domingo, 9 de agosto de 2009

Feliz Dias dos Pais...

Não vou ceder aos apelos piegas, do tipo: pai-herói, pai-amigo, pai-isso, pai-aquilo, enfim, pai-clichê... Mas depois de tantos anos, confesso: ainda me dá um frio na espinha quando ouço: "Pai"...

Não há dúvidas, nas mulheres, a maternidade já vem como item de "fábrica"...Mas penso eu que, em nós, pais, essa condição, a da paternidade, é uma conquista diária, uma constante repactuação...É justamente essa fragilidade "institucional da paternidade", talvez, que a faça tão forte...A paternidade nem de longe se equipara ao milagre de carregar alguém nas entranhas, como as mães...

A expressão: amor de mãe é quase uma sentença, uma obrigação...Por outro lado, não temos algo tão determinista, e atamos nossos laços de afetividade com os filhos e com nossos pais pela cumplicidade, caso contrário, lá estamos, pais relegados ao segundo plano, e pronto...!

A experiência de pai que vivo é algo que pode ser definida assim: A mãe protege a cria, e eu, protejo as duas...

E saibam: se a tarefa de ser pai se renova todos os dias, nunca é tarde para recomeçar...

Não há fórmula, e só se aprende sendo pai...

3 comentários:

Renato disse...

Boa Xacal,
saiba que uma das lembranças mais antigas que tenho "dos velhos tempos" é você chegando com um carrinho de bebê a uma daquelas intermináveis reuniões,conciliando bravamente as tarefas domésticas com a militância.Pra mim foi a principal lição daquele dia pois nem me lembro o que discutimos e nem pra que era a reunião(acho que era da 1ªconf. da saúde)mas o exemplo ficou.
Um abraço,Renato Gonçalves.

Rose David disse...

Parabéns pelo Dia dos Pais.

Gayrotinho disse...

Obrigado!!!