sexta-feira, 24 de julho de 2009

Da terceirização da merenda, estelionato eleitoral e outros obscurantismos...

Campanhas eleitorais custam dinheiro...Muito dinheiro...Com o advento da industrialização das campanhas eleitorais, a tarefa de disputar o poder político e os mandatos representativos tornou-se um fim em si mesma, e não apenas um meio para corroborar a vontade popular...

Assim, findam as campanhas eleitorais, e os mandatários já enfrentam a "imperiosa necessidade" de financiar seus projetos de "manutenção do poder", que são inflacionados por demandas de todos os setores: dos mais pobres até o topo da pirâmide, todos querem fazer valer seus interesses junto a seus eleitos...

O desafio para a Democracia é antes de mais nada: reconhecer esses fatos, e encontrar possibilidades de "controle", ou ao menos, de formalização desses processos, que se não permitem um controle absoluto dessa atividade, pelo menos tornam mais claros os movimentos dos grupos de pressão, ou como dizem nos EEUU, os lobbies...

O primeiro passo para tanto, em nosso parvo entender, é que os candidatos encontrem o tom adequado para falar aos seus eleitores sobre ses projetos...
É precso dialogar e e tornar público os desafios e as formas propostas para enfrentá-los...
Nossas eleições viraram gincanas de popularidade, que substituíram o debate público sobre a agenda de gestão, ou seja: não se fala quais são os problemas, e como resolvê-los...E mais: se a biografia dos candidatos permitem que esses acordos e propostas sejam cumpridos...

Três anos antes dos pleitos, a mídia(sócia dessa indústria da popularidade)auscultam a população sobre a ceitação(ou não)dos eleitos, e não trazem sondagens que diagnostiquem as demandas sociais, e quais são as percepções da capacidade dos mandatários em solucioná-los ou não...

Assim, perguntamos:a prefeita-marionete se elegeu com a proposta de terceirizar merenda e a gestão pública como um todo...?
É legítimo que os financiadores da campanha esperem políticas públicas que favoreçam seus negócios...É assim em qualquer lugar do mundo...
Mas a pergunta continua: a população sabia, ou sabe, quem financiou as campanhas, e quais eram esses compromissos...?

A ignorância sobre esses fatos é que levantam as suspeitas(fundadas ou não)...

A democracia estadunidense não é modelo para ninguém, a não ser para eles mesmos...Mas um fato é inegável: quando elegem republicanos os eleitores sabem a agenda da gestão que será implementada: investimentos nos negócios do petróleo, armas, etc...

A escolha é clara...e a possibilidade de rejeição também...Logo, maior o controle...!

A hipocrisia por aqui fomenta os estelionatos eleitorais...

Tomara que chegue um dia onde nossos candidatos venham no palanque e digam: "Vou pivatizar, estatizar, elevar a taxa de juros, baixar a taxa de juros, fazer tais e tais obras, e os setores privilegiados serão esses...Eles que concorram entre si para prestar o serviço pelo melhor preço, e se quiserem contribuir para minha campanha que o façam..." ou ainda: "a melhor maneira que vejo de administrar é essa: com terceirizações, com desmonte da máquina pública...."

Nos pouparia de um monte de decepçõesm escândalos e chantagens....

Desde já, fique claro: essa não seria uma fórmula mágica, e que nos autoriza a dizer que não haverá "sacanagens"...Mas o acesso a informação e a clareza de propósitos aumentam a possibilidade de controle...SEMPRE...

Um comentário:

Anônimo disse...

Naõ tem jeito, está é a prática do NApoleão da Lapa. Vai limpar os cofres públicos, com a esfarrapda de Dinheiro para campanha. Èéééeééla