terça-feira, 28 de julho de 2009

Otimismo pateta...

Já dissemos aqui que o chegada de altos investimentos, e a instalação de atividades econômicas em escala global requer seriedade e planejamento para além do otimismo oportunista...

Na descrição do cartomante do cidac, ranulfo rocinha, quando os projetos forem realidade, restará a Campos dos G., responder pelo suporte dos serviços ao enorme fluxo de gente que se estabelecerá na região...Tanto os residentes, quanto os moradores temporários...

Ora, ora, ora...Sem as receitas fiscais dos empreendimentos, que se concentrarão em São João da Barra, ficaremos, nas palavras do próprio pateta dos números, com a parte dos serviços:

A despeito da visão "poliana" do ranulfo, que projeta benefícios setorizados como se fossem generalizados, restam os serviços de saúde, educação, saneamento, sobrecarca no trânsito e transporte público, especulação imobiliária, sem mencionar o lado "escuro da força": aumento do tráfico de drogas, crimes patrimoniais, prostituição, enfraquecimento das barreiras sanitárias de prevenção a epidemias(com o enorme fluxo de estrangeiros), etc, etc...

Tudo isso vai ser enfrentado por um bando de parvos...

Por uma câmara de vereadores dócil, uma sociedade civil enfraquecida, uma imprensa de coleira, um espectro partidário anêmico, e enfim, por um poder público que tem a tradição de promiscuidade com o setor privado, para alavancar sua plataforma eleitoral...

Nosso futuro não é promissor...

2 comentários:

George Gomes Coutinho disse...

Caro Xacal,

Acho que vale a pena ler o texto de Slavoj Zizek na última "Cult" ao problematizarmos a qualidade dos investimentos de um capitalismo asiático (com Eike ou sem Eike) no nosso litoral e arredores. Tratam-se de investimentos desagregados de qualquer verniz "iluminista"... Algo que coloca o tamanho do buraco em que estamos nos metendo.

Como diria o próprio Zizek, o "salto adiante" maoista nos insere em uma modalidade de expressões capitalistas sistêmicas que se divorcia, sem qualquer rubor, de "constrangimentos democráticos". Não que isto não tivesse ocorrido em outros momentos históricos, como na América LAtina recente.. Mas, ainda assim o assalto ao Estado de direito se dava sob os auspícios de uma suposta defesa de liberdades democráticas vindouras. Elemento que não existe no debate e tampouco na implantação deste tipo de capitalismo asiático.

possivelmente neste sentido que o saudoso Giovanni Arrighi tenha escrito o seu fabuloso e sugestivo "Adam Smith em Pequim".

Abçs

George

Xinoca disse...

É muito difícil ter o que acrescentar nos textos postados por Xacal, pois são, na maioria das vezes irretocáveis pela sua visão crítica e inteligente das coisas. (eu nem sonho quem seja este cidadão.)
Portanto,só vou usar uma frase deste texto para expressar minha indignação quanto ao trabalho da EMUT nesta cidade..."Tudo isso vai ser enfrentado por um bando de parvos...".
Parvos expressa bem a equipe da EMUT e "lástimável" os efeitos perversos na politica de trânsito nesta cidade. Primeiro "amarelou" tudo, agora privatiza os espaços públicos para seus comparsas estacionarem sem problemas. Onde está a necessidade e/ou emergência da "reserva vagas" para a Campos Difusora, Mitra Diocesana,Jornal o Diário,entre outras empresas amigas da administração pública? Onde está a lei que assim os ampara de serem privelegiados em função dos outros?
Será que ainda temos Ministério Público nesta cidade?
Quando será que esta cidade vai ter uma equipe de administradores de verdade e com gente honrada?