segunda-feira, 27 de julho de 2009

TrOLha revival...

Essa republicação atende a uma preocupação constante desse blog, e que, infelizmente, não fica "velha" nunca...
Agora, pelo contrário, com a "invasão" do Dragão de Aço em nossa região, creio que o final do conto, que ainda não foi publicado, vai obedecer a mesma dramática lógica da realidade: o nosso fim é ficar sem futuro...A não ser que reescrevamos nossa História...


TERÇA-FEIRA, 27 DE MAIO DE 2008

O dia em que Campos dos G. acabou...!

O ano era 2048...
O vento de agosto, agora deslocado para o mês de novembro pelas alterações climáticas sufocava com seu hálito quente e arenoso...
A planície maltratada se transformara em uma paisagem desértica com pequenas dunas que se moviam ao sabor dos deslocamentos do ar...

O rio paraíba se transformara em pequenas poças infectas...lagunas ou pântanos de esgoto à céu aberto...
Se é que poderíamos chamar o cinzento e modorrento firmamento de céu...
A fumaça das usinas de carvão e das indústrias de transformação da indústria do petróleo carregaram o ar tal qual a esquecida Cubatão do século XX...

Após anos e anos de lutas, idas e vindas e disputas sangrentas pelo poder, Campos dos G. foi elevada a categoria de território federal...
Com suas reservas de petróleo, e com o advento da escassez desse produto o governo e os parlamentares federalizaram o município e transferiram para cá boa parte do arsenal de marinha, exército e aeronáutica...

No porto do Açu, estatatizado após um calote dado pelo seu "empreendedor" nos credores e nos fundos municipais, que quebraram, estava boa parte do esforço de guerra brasileiro...
A outra parte ficava na nova fronteira Amazônia...O restante da área, a maior parte, agora era dividida em protetorados semi-internacionais...

Os campistas que tinham sido toupeiras no sentido figurado (nas trevas e quase cegos) agora viviam como esses roedores numa rede subterrânea de dutos e abrigos...
O ar da cidade era tão ruim que os poucos habitantes que restaram não suportavam respirar na superfície por um tempo superior a jornada de trabalho...

Parte do esforço produtivo era destinado a gerar oxigênio para as galerias...
Quando no início do século XXI alguns setores clamavam por uma gestão eficiente dos recursos naturais foram desterrados...Escaparam da morte, mas foram obrigados a deixar a cidade...junto com todos seus descendentes...

A Quarta, Quinta e Sexta Esquadra da Liga Internacional espreitavam a costa do território campista, e não eram incomuns os assaltos piratas aos navios petroleiros...ora afundavam, ora os roubavam...com esse embate, o litoral se transformou em uma faixa de óleo e sangue...!

Continua no próximo capítulo....

QUINTA-FEIRA, 29 DE MAIO DE 2008

O dia em que Campos dos G. acabou...! (continuação)

Como é natural na escala evolutiva, os habitantes dos subterrâneos da planície desenvolveram mutações genéticas para melhor adaptação a severidade do ambiente...
No entanto, alguns dos exemplares daquela nova espécie também adotaram uma ética própria...
Uma espécie de vale-tudo não só pela sobrevivência, mas também na luta pelo controle político do território...

O governo da união e os parlamentares, que transformaram esse pedaço de inferno em território federal, formaram um conselho que indicava o líder, sem eleições ou qualquer outra forma de pleito...Esse conselho era integrado pelos órgãos de mídia, que nessa nova era passou a controlar através de câmeras e pesquisas de opinião a vontade e o comportamento dos moradores das galerias...
A internet e qualquer forma de comunicação não-autorizada era considerada crime...!

As eleições se reduziram a consultas e observação dos padrões de conduta, que para fechar esse círculo eram largamente ditados pelos conselheiros...
Como não havia lugar suficiente, enm recursos disponíveis a todos, os crimes, dissidências políticas, e toda espécie de transgressão era punida com desterro...ou a morte (de acordo não com a grevidade, mas sim do arbítrio do conselho e das pesquisas)...!

Nesse ordenamento jurídico não havia aparato policial...
Todos tinham armas e a tarefa de policiar era de todos...suas atitudes para serem cumpridas deveriam ser submetidas ao conselho, caso contrário, quem aplicasse uma sanção ou prisão sem a aprovação do conselho seria desterrrado no lugar do injustiçado...!

Com o tempo o conselho editorial e de controle social (cecos) passaram a enfrentar um novo problema...!
Os toupeiras da planície passaram a se reproduzir em larga escla, e logo se esgotariam os meios de susbistência...
As empresas que operavam na superfície alegavam que não poderiam aumentar os recursos que destinavam aos toupeiras, bem como o governo federal e o resto do país não destinaria nenhuma ajuda...

Os "cecos" adotaram uma medida drástica...como não detinham poder, nem vontade política de forçar as empresas a distribuir a riqueza gerada (boatos diziam que os cecos eram subornados pelas empresas), os conselheiros marcaram a partir daquela data com um número...através de um sorteio, parte dos nascidos eram desterrados aos 05 anos, outros aos 10, e assim por diante até os 60 anos...
Argumentavam que era uma forma de manter a sociedade heterogênea, com várias faixas etárias...e ao mesmo tempo controlar o excesso demográfico...
O limite era 60 anos porque a expectativa de vida se reduziu para essa média de idade...os que conseguissem (e eram pouquíssimos) atingir mais de 60 ganhavam com prêmio a permanência...!


Infelizmente, continua...

Nenhum comentário: