terça-feira, 28 de julho de 2009

Destaque da TRolhA...

Há muito a língua nos é comum, mas a distância é maior que oceânica...Eis que a blogosfera nos remete a um olhar recente, reticente e curioso...!

Cá, no além-mar deles, nós continuamos a ler os escritos dos patrícios...O blog do Bento, bento-vai-pra-dentro.blogspot.com/ é um desses nossos parceiros internacionais que divulgamos com orgulho...

Não o orgulho provinciano de desejar uma refenciação externa(e metropolista européia)para justificar nossa suposta relevância, que já sabemos insignificante...Mas, o prazer de ler e ser lido, e da compreensão mútua...

Vamos ao texto primoroso do Bento...

QUARTA-FEIRA, 15 DE JULHO DE 2009

TERTÚLIA DE JULHO - TEMA LIVRE


À hora marcada os presos recolheram à rudeza fria e esfíngica das celas. Todos, excepto Manuel da Cruz de Sousa Tobias Lettermann. A kilometragem do nome não o impedira de tirar guia de marcha para a penitenciária com carimbo de dolo e burla agravada. Tomara todos os cuidados e precauções: unira-se ostensivamente aos indivíduos de maior índice de massa muscular por centímetro quadrado, untara as mãos aos guardas, habituara-se a olhar de soslaio por cima dos ombros, evitara deixar cair o sabonete no duche e passara uma estadia agradável e isenta de preocupações. As diversas contas em off-shore ali para os lados entre o cruzamento de Gibraltar com New Jersey almofadavam-lhe, comodamente, o sono na tarimba despida de lençóis e preconceitos. Contudo, a permanência no cárcere ao longo daqueles três anos, exacerbara-lhe o desejo e a ansiedade. A privação da liberdade, o carinho da mulher e da filha, os passeios de domingo, as viagens e as mordomias inerentes à qualidade de homem livre, eram chagas num crucifixo ferrugento arrastado, penosamente, num calvário de olho postonaquele dia gizado na parede. Foram sem conta, as cartas manuscritas numa caligrafia ávida de notícias, trémula de nervosismo e faminta de liberdade. Escrevia de rajada, sem pontuação porque não era concurso e sem acentos porque as relia de pé... Piada fácil de escritor, que acentuava a dor e a tormenta duma personagem farta dos exíguos metros quadrados do recreio, calcorreados numa "Ronda dos Prisioneiros" para a qual ele não tinha estofo. Mago de finança fraudulenta, sim! Mago da paleta, não! O daltonismo não lhe deixava margem para sentidos estéticos e pictóricos dignos de Rembrandt.

À hora marcada, vestido e perfumado, olhou uma vez mais para o relógio. Os portões começaram a rodar ruidosamente nos gonzos. Ouvia o bater compassado do coração atingir a velocidade da luz num nervisismo sem fim. O bater era cada vez mais forte, mais intenso, ensurdecedor, quase lhe cortando a respiração. Os portões giravam numa lentidão exasperante. Limpava o suor da testa com o suor das mãos. O esgar incial tornou-se numa torrente de riso. Não aguentou mais! Com os portões escancarados num convite libidinoso, deitou a correr mal divisou a mulher e a filha no outro lado da estrada.

- GRRINCCHHHHH!!! - Tarde demais... na ânsia, não reparara no camião basculante que se apresentava pela direita a alta velocidade... E ali mesmo, transformado em Ketchup, vendera a alma ao criador em papel de vinte e cinco linhas, livrança e estampilha fiscal...

MORAL DA HISTÓRIA:

Podes querer ser livre, mas... convém olhar para a estrada!



3 comentários:

Claudio Kezen disse...

O Bento é muito giro! ( giro = legal )

Ana Paula Motta disse...

O Bento vai gostar da postagem.

Luis Bento disse...

Adorei! Só posso estar imensamente grato pelas suas palavras! Parece que foi ontem que descobri "A Trolha" e já lá vão sete meses... Continuam sendo expostos os mesmos problemas...Cá e lá... continua a corrupção e o compadrio, a negligência e o desleixo, mas o Xacal continua lutando com esse seu humor refinado e mordaz. Muito obrgado pelo texto elogioso! Vou tentar continuar a ser fiel a uma escrita que, sem artifícios literários tenta dar uma "cutucada" nos vícios dos portugueses...