terça-feira, 25 de agosto de 2009

Imobiliária Governo do Estado S/A...

Para além do debate sobre o progresso, os modelos de expansão da atividade produtiva, e suas conseqüências, nessa questão do Porto do Açu, com o deslocamento de proprietários rurais, existe uma questão que passa despercebida, ou pelo menos, não tem merecido a atenção devida...

Trata-se da interferência(indevida)do Governo do Estado, com recursos públicos, para viabilizar um negócio privado...Ora, antes de discutirmos o decreto estadual que torna aquela área passível de desapropriação, é preciso prestar atenção na aberração que lhe dá causa: O Governo do Estado vai pagar e doar uma área para um dos maiores empresários do país...Com o seu, o meu, o nosso dinheiro...Essa é a premissa que tem sido abandonada...

Recentemente, o Governo do Estado esteve envolvido em outra situação grave, envolvendo desapropriação...Na revista Carta Capital, há duas ou três semanas atrás, uma matéria dava conta de que o Governo Cabral "desapropriou" áreas que serviram aos interesses escusos do banqueiro Daniel Dantas...Em uma delas, o governo desapropriou uma área(no Recreio dos Bandeirantes) e depois cedeu a área para uma concessionária de serviços estaduais(o Metrô), o que já seria um escândalo, e é vedado por Lei...Mas o escândalo foi aumentado pelo fato de que o Daniel Dantas é um dos acionistas da holding que controla o Metrô..

Que Daniel Dantas e Eike Batista têm ligações históricas(e nebulosas)todos também já sabem...Que sobre Daniel Dantas e Eike páiram suspeitas sobre seus negócios, inclusive sob investigações e ações judiciais, também não é fato novo...O que nos permite supor, sem leviandade, que todo e qualquer negócio onde estejam envolvidos devessem estar sob a lupa das autoridades e de governos...A Justiça, e outros órgãos devem ficar atentos para essas "desapropriações" no Açu...

Se ainda assim, tudo estiver dentro da legalidade, cabe uma ressalva moral, ética, que desafie a legitimidade desse "negócio": Como justificar o uso de uma montanha de dinheiro público para beneficiar um projeto privado, com o sofrimento de tantos pequenos proprietários, enquanto o Governo Estadual diz que não há recursos para cumprir suas obrigações básicas com a população e seus servidores... ???

O que aconteceu é simples: como o Eike Batista foi impedido de utilizar uma área considerada Área de Proteção Ambiental, ganhou o "favor" ao Governador para declarar outra área de seu interesse, como se fosse de interesse público...Mais uma vez a boa e velha mistura de interesses(grandes)privados e os interesses públicos...Evitou assim, o Governador, que o seu "apadrinhado" Eike tivesse o dissabor e a demora de negociar com cada pequeno proprietário...E que sofresse as intempéries das implacáveis leis de mercado: quem quer muito comprar, fica refém de quem não precisa vender...Assim, o Governador agiu como um "revogador" das leis de mercado, em nome sabe-se lá do quê, e protegeu os interesses do barão de SJB...Transformou a lei da oferta e da procura em um decreto de "utlidade pública"...Não é difícil explicar tanto sucesso do Eike em tão pouco tempo como empresário...

Com ou sem audiência, com ou sem estudos de impacto sócio-ambiental, esse novo "empreendimento", com dinheiro público, é um escárnio...Um exemplo clássico de utilização do Estado em nome da elite econômica, e para proveito e ganho político-eleitoral de aliados locais...

Resta a Justiça fazer justiça...

5 comentários:

Ava disse...

Xacal,


A isso, assistimos todos dias, boquiabertos...

Ai de nós, pobres mortais, que trabalhamos de sol-a-sol...


Vale até um trocadilho...rs

Decididamente, o trabalhao não enriquece o homem...

Beijos!

Claudio Kezen disse...

Pura verdade. É o velho compadrio em ação...

Anônimo disse...

Como se faz um bilionário?
É dessa maneira mesmo!!!

Anônimo disse...

É POR ISSO QUE QUER LEVAR 6 ANOS PARA DAR R$400,00 DE AUMENTO AOS PROFESSORES,DE UM DINHEIRO QUE ELES JÁ RECEBEM.
SÓ TENHO RECEIO QUE COM ESSAS ABERRAÇÕES DE CABRAL(TIPO AS DE MOCAIBER)E ACABAR IGUAL ACONTECEU EM CAMPOS.

Anônimo disse...

Vamos aguardar as próximas eleições, para ver quem serão os financiadores "voluntários" destas campanhas...
Abraço
Paulo Sérgio