quarta-feira, 8 de julho de 2009

Nossa Campos...Nossa de quem cara-pálida...?

O Professor Hamilton Garcia já foi descrito aqui como um don Quixote...Menos pelas trapalhadas, mais pela sua capacidade de sonhar uma sociedade melhor...Uma cidade melhor...O problema é que toda iniciativa voluntariosa, tende a se perder em uma deficiência que lhe carimba desde a gênese: a incapacidade de articular amplos interesses para além de setores estratificados dessa comunidade, a qual deseja arregimentar para o embate com as práticas nefastas de gestão do dinheiro público...

Foi essa a impressão que tive na I Conferência Municipal de Controle Social...Mas, para evitar uma postura tipo relógio quebrado: que pára no tempo, e só marca a hora certa duas vezes por dia, e ficar falando: viu, eu avisei, preferi o silêncio...

Mas eis que a II Conferência, um desdobramento do primeiro evento foi marcado para acontecer na sede da ACIC...
Bom, a vida já me ensinou que nada é por acaso, e o diabo mora nos detalhes...

Perguntamos: Por que não em um Sindicato, uma Associação de Moradores, ou melhor, na própria Universidade...? Nada contra a ACIC, uma importante entidade dessa cidade...
Mas seria muito melhor que qualquer movimento de controle ou discussão da gestão dessa cidade, mobilizasse primeiro a classe que mais sofre as conseqüências dos atos de descontrole, e que menos tem condições de fazer frente a esses atos: a classe trabalhadora...
Enquanto reclamam do bolsa-família, nossa elite enche a bolsa com PROERs, FUNDECAM, e isenções e subsídios de toda monta, sem falar nos históricos calotes, como foi o caso do IAA...

Esses fatos seriam apenas corriqueiros, se não fosse uma passagem que se deu na I Conferência e que causou enorme mal-estar entre a audiência...
Na sua intervenção, um usineiro local, considerado "moderno", e aberto ao diálogo, representante da entidade dos industriais, tem enorme dificuladade em pronunciar a palavra: trabalhadores...O empresário-usineiro-coronel se contorceu todo o tempo, deixando escapar um viés de preconceito de classe, encardido em sua cultura política...
No fim, a muito custo, o industrial-usineiro-coronel soletra a palavra:profissionais, para relacionar com os movimentos organizados que deveriam estar agregados a luta pelo controle social...Trabalhador é quase um palvarão nesses tempos de república sindical, devem pensar nossos modernos empreendedores...!

Para dar a pedra de toque, a grande convidada da noite, responsável pela ONG Rio Como Vamos, que detém certa tecnologia no acompanhamento, tabulação de dados e mobilização para a discussão de agendas públicas pela comunidade, nos desfia o painel de apoiadores(patrocinadores)da sua causa...

Só integrantes do altíssimo pode econômico, como Organizações Globo, Santander, Metrô, etc...

Fica a dúvida...Como falar de controle social bancado por quem se beneficia do descontrole...?

Para quem não sabe, as organizações Globo ainda não explicaram que tipo de negócios queriam fazer com o BNDES para bancar seu rombo de caixa, motivado pela execução das obras do Projac...

Outro que se refastelou com dinheiro alheio, foi o Santander que comercializou títulos dos fundos de pensão dos funcionários do antigo BANESPA, adquirido pelo grupo espanhol, e que estavam bloqueados pela Justiça, a fim de preservar o direito adquirido dos funcionários...E, principalmente, porque a Justiça entendia que esse dinheiro não poderia ser repassado na privatização como ativo do aqdquirente, ou seja, o Santander levou um din-din que foi depositado por funcionários e os cofres do Estado de São Paulo...

É por isso que fico a pensar:

Diga-me com quem andas, e te direi para onde vais...!

Quem controla o controle...?

20 comentários:

Anônimo disse...

Olá Xacal,
comungo com você das impressões.
Também estive lá e estranhei não ver na platéia tantos representantes da sociedade civil.
Na Bahia está acontecendo um trabalho muito interessante: QUEM NÃO DEVE NÃO TEME, que já agrega mais de 200 municípios. No site, que tem o mesmo nome, tem informaçãoes interessantes.
Passei um email para o prof. Hamilton, mas voltou.
Espero que a II Conferência aponte para um trabalho mais objetivo. A formação da sociedade civil (conselhos, associações, etc)é fundamental para unstrumentalizá-los (as) no sentido de fazer o controle social, e as Universidades são fundamentais nesse processo.
As denúncias que estão aparecendo nos blogs são muito interessantes, mas se não tiver um mecanismo para respaldá-las, vai se naturalizar, cair no vazio ou simplesmente não surtir efeito.
Como os Conselhos, órgãos criados também com o objetivo de fiscalização, composto paritariamente (?), são bastante frágeis na sua composição, taí a sugestão: sociedade civil dos conselhos municipais, participem amanhã da II conferência!
Deixo, aqui, uma sugestão também para a Associação da Lapa bem como as demais: participar amanhã da II conferência de controle social!
Famac, rumo à conferência!
Abraços, Xacal!

Anônimo disse...

Olá Xacal,
Também estranhei numa conferência de controle social ser apresentado como parceiros Itau,Santander, etc...
Temos universidades públicas, sindicatos, associações de moradores,movimento social organizado e principalmente os desorganizados, etc, que devem ser parceiros(as)e/ou mentorares de qualquer intervenções no sentido de se construir um movimento de controle social no municípios independente e apartidário.
Abr

Anônimo disse...

Xacal,Na chamada do "ordinário" on line está João VIDENTE o que seria João Vicente ou ele virou advinho?

PALAVRAS ACESAS disse...

Xacal, quero parabenizá-lo pela precisão no texto postado sobre "Nossa Campos". As reflexões que tenho sobre este tema se aproximam muito das suas. E mais, quero expressar minha admiração pela sua maneira irreverente de escrever. Graciete Santana

PALAVRAS ACESAS disse...

Caro Xacal, quero parabenizá-lo pela precisão das suas idéias em relação a "Nossa Campos". Minhas reflexões se aproximam das suas. Aproveito para expressar a admiração que tenho pela sua maneira irreverente de escrever, fazendo com que assuntos densos sejam apresentados com toques de humor. Graciete Santana

Victor disse...

Muito boa sua colocação em Relação a ONG Rio como vamos, pois é muito engraçado ver a Sra. rede Globo amiga inseparável dos detentores das chaves dos cofres contribuir com uma sociedade que ainda grita por saúde pública,educação,segurança e pior por fome. A rede Globo muito pouco contribui com os problemas socias de nosso país um grande exemplo é colocar numerosos jovens de frente a TV para assistirem a tal da Malhação a novelinha consegue superar o conto de "Alice no país das Maravilhas" ,tendo em vista o fato de diversos personagens que por lá passam todos conseguem passar no vestibular, nenhum jovem tem problemas com drogas, nenhuma mocinha engravida precocimente, quando existe um personagem de classe baixa, da geladeira dele só falta "sair um carro", ninguém morre de bala perdida e aí se segue , mas como se não bastasse a novelinha agora tem uma banda que pela já manjada historia das programções globais tudo dará certo, sendo essa provavelmente a campeã de uma espécie de festival, mais uma vez só o jovem da Malhação consegue vencer, pois infelizmente os jovens que vivem a realidade não é detentor de tamanha fantasia.

Anônimo disse...

Caro Xacal,

Admiro o seu blog, mas em alguns momentos percebo que você é muito parcial. Posso provar, não sei se você terá coragem de divulgar neste espaço, por entender que você ainda é muito sectário nas suas análises.

Vamos começar a discutir a CPI da Petrobrás, empresa que está sendo sangrada pela ongs companheiras? Vamos ou não? Eu lhe pergunto, por quê o PT hoje tranformado em Lulismo, tenta impedir de todas as formas a investigação das contas de uma empresa que é do povo? Se é minha a empresa eu quero saber o quê que o sindicalismo pelêgo, comandado pelo PT anda fazendo com meu dinheiro. E por falar em PT e Lula(o homem que nunca sabe de nada)defensor de caixa dois. Digo isto porque quando estourou o escândalo do mensalão, ele na qualidade de Presidente da República visitava Paris, naquela ocasião declarou no Fantástico (programa da rede globo) que o caixa dois no Brasil era coisa normal. Publica por favor este comentário, não faça como a mídia da nossa paróquia, que fabrica versões dos fatos e não os fatos... por interesses meramente econômicos.

Xacal disse...

caro comentarista,

como eu poderia perder uma oportunidade de debate como essa...

primeiro, se queres imparcialidade, esse blog não é o endereço para você...isso já foi dito aqui, com todas as tintas e letras...

bom, eu poderia cair na tentação de relativizar as suas ponderações, a partir de um fato óbvio: a mídia manipula e trata as denúncias do governo petista de fma desigual...o mensalão, pois bem cadê...? o stf acaba de inocentar o "chefe" do mensalão o zé dirceu...o caso palocci(que você esqueceu, aquele da quebra do sigilo do caseiro)também nada no stf...o grampo do stf/operação satagraha, etc...também nada...

mas não é tão simples assim, e não utlizarei esses FATOS para desqualificar sua crítica...

o problema é a falta de conteúdo comprobatório...você fala genericamente das ongs companheiras...tudo bem, cite uma, ou pelo menos uma fonte equilibrada(nunca imparcial, pois isso é mito)...

a oposição e os setores críticos do governo sequer atacaram seus pontos fracos, e por isso caem em descrédito...e sabe porque não o fazem...? porque têm o rabo preso...perguntem ao Daniel Dantas...

Veja agora o caso do Sarney...todo mundo com o rabo preso...e aí o problema é o Lula...

tenham paciência...

vamos discutir os pontos fracos do governo...eu mesmo cito um monte...essa é a diferença, aqui não tem lulismo, tem é debate e projeto de poder, meu caro...

a política monetária do governo beirou o desastre...o não enfrentamento da questão da previdência, dentre tantas outras...aí sim, temos um debate...agora essas perfumarias...nem a oposição acredita mais que elas possam causar algum estrago...

um abraço

Renato disse...

Xacal,
mais uma vez você toca em um ponto crucial.
Tivemos contato no SEPE com o professor Hamilton e tivemos um ótimo diálogo.Logo como você não tenho desconfiança de suas intenções e legitimidade.No entanto ao verificar a programação da conferência tive as mesmas desconfianças de que fala sua nota e reforçada pelo argumento de uma colega de profissão que ao explicar a importância do evento defendeu que era necessária a união dos diversos setores a fim de defender o "empresariado" local que havia ficado de fora das obras da prefeitura pelas novas regras das licitações.Sem entrar no mérito da discussão e isentando o professor pois tais palvras não foram ditas por ele,o fato revela as pretenções deste setor que como sempre é lembrado por você cansou de surfar na onda dos "telhadistas" e só queria um lugar ao sol no governo dos "pecadistas".Portanto o controle social para eles é só uma moeda de troca,algo que algumas "ordens de serviço" podem resolver.
E pra terminar uma última observação;controle social não é apenas a mera fiscalização e acompanhamento dos gastos públicos,mas também a discussão e formulação de políticas e prioridades para o município e sobre isso não ouvi uma só palavra que poderia ser no caminho da participação nos conselhos ou frentes formadas por sindicatos, associações,partidos e etc.
Um abraço,Renato Gonçalves

Cleber Tinoco disse...

Xacal,

O controle dos atos governamentais é de suma importância, nisso acho que estamos de acordo. Por outro lado, a melhor e mais eficiente forma de controle é aquela feita pelo povo, que pode e deve contar com toda a ajuda. É certo que a corrupção atinge não só a classe dos trabalhadores, mas a todos os membros da sociedade. A corrupção tem origem no próprio homem. Não existe quem num dado momento de sua vida não tenha quebrado o pacto social, violado a lei. O que nos faz diferentes uns dos outros é a vontade de acertar ou de continuar errando. A nossa conduta, portanto, deve ser analisada objetivamente, porque os motivos que levam alguém a participar de um movimento são os mais variados. Não raro, a vontade real do sujeito é oposta a vontade declarada, mas nem por isso esta deixa de ser importante num movimento. A pressão da Inglaterra, por exemplo, para acabar com a escravidão escondia o desejo de aumentar o mercado consumidor, mas sem dúvida contribuiu para a libertação dos escravos. Desse modo, se alguém se dispõe a participar do movimento e deve ser bem recebido, ainda que movido por interesses egoísticos e suspeitos. O fundamental é quebrar a espinha dorsal da nossa inércia e somar esforços por uma Campos melhor. O que não devemos permitir é que este movimento, que ainda está na fase embrionária, seja transformada em instrumento de disputa ou vingança política.

Abraço,

Cleber Tinoco

FÁBIO SIQUEIRA disse...

Pouco a acrescentar ao lúcido comentário do Dr., digo, do eminente blogueiro Cléber Tinoco - ele me pediu na 1ª Conferência que dispensasse a formalidade!

Não há como imaginar um movimento nos moldes do proposto pelo projeto da UENF coordenado pelo Prof. Hamilton numa perspectiva exclusiva de classe. Qualquer sectarismo no sentido da desqualificação do "outro" - aqui compreendido como segmentos diferentes, e com interesses diferentes, da sociedade civil - é incorrer em atitude semelhante à interpretação que Xacal dá à tibieza retórica do líder empresarial ao se referir à classe trabalhadora. Assim como devemos esperar dele perspectiva aberta ao diálogo conosco, devemos compreender que, apesar das diferenças, a articulação em pauta não se coaduna com a velha e boa "luta de classe", que deve se dar em outras arenas políticas. O que se pretende a partir da mobilização provocada pelo Prof. Hamilton é buscar o CONSENSO possível no que se refere a prática republicana na gestão dos recursos públicos.
A disputa entre projetos de política públicas, a disputa pela hegemonia, se dá em outros momentos e em outros espaços institucionais, sobretudo nas eleições!

Xacal disse...

quanta ingenuidade, ó Fábio...

a luta política pela hegemonia se dá em todos os espaços da sociedade, e principalmente, em uma instância que se pretende fazer controle social da agenda de políticas públicas e fiscalização de gastos de gestão...

é claro, que eu compreendo preocupação do Cleber, e concordo com ela: não cabe exclusivismos, e nossa ansiedade é por um movimento político sim, partidário nunca, que dê conta das demandas da sociedade civil perante o poder público...

mas essa ansiedade não pode fazer com que deixemos de vigiar a tentativa de determinados setores pela hegemonização do discurso e da práxis desses movimentos...

repito: é um movimento plural, mas quem detém o poder econômico deve entender que a sua lógica( a do controle dos gastos públicos para aumentar seus negócios...SEMPRE)deve estar submissa a agenda dos setores menos favorecidos da sociedade, que, como já disse: sofrem as maiores conseqüências dos desmandos do poder público, e contam com menos ferramentas de defesa(como a mídia, por exemplo)na sua relação com esse poder público...

não se trata de desqualificar o "outro" como disse nosso poliana Fábio...

trata-se de entender quem é o outro para situá-lo nessa luta...

o que não dá é para fazer controle social com quem se beneficia dele, como já disse...

ou vocês acreditam que as organizações Globo tem interesse em controle social que beneficie a maioria da população...?

ou que banqueiros desejem ampliar a participação democrática das comunidades sobre e gestão orçamentárias dos municípios...?

ou que usineiros que vivem de pires nas mãos(à cata de algum din-din público) queiram aumentar a capacidade de mobilização popular...?

repito: não se trata de desqualificar o outro...ao contrário, é: qualificar, ou seja, saber quem somos, para saber para onde, como e por que vamos...

não dá é para acreditar em lobo em pele de cordeiro...

prefiro negociar com lobo em pele de lobo, mesmo...!

Xacal disse...

editando: "não dá para fazer controle social com quem se beneficia do descontrole"

está escrito: "se beneficia dele"...

grato

Anônimo disse...

Caro Xacal,

Cuidado meu amigo, quando você for participar do forum sobre controle social, na ACIC, um dos seus diretores ou ex-diretores, recebia da prefeitura de Campos via Fundação José Pelúcio, sem trabalhar. Vide matéria do Jornal O DIA da época, em que estourou o escândalo dos terceirizados da PMCG. Não quero que este movimento já nasça maculado. Um Abraço.

Anônimo disse...

Seria "Bacalhau"?:

Anônimo disse...

Controle social com ACIC, Globo, Itaú, Santander? Realmente, já está tudo dominado...

Anônimo disse...

Amigo Xacal,

Entendo que o controle social é super importante, mas lhe darei um aviso, fazer controle social com meia dúzia de pessoas, que hoje estão no poder de uma tradicional e relevante Escola Federal de Campos, é uma tremenda ambigüidade. Tal instituição possui uma Fundação que precisa rapidamente de um controle social, embora eles aleguem que as suas contas são fiscalizadsa pelo MP.Nesta Fundação segundo fontes seguras a coisa anda periclitante. Controle Social neles!!!rs rs rs...Fui!!!

Anônimo disse...

Xacal,

ACIC E O GRUPINHO DO PT, COMANDADO POR MEIA DÚZIA DE PROFESSORES DO IFF(CEFET), INCLUSIVE A ESPOSA DE UM DESSES PROFESSORES(PURISTAS)FOI SECRETÁRIA DE SAÚDE DO GOVERNO MOCAIBER, FALAR EM CONTROLE SOCIAL NINGUÉM VAI ACREDITAR. NÃO ACHA?

OBS:TEM FUNDAÇÃO EM CAMPOS DE INSTITUIÇÃO DE ENSINO QUE A CHAPA VAI ESQUENTAR!!! AGUARDE POPULAÇÃO CAMPISTA.

Anônimo disse...

Xacal,

Você está com a memoria curta? Cadê o PROER do LULA? Com a crise financeira mundial o Banco do Brasil comprou o Banco Votorantin, que estava quebrado. Ou seja a BV financeira do senhor Antônio Ermírio de Moraes, maior capitalista do Brasil. Quando é para dividir o prejuízo o contriuinte é convidado, a hora de dividir os megalucros dos Bancos, distribui-se bolsa família. Rs rs rs... Não quero falar agora do escândalo da nossa caixa.

rufus disse...

Então, o que temos aqui???

Acho que eles não entenderam bem a provocação ácida - mas lúcida - do Xacal!

Assim temos aqui, em diversos comentários, a voz "louca" do GUETO!

O que será que os dignos comentaristas ANÔNIMOS propõem, ou melhor, FAZEM além de atira pedras sectárias a quem mobiliza?

Francamente...