domingo, 16 de agosto de 2009

Sinais de fumaça...

Que o presidente Lula é um estrategista político como poucos, não é novidade...Goste-se ou não dele, construir uma candidatura vitoriosa a presidência, depois de três derrotas não é um feito depsrezível...

Chegar ao fim de mandato, como todo o assédio conservador da mídia e da oposição, do alto de uma popularidade histórica e inédita é outro feito inigualável...

Mas ao contrário do que querem seus algozes, a construção das candidaturas para sucedê-lo será talvez seu maior feito...

A pulverização de candidaturas(Ciro, Marina, Heloísa Helena, além da Dilma, é claro), evita a "plebiscitização" do pleito, e garante, nos seus cálculos, a candidata do governo no segundo turno, e o que é melhor: ninguém imagina Ciro, Marina ou Heloísa Helena apoiando um candidato do PSDB, que assim, ficaria isolado...

Como sabemos, ainda é cedo, e a prudência e a paciência são os melhores conselheiros para análises conjunturais...

Mas os contornos do jogo parecem se desenhar, e a posição do presidente Lula é privilegiada...

6 comentários:

Anônimo disse...

Nobre Xacal, bom dia!
Não concordo que a mídia e a oposição tenham feito qualquer estrago ao mandato do Lula: A mídia é sempre governo, por causa das verbas, só não podem tapar o sol com peneira.
A oposição, como o presidente diz: È governo a 500 anos, não tem nem um tino de oposição (não tem discurso).
Agora, se olharmos os desatinos de muitos companheiros históricos, estes sim, foram a pedra no sapato, deixando o Lula quase nu e ferindo de morte o discurso de ética do PT, nivelando o mesmo, aos pilantras do PSDB.
Se não fosse isto, O CARA , teria 100% de aprovação.Nem por isto deixa de ser um FENÔMENO.
Abraço,
David.

Claudio Kezen disse...

Caro Xacal:

Entendo sua posição anti PSDB, já que eu também não nutro simpatias por esta legenda.

Porém nunca é demais lembrar que Lulalá, o Zé, FH, Serra e tantos outros são velhos amigos e lutaram de mãos dadas pela redemocratização do país.

A Dilma, que não é um quadro histórico do PT, ao contrario da Marina, por outro lado está seguramente impregnada do autoritarismo dogmático que marcava a militância armada nos anos da ditadura, porém, isto é outra conversa, e eu acho difícil que aquele marqueteiro contratado pelo Zé a preço até hoje não explicado apague este traço dela durante a campanha.

Não tenha tanta certeza que um candidato rotulado "de esquerda" se furte de apoiar o Serra entusiasticamente desde que acumule capital político (poder) com esta manobra.

Afinal os métodos políticos dos caciques de ambos os partidos não se diferenciam muito.

Se o próprio Lulalá por contingências do "jogo" acobertou o mensalão, as estripulias do Zé, e se aproximou de Jader Barbalho, Severino Cavalcanti, Roberto Jefferson, Renan Calheiros, José Sarney e deLLe, só para ficar em alguns nomes, porque a Marina, o Ciro que já mostrou que é maluquinho, ou a HH estariam manchando sua biografia ao se aliarem politicamente ao Serra?

Afinal, como diz o ditado, em casa de pobre quando falta pão, todo mundo briga e ninguém tem razão.

No Brasil, parece que o jogo político republicano é esquisofrênico e errático demais, não havendo mais nada que possa nos deixar perplexos e não é só a mídia conservadora que adota uma visão crítica em relação ao Lulalá. Basta ler com boa vontade canais de informação independentes como a Carta Capital, o Observatório da Imprensa, etc... do contrário, fica fácil ver apenas o que nossos olhos querem.

O tempo e o exercício do poder nos mostraram que farinha que dá em saco se mistura com caruncho.

Essa do demonização do PSDB me parece bandeira mofada e com cheiro de naftalina que o Lulalá e o comando do PT enfiaram goela abaixo da militância, já que as bandeiras históricas do partido da estrela vermelha estão sendo usadas para lavar e desinfetar as cagadas dos seus líderes maiores.

Um abraço,
Claudio Kezen.

Xacal disse...

Caro Cláudio,

Concordo com sua proposição...a demonização do adersário só se presta a estripulias verborrágicas...

No entanto, o debate mais acurado sobre os rumos do psdb e do pt, revelarão que, para além das "semelhanças" que as seções paulistas dos dois partidos tenham, e que de certa forma aprisionou boa parte do debate e da cena política nacional, até agora, não deixarão dúvidas sobre projeto estratégico de poder das duas legendas...

Negar a reorientação que o governo lula deu na organização do Estado e de seu papel na economia, a mudançpa do eixo de comércio exterior e das alianças geopolíticas, e o papel relevante desempenhado como líder regional(latinoamericano), ao contrário do que foi posto em prática pela octaéride fernandista é empobrecer a discussão...

Aliás, esse é um sério problema que nos ressentimos no Brasil...As teses da DIREITA não encontram defensores, a não ser que reveistidas por outros rótulos...

Ou seja: seria imensamente saudáavel para nossa democracia que os aliados do grande capital, pos privatistas e defensores do Estado mínimo incorporassem a palavra: conservadores em suas proposições teóricas...

Quanto as atitudes pragmáticas de governo, para manter alianças, repito: governar com quem então...? fechar o Congresso...?

Anônimo disse...

Não dúvidas de que os métodos de conquista e manutenção do poder, carregados de corrupção e troca de interesses, são semelhantes entre PT e PSDB, no entanto, como bem citou Xacal, os dois partidos se diferem, e muito, quando o assunto é a organização do Estado e o seu papel na (e para) sociedade.
Outro fato importante a frisar, é que a mídia conservadora, conhecida também como PIG, faz sua crítica ao governo com interesses golpistas.Assim, ao alimentar uma possível "identidade" entre o PT e o PSDB, principalmente nos casos relacionados à corrupção, busca afastar da sociedade o verdadeiro debate, como por exemplo o papel do Estado na sociedade. Já as mídias independentes, como a citada "Carta Capital" e a excelente "Caros Amigos", fazem sua crítica quando entendem que o governo PT em determinado caso concreto mostrou-se diferente de sua filosofia ideológica, justamente aquela que a difere do PSDB, e que nestes casos acabam tornando-se parecidos.
Os oito anos de política entreguista privatista do PSDB é completamente diferente do governo Lula.
Abraço
Paulo Sérgio.

Claudio Kezen disse...

"Negar a reorientação que o governo lula deu na organização do Estado e de seu papel na economia, a mudançpa do eixo de comércio exterior e das alianças geopolíticas, e o papel relevante desempenhado como líder regional(latinoamericano), ao contrário do que foi posto em prática pela octaéride fernandista é empobrecer a discussão..."

Concordo com esta tese. Acho até que que em relação à AL a ação do Governo deveria ser mais efetiva, já que intereses nacionais importantes estão em jogo.

"Aliás, esse é um sério problema que nos ressentimos no Brasil...As teses da DIREITA não encontram defensores, a não ser que reveistidas por outros rótulos...

Ou seja: seria imensamente saudáavel para nossa democracia que os aliados do grande capital, pos privatistas e defensores do Estado mínimo incorporassem a palavra: conservadores em suas proposições teóricas..."

Os "gerentes" do grande capital não tem discurso, mas sim ações, e na maioria das vezes de rapinagem e cooptação via não há o que se esperar daí. Seus "soldados" na seara política são velhos conhecidos.

Pensadores conservadores como o Gustavo Corção já não teriam um papel à cumprir, já que os arautos da globalização neo-conservadora já ocupam a cena com sua defesa de um estado totalmente desregulamentado, o que sabemos, só serve aos interesses deles mesmos.

"Quanto as atitudes pragmáticas de governo, para manter alianças, repito: governar com quem então...? fechar o Congresso...?"

Atitude pragmática não pode ser confundida com a perpetuação de práticas condenadas desde a fundação do PT sob pena de descaracterização do partido. Seria preferível um confronto no congresso com os conservadores, mobilizando a opinião pública, denunciando os responsáveis pela paralização das propostas governamentais à simplesmente se diminuir às mesmas práticas clientelistas e fisiológicas de sempre e nada mudar do mesmo jeito.

Este é meu humilde ponto de vista.

abraço.

Thiago Viana disse...

A democracia brasileira se divide em antes e depois de Lula. FHC deve morder a língua de raiva todo dia, bem como a mídia golpista brasileira!!!

Dilma, Ciro ou Marina 2010