quinta-feira, 4 de junho de 2009

Investimentos de escala e impactos sócio-ambientais...

Ninguém seria louco em rejeitar, a priori, qualquer aceno de grandes grupos econômicos para realizara investimentos em sua região...

No entanto, para enfrentar os efeitos e impactos provocados por essas atividades exógenas, que se instalam nas cidades, é necessário um amplo debate comunitário, onde a organização da sociedade civil poderá fazer frente as ameaças trazidas por esses empreendimentos...

Lembremo-nos que empresários visam LUCRO, e isso é legítimo...Qualquer outra preocupação com as alterações que suas empresas possam causar no ambiente o qual se instalaram, se dá na medida da mobilização de cada população...

Não basta aos governantes, como é o caso dos nossos patetas da lapa e os patetas de São João da Barra, ficarem a tecer loas, e reivindicarem para si o bônus da possível geração de empregos, enquanto tentam esconder ou ignorar os prujuízos que vêm junto com as boas notícias...

Governos são representantes de TODA a sociedade, e não apenas dos interesses de alguns poucos empresários e os seus futuros empregados...

Hoje, ao trafegar pela rua Tenente Coronel Cardoso, a rua ex-formosa, no trecho entre o estádio do goyta-pudim-de-chuchu e a avenida Felipe Uébe, pude notar o intenso fluxo de caminhões pesados, carregados com pedras, destinadas ao porto do Açu...

Sabemos todos que o excesso de pressão sobre o asfalto provoca a rápida fadiga do capeamento, em outras palavras, crateras gigantescas....

Com as enormes isenções oferecidas para os empresários, temos uma conta que não fecha:

Os benefícios dos empregos gerados, e os recursos trazidos, via investimentos diretos, indiretos, e receitas fiscais advindas do incremento da atividade produtiva, são diluídos no médio e longo prazo...Enquanto isso, as isenções fiscais e subsídios diretos e indiretos, enfraquecem, de imediato, os já combalidos cofres públicos, que ficam com pouca ou nenhuma capacidade de enfrentar os efeitos trazidos por essas atividades...

Não falamos apenas dos buracos, que exigirão desse e dos futuros governos uma enorme soma para recuperar nossa malha viária, sem falar no aumento da emissão de gases, e transtornos de trânsito, inclusive com aumento de incidentes...

Restará ao erário fazer frente ao aumento da demanada por serviços públicos, que vão desde hospitais, escolas, segurança pública, soluções de urbanismo, etc, etc, etc...

Pode ser que os números justifiquem todo esse "prejuízo"...Pode ser que não...!

Mas a postura anti-democrática dos mil patetas, daqui e de São João da Barra, avessos a transparência e a qualquer discussão política e técnica, nos leva a crer que tanto segredo é para que não saibamos que, no fim das contas, toda a sociedade torra seus suados impostos para engordar o caixa de empresários, e gerar alguns empregos...

Quando falta boa informação, reina a desconfiança...!

3 comentários:

Anônimo disse...

Nós que moramos em S.J.da Barra e utilizamos a estrada diariamente para trabalhar em Campos, sabemos bem o transtorno que esses caminhões estão causando e o risco que corremos nessa estrada devido aos estragos feitos no asfalto.

Anônimo disse...

Não só o impacto ambiental.
Deve ser considerado também os estragos impostos ao trânsito, com caminhões despejando na estrada resíduos do que é transportado, levando considerável risco a quem ali transita.

LUÍZ disse...

CARA, EXÓGENA É ASSIM QUE SE ESCREVE. UM ABRAÇO!