada ano valoriza e implementa a festa de seu padroeiro. No nordeste nem se fala. Viva São João. Morra a mediocridade de ateus mesquinhos e imbecilizados como vc

Xacal disse...

Deixemos de lado a desqulificação simplista, que demonstra, de plano, a incapacidade de conviver com outras teses...

É o popular: morte aos infiéis, que encharca de sangue a Terra com guerras religiosas e de intolerância, embora, às vezes, se escondam atrás do discurso do livre culto, principalemnte, quando são a minoria perseguida...

Quando são hegemônicos, como os canalhas da fé católica e outras denominações "cristanalhas", que trituraram índios, negros, judeus e outros povos em nome da prosperidade européia e da dominação da igreja de pedro, discípulo primeiro do carpinteiro bastardo, brandem a cruz e a espada em atividade de extermínio...

bom, dito isso, nosso debatedor mistura as estações...

respeito às tradições é, antes de mais nada, cultuar a liberdade, tanto de culto, mas principalmente, de financiamento, ou seja:

verdadeiro respeito as tradições religiosas e culturais de um povo não se faz às custas do erário...sob pena de servirem(aliás, como sempre serviram) de mote político-partidário para vincular religião e palanque...é o que chamamos de dirigismo...

E lembrem-se, idiotas fiéis: O mesmo Estado que agora dá o pão, poderá dar o castigo...!

As festas religiosas são tradicionais em toda a parte do mundo, inclusive com feriados, mas o financiamento deve sempre ser feito por seus fiéis e congregações... é assim em todo o mundo "civilizado"...

Mesmo assim, a simples disponibilização do aparato de segurança pública, gerenciamento de trânsito e da utilização gratuita das praças, já é apoio suficiente para essas atividades comemorativas...Direito que deve ser estendido a todas as outras manifestações culturais...sem distinção...

Assim é em Nova York nas festas da comunidade italiana, judia, budista...

Engraçado esses idiotas criticarem os estados islâmicos, e pretenderem Estados teocráticos tal e qual os muçulmanos têm por lá...onde Estado e religião se misturam...

Pobres bárbaros...

Pobres bárbaros...

Anônimo disse...

Tim Tone, glória
Tim Tone, ....
Bis

Irmão vamos passar a sacolinha....
rsrsrrs

Anônimo disse...

Beleza!!!!!!!!!
SJB incrementa as festas religiosas e a população, acreditem, não tem médico para ser atendida.
Beleza!!!!!!

Anônimo disse...

E o grande lance é que de religiosas essas festas de padroeiros não têm nada. Fica por conta da prefeitura a contratação de bandas para shows, porque na realidade há mais apreço pela festa profana do que pela religiosa.
Até o final da década de 80, por exemplo, a festa do Santíssimo Salvador, na praça do mesmo nome, reunia várias barraquinhas e milhares de pessoas que pra lá se deslocavam. Escolhiam suas roupas mais bonitas ou novas. Depois a coisa foi se descaracterizando e o que leva o povo até lá são os tais shows.
E esses babacas aí querem defender o que? Em vez de investir em shows de "festas religiosas", tratem é de investir nos postos de saúde e hospitais públicos; tapem os buracos da cidade; deem jeito no caos que está o trânsito; acabem ou regularizem as lotadas ilegais; há muitas coisas pra vcs fazerem. VÃO TRABALHAR, VAGABUNDOS!