terça-feira, 9 de junho de 2009

That's the economy, stupid...!

Essa expressão, não me recordo bem, foi cunhada na gestão Bill Clinton, ou durante sua campanha, não sei bem..De qualquer forma, o que lhe dá relevância e importância para esse post, não é o rigor temporal de sua contextualização...

Longe de defender um determinismo economicista sobre outras esferas(ou superestruturas, como gostam os marxistas), que aprisionem todos os fenômenos sócio-políticos a uma subordinação aos eventos econômicos, parece-nos sensato, dar a devida dimensão desses aspectos em nossas vidas, e nas decisões de governos, e por que não dizer, das próprias razões de Estados Nacionais...

Muito se fala acerca da política de combate ao uso e abuso das drogas, tráfico e suas conseqüências sobre a sociedade moderna...Essa polêmica é tão antiga quanto a Humanidade, e nunca poderemos esgotá-la...

Mas o maniqueísmo simplista dá demonstrações de desgaste, e o moralismo hipócrita vai se restringindo às esferas privadas de relacionamento...Na seara pública, ainda bem, torna-se imperiosa a necessidade de discutir esse delicado tema com responsabilidade, conhecimento científico e fatos...

Esse é o ponto crucial que ressaltamos aqui: toda a sociedade tem legitimidade para discutir, elaborar e definir o regramento jurídico que deve ser imposto a todos, erga omnis, como gostam os nossos jurisconsultos...
Mas essa discussão deve partir de premissas razoáveis, e não reproduzir simples preconceitos e dogmas religiosos, ou morais privadas, ou interesses de grupos...O debate deve ser tudo isso misturado, e mais: estabelecer um consenso coletivo que paire acima das opiniões de cada grupo isolado, e assim contar com a adesão de todos, ou quase todos...

Nesse sentido, é interessante como as necessidades econômicas dos entes públicos de poder, que em última instância servem para garantir bens e serviços a comunidade, começam a se curvar a uma realidade econômica, que de certa forma, conduz a outra conclusão:

A guerra as drogas, ou War on Drugs, é cara e não pode ser vencida, nem com bilhões ou trilhões de dólares, vidas e recursos materiais de qualquer monta...
Como em uma estranha simbiose, a alocação de recursos gigantescos parece alimentar ainda mais a voracidade das grandes empresas destinadas a fornecer drogas a usuários...Não seria errado supor que o tráfico de drogas se nutre do seu combate...

Feita essa constatação, governantes ao redor do mundo se rendem, e procuram um armistício, acordo esse que possibilite uma saída utilitarista para seus cofres públicos, e enfim, o bem estar da sociedade que contribui com seus tributos, já que é impossível uma saída menos humilhante, na medida que se consumiram vidas, dinheiro público, reputações com a estigmatização policialesca de um problema que ia muito além da simples repressão, como aliás, ficou provado...

Na edição especial de 15 aos da Carta Capital está lá para quem quiser ler, e tecer seus comentários:

O governador-exterminador do futuro, Arnold Schwarzenegger, republicano conservador, de carteirinha, acaba de sinalizar para sua bancada estadual majoritária, a necessidade de aprovar leis de legalização de uso de maconha, canabbis sativa, para fins recreativos(no maconhês coloquial: chapar o coco, queimar um pau podre, dar um tapa, etc...), para além do uso medicinal, já, permitido na Califórnia...

O motivo: o rombo orçamentário de U$42bi nas contas do californian dream, e a futura receita adicional de U$1,3bi/ano, com a comercialização legal do entorpecente...

É simples assim...
É a economia estúpido...!

9 comentários:

Gustavo Alejandro Oviedo disse...

That´s the economy, stupid!

Não foi Karl Marx que disse isso, no O Capital?

Filho de Mula Manca e Feia disse...

Quero poder comprar minha maconha na padaria na Pelinca e ficar de rolé com meus amiguinhos.

Xacal disse...

não me recordo...sei que a frase foi usada no período Clinton...

um abraço...

Gustavo Alejandro Oviedo disse...

Tava brincando...foi um assessor de campanha de Clinton, mesmo.

Anônimo disse...

Xacal,

Não sei quem tu és e, tão pouco, quero saber. Prefiro assim.

Mas, não posso deixar de dizer que admiro demais a sua inteligência. Por isso, você incomoda.

Você é demais e já está se tornando uma referência na blogosfera.

Anônimo disse...

Xacal, de fato, foi Clinton quem falou isto, quando perguntaram a razão do seu sucesso.
Ele quiz dizer que nem um presidente perde eleição, quando a economia vai bem.
É facil constatar a veracidade, haja vista, a popularidade do menino presidente Lula.
É só voar em céu de brigadeiro, vendo os outros "morrerem no MAR de brigadeiro.
Abraço
David.

Anônimo disse...

Schwarzenegger quer substituir livros didáticos por ensino online

O exterminador do futuro Arnold Schwarzenegger apresentou nesta semana um plano para substituir os livros didáticos tradicionais nas escolas californianas por recursos digitais como o Facebook, Twitter e iPods. Com isso, o governador da Califórnia pretende reduzir o déficit orçamentário do estado, que ultrapassa os US$ 24 bilhões.


Schwarzenegger acredita que com a medida os alunos terão uma melhor formação. Segundo o El País, o ator austríaco nota que os jovens são pioneiros em adotar sites como Facebook e Twitter e baixar arquivos para seus iPods. Graças a essa familiaridade, a internet também se apresenta como a melhor maneira de distribuir conteúdo em salas de aula. Além disso, textos digitais são mais fáceis de se adaptar de modo a manter o ensino atualizado.

Anônimo disse...

http://blogclaudioandrade.blogspot.com/2009/06/sem-concurso.html

Cara de pau...

Anônimo disse...

QUEM SERÁ A SEM CONCURSO??????????????????????????????
Será q vcs estão ARMONDo??????????????????