sábado, 13 de junho de 2009

Tiro pela culatra...sempre...


A aposta dos EEUU e aliados não vingou...Com mais de 94% de voto apurados, o atual presidente do Irã, Mahmud Ahmadinejad já pode ser considerado reeleito, uma vez que alcançou 64,78% dos sufrágios, resultado que não pode ser mais revertido...

O fato demonstra que todas as vezes que determinados grupos, classes, países e seus valores culturais são confrontados com exclusão, a tendência é que cresçam os recortes de identidade, amalgamados em torno de lideranças ou ideologias que acirram o confronto com seus agressores...

Em outras palavras, se o Ocidente quer, realmente, uma convivência pacífica com o Islã e outras nações, consideradas hostis, deve, antes de tudo, procurar o caminho do diálogo e da integração econômica...

O índice de particpação sem precedentes, cerca de 70%, mostra que os iranianos estão mobilizados para cerrar fileiras com seu presidente, que em grande parte, constrói seu capital político com as ameaças de Washington e Israel...

Resta saber se Obama conseguirá equilibrar a necessidade de diálogo com a pressão pelo cumprimento dos acordos e laços históricos com os sionistas, que mantêm uma base política e de opinião de considerável força no solo estadunidense...


Foto: El País

Um comentário:

Anônimo disse...

O presidente pode ser o rosto público da República Islâmica, mas não é a figura mais poderosa do país. A palavra final sobre todos os assuntos de Estado é do líder religioso supremo, o aiatolá Ali Khamenei, sob o sistema de regras do clérigo. O presidente pode influenciar nas discussões políticas porque o aiatolá tende a tomar suas decisões baseadas no consenso com a elite política, embora normalmente adote a posição dos conservadores.