sexta-feira, 24 de julho de 2009

Controle social para o setor sucroalcooleiro...

É de pasmar o cinismo e a subserviência de boa parte da mídia local...Quando pensamos que eles não podem fazer pior, eles nos surpreendem, e fazem cada vez pior...

Acostumados a desqualificar a atividade política, e o setor público(não sem razão, diga-se de passagem), silenciam e minimizam a tragédia humana que se passa nos canaviais dessa planície lamacenta...

Embora os nomes, e os fatos sejam muito mais robustos que nos escândalos eleitorais e políticos, e todos saibam quem são os neocoronéis que empunham as chibatas que esfolam o couro dos trabalhadores rurais, e traficantes de gente, não há, nem de longe, uma repercussão que vincule os empresários das Usinas Sapucais e Santa Cruz a esses crimes...

Ao contrário...São, semanalmente, cortejados e festejados nas colunas, páginas, ondas do rádio e imagens de TV...
Ao redor desses neocoronéis erguem-se argumentos para garantir mais algum dinheiro público para subsidiar sua máquinas de moer gente...

E a comunidade vai, tal e qual boi tangido pela manipulação midiática, levada a acreditar que esses senhores são distintos da classe política que elegemos...Parte desses senhores se dedica, inclusive, ao proselitismo de cobrar a boa gestão dos recursos públicos...Mais hipocrisisa...? Impossível...

É claro que não se trata de generalizar e colocar na vala comum todos os empresários e agricultores do setor...Nem de longe podemos desprezar sua função estratégica e fundamental em nossa economia...Essa chantagem a sociedade não pode mais aceitar, pois afinal, se o fato de gerar empregos para a classe mais pobre justifica a prática de delitos, por que combatemos o tráfico de drogas , que, afinal, inclui no "mercado de trabalho", com remuneração e condições de trabalho melhores os seus "trabalhadores", moradores das nossas periferias...?

Me digam se os trabalhadores rurais traficados do norte do país até aqui, para ficarem em regime análogo a escravidão não são tão coagidos quanto os soldados e vapores do tráfico de drogas...?

Até quando vamos aceitar que folhas e outros o(r)di(n)ários acobertem esses senhores...?
Onde estão as primeiras páginas, infográficos, retrospectivas, inserções ao vivo, e todos os recursos midiáticos para expor a vergonha esses neocoronéis, como fazem com servidores públicos, mandatários e outros "mortais"...?

Um comentário:

Anônimo disse...

NEM TODA CRUZ É SANTA
NEM TODO JOSÉ SOFRE COM OS
PROBLEMAS DOS OUTROS

Grupo José Pessoa é excluído de Pacto contra escravidão.

Exclusão foi motivada por novo caso de trabalho degradante flagrado em junho envolvendo a companhia sucroalcooleira.

Empresas do grupo já estavam suspensas por ter submetido indígenas a condições graves em usina no MS

O Comitê de Monitoramento do Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo divulgou nota pública em que confirma a exclusão das empresas do Grupo José Pessoa - Agriholding, Agrisul Agrícola Ltda, Companhia Brasileira de Açúcar e Álcool (CBAA), Debrasa e Jotapar -, com atuação expressiva no setor sucroalcooleiro.

O conglomerado mantém cinco unidades de produção de açúcar e álcool de cana-de-açúcar no país: em Japoatã (SE), em Campos dos Goytacazes (RJ), em Icém (SP) e duas no Mato Grosso do Sul - nos municípios de Brasilândia e Sidrolândia.

A exclusão do Grupo José Pessoa da lista de signatários comprometidos em cortar relações comerciais com envolvidos em casos de trabalho escravo contemporâneo foi provocada pela reincidência em casos de trabalho degradante.

As empresas comandadas por José Pessoa de Queiroz Bisneto estavam suspensas do Pacto Nacional desde que o grupo móvel de fiscalização do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) resgatara 1.011 trabalhadores em condições extremamente precárias na Fazenda e Usina Debrasa, em Brasilândia (MS). Indígenas de povos da região constituíam a maioria dos envolvidos na ação.

O Comitê decidiu excluir em definitivo as empresas que fazem parte do Grupo José Pessoa.

COMITÊ DE MONITORAMENTO DO PACTO NACIONAL PELA ERRADICAÇÃO DO TRABALHO ESCRAVO
Instituto Ethos/ONG Repórter Brasil
Organização Internacional do Trabalho

A Agrisul Agrícola Ltda - conhecida como Usina Debrasa, da Companhia Brasileira de Açúcar e Álcool (CBAA), que faz parte do Grupo José Pessoa.
Fonte: www.reporterbrasil.org.br/exibe.php?id=1615

José significa: Deus acrescenta. Indica uma pessoa sensível, confiante e generosa, que sofre com os problemas alheios.

Nesse sentido e pertinente ao assunto é preferível (re)ler "Fogo Morto" - José Lins do Rego.