quarta-feira, 30 de setembro de 2009

índice da trOLhA, hoje...

Leia aí, e escolha o texto que mais te interessa...

Populismo jurídico e necrofilia política...

Em momentos de tragédia, quer elas aconteçam com amigos, aliados ou adversários, é necessário muita prudência, a fim de evitar, que em nome de sentimentos de estima ou censura, contaminemos os fatos...

O espetáculo produzido, ontem, no púlpito da câmara de vereadores, foi de um péssimo gosto, e pior, gerando uma desinformação que foi repercutida por aqueles que têm, pelo menos, de acordo com suas alegações, a obrigação de informar e não deformar a opinião pública...

A morte do vereador Renato Barbosa trouxe à tona o que há de "pior na alma humana"(para aqueles que crêem nela)...

Primeiro, o croqui de acidente de trânsito, emitido pela PRF, com todo o respeito àquela valorosa instituição, não é laudo técnico...Esse fica à cargo do Instituto de Criminalística Carlo Éboli, ICCE, da Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro...

Depois, ainda que verdadeira a "dinâmica" descrita nesse croqui, sabem todos que elas não elucidam TODO o evento, donde podemos concluir que só as investigações, consagradas em TODO o inquérito policial instaurado, com as conclusões do Delegado de Polícia responsável, nesse caso Dr Ivailson Moreira Sardinha, da 130ª DP, de Quissamã, é a instância correta para definir "culpas" ou responsabilidades criminais, aí descritas no binômio: autoria e materialidade...

Há a oitiva de testemunhas, se as houver, e outros indícios a serem considerados, antes que se transforme Renato Barbosa em mártir da BR 101, e o outro motorista envolvido em seu algoz, e que, em sua defesa, teria "mentido"...Ainda que isso seja verdade, ou seja, ele tenha "mentido", lembremo-nos que no Estado de Direito, essa é uma garantia: mentir em sua própria defesa...

Discursos inflamados servem ao marronzismo jornalístico, ao populismo jurídico, e infelizmente, a necrofilia política...Os que querem homenagear o vereador devem fazê-lo com a busca da verdade, e não, com proseilitismo...

Chegou ao nosso conhecimento que uma testemunha, justamente o condutor do automóvel que Renato teria tentado ultrapassar, antes de colidir com o caminhão no outro acostamento(do lado contrário a mão que rolava seu automóvel), afirma que o caminhoneiro não invadira a pista...Contrariando conclusões precipitadas, retiradas da "análise" dos objetos envolvidos no incidente ali dispostos já de forma estática(sem movimento)...

Mas é preciso cuidado, cautela, e evitar pré-julgamentos...SEMPRE...

Não sou eu que devo "zelar" pela memória do vereador, mas, em respeito a dignidade humana peço: deixem-no em paz, e que a verdade apareça, e os culpados, se houver algum vivo, pague na medida de sua culpabilidade...Ou será que o vereador desejaria injustiça feita em seu nome...?

Esperemos as conclusões das autoridades...É o que "merece" a memória do vereador...Pelo menos eu acho...

A voz do autoritarismo...

A OAB é uma instituição ímpar no cenário brasileiro...Pela própria natureza dos seus associados, os advogados, operadores indispensáveis ao bom andamento do Justiça, e em suma, da manutenção dos pilares da Democracia, erigidos sob o Estado de Direito, a OAB tem um peso grande em nossa sociedade...

Por esse motivo, não é leviano supor que a OAB é, antes de mais nada, um ente político dessa sociedade, política aqui entendida lato sensu...

Assim, durante os anos de chumbo, foi a OAB, junto com outras entidades, como a ABI, ponta-de-lança na luta pelas liberdades democráticas, contra toda a sorte de autoritarismo...

No entanto, a OAB, como um ente político, não ficou imune às mudanças de nossa sociedade, mudanças políticas, é claro...Superado o período do arbítrio e da exceção, caberia a OAB, assim como outras entidades, conviverem com a Democracia, e incorporar outras bandeiras, não menos importantes, mas é claro, menos generalizantes e "generosas" com a luta contra os gorilas de farda...

Explico: lutar a favor da Democracia é uma coisa...Agora conquistada a Democracia, restou a OAB, e outros entes e instituições definirem seu papel na luta pelo tipo de Democracia que queríamos, e queremos...Uma Democracia liberal, patrimonialista, juridicista, enfim, formalista, ou uma Democracia popular, onde o Estado esteja a serviço do interesse da coletividade, e não apenas de privilégios e grupos de elite...?

A OAB parece, que fiel, a sua natureza de classe, classe média, frustrada por não ser rica, e amedrontada de ter que dividir seus parcos privilégios com os pobres que ascendem, fez suas escolhas...

Veja a fala anti-democrática, autoritária e conservadora(no pior sentido)do presidente nacional da instituição, que não por coincidência, tem se alinhado ao que há de pior no espectro sócio-político nacional, ultimamente, funcionando como "cruzados-jurídicos-fundamentalistas"...Ele se refere a PEC dos vereadores...

"(...)“Estaríamos dando carta branca ao Congresso Nacional para aumentar o número de deputados, senadores, aumentar o tempo dos mandatos ao sabor da conveniência de plantão", disse Cezar Britto.(...)"

Se não é ao Congresso, mandatário do povo que cabe decidir a conveniência das alterações do estamento político, incluída aí a Carta Constitucional, e enfim, julgados e corroborados ou não, por seus outorgadores(os eleitores)a cada eleição, a quem caberia essas alterações: aos "iluminados" jurisconsultos...? aos militares...? ao STF...? a mídia...?

É por esse, e outros motivos, que esse blog tem acompanhado com tamanha atenção o desenrolar da sucessão da OAB local...É desses senhores (impolutos, incorruptíveis e apolíticos)que saem uma parte dos magistrados de nossas cortes superiores, laureados pelo "notório saber"...Mas perguntamos: a serviço de quem está esse "notório saber"...? Pelo jeito, não serve a Democracia...


Fonte: blog do cláudio andrade...

TrolHa MuraL...

Leiam aí o recado da chapa da situação, nas eleições da OAB...

Caros amigos e amigas, o movimento “Ordem de Verdade”, composto por Filipe Estefan e Carlos Alexandre de Azevedo Campos, que concorrem à reeleição, respectivamente, aos cargos de Presidente e Vice-Presidente de nossa 12ª Subseção da OAB/RJ, pede a gentileza de, se possível, e em nome da verdade e da transparência, publicar a matéria abaixo

ELEIÇÕES OAB: A FARSA DA OPOSIÇÃO

O candidato da oposição vem insistentemente afirmando que tem o apoio do Presidente da OAB – RJ Wadih Damous, e agora, por fim, chegou ao ponto de afirmar que Wadih lhe enviou material de propaganda conjunta – Wadih e o candidato da oposição – para a nossa eleição local. Este material conjunto está circulando em alguns carros dos membros da oposição.

Diante destes fatos, a Ordem de Verdade reitera que tudo não passa de uma grande farsa do candidato da oposição que, como se não bastasse publicar em seu blog fotos e mensagens de advogados sem a autorização dos mesmos, agora chega ao extremo de simular material de propaganda eleitoral conjunta com o Presidente Wadih para tentar confundir a opinião de todos.

O Presidente Wadih declarou categoricamente que não fez e nem sequer autorizou que se fizesse qualquer material de propaganda conjunta com o candidato da oposição, e que se este material existir será porque foi montado unilateralmente pelo candidato da oposição.

Acreditamos na palavra do Presidente Wadih, até mesmo porque se trata de homem honrado e que não se prestaria a tal papel. Por isso damos o assunto por encerrado, até mesmo porque o uso indevido e não autorizado do nome e da imagem de terceiros é um problema do candidato da oposição, e não nosso.

Para nós, em definitivo, a única verdade que nos interessa é a que consta da declaração do Presidente Wadih abaixo transcrita:

“Filipe e Carlos Alexandre são parceiros imprescindíveis aos nossos projetos de consolidação das conquistas do meu 1º (primeiro) mandato e para os nossos objetivos de fortalecimento da advocacia, por isso peço aos Advogados de Campos e região que votem em Filipe Estefan e Carlos Alexandre em 16 de Novembro deste ano.”

WADIH DAMOUS – OAB/RJ 768-B

ORDEM DE VERDADE

Filipe Franco Estefan – Presidente

Carlos Alexandre de Azevedo Campos – Vice-Presidente

Saiba mais, visite nosso site:

www.ordemdeverdade.com.br

Os neoudenistas do PT..

Já traçamos aqui, no post O neoudenismo no Brasil: suas faces e seus propósitos, um panorama superficial da trajetória do udenismo e do neoudenismo no Brasil...Como neoudenistas, classificamos aqueles que fazem da bandeira da ética e da moralidade na política um fim em si mesmas, como se essas premissas bastassem para inaugurar um período de virtudes e boa governança...

Essa visão tacanha, esquece, propositalmente, na maioria dos casos, que o exercício da política é uma arena de combate e convergência de interesses de grupos, e por conseguinte, nenhuma causa moralista seria "neutra", ou seja, na política nos interessa menos a moralidade em si, mas a serviço de quem está essa "moralidade"...

Uma "privatização" honesta dos serviços públicos, como é o caso de nossa merenda, e dos serviços de limpeza...? Não cremos nisso, até porque a natureza do ato é imoral...Transferir dinheiro público, sob o argumento de que a iniciativa privada faria um trabalho melhor que o setor público, e que não colocaria seus interesses imediatos, o lucro, à frente do bem estar dos "clientes", ou seja, os alunos da rede pública municipal...A "imoralidade" é de conteúdo, não só de forma, pois....

Antes que os mais afoitos se levantem, aqui um recado: Esse não é "um tratado" de cinismo, ou de canalhização da ação política-administrativa, ao contrário: tratemos os "desvios de conduta", as ilegalidades como tais, com rigor, na medida da culpabilidade de cada um, e no espaço correto....Lembremos: mídia não é tribunal...
A espetacularização do neoudenismo banaliza o combate a corrupção, e afasta a consciência coletiva dos verdadeiros motivos que deturpam os processos políticos-administrativos...

Dito isso, passemos ao cerne de nosso tema...O neoudenismo no PT, e quem sabe, em seus dissidentes...

O PT se firmou no imaginário popular como um partido afeito ao combate a corrupção na política, um inquisidor incansável e intransigente da administração e na defesa dos "princípios republicanos"...
Boa parte do capital político que acumulou junto a classe média urbana, nas décadas de 80 e 90, do século passado, originou-se dessa agenda...A "ética na Política"...
Antes de analisarmos os neoudenistas do PT, é preciso um pequeno comentário sobre as origens do PT, que de certa forma, explicarão suas contradições ideológicas...

O PT é uma fusão, sui generis, de ex-militantes de esquerda, perseguidos no regime militar, intelectuais universitários, a vanguarda do sindicalismo operário, localizado no ABC paulista, e por fim, mas não menos importante, a marxismo-cristão, das CEBs, comunidades eclesiais de base...

Esse espectro tão amplo e multifacetado culminou em um "caldo de cultura política" que constituiu o PT como fenômeno único da esquerda mundial...Essa diversidade, aliada a um processo institucional interno rígido, foram responsáveis pelo avanço do PT, a despeito de todos os ataques dos conservadores do país...

Mas, ideologicamente falando, essa mistura, inicialmente favorável ao Partido, à medida que esse galgava relevância, e assumia com seus quadros, os postos da administração pública, e conseguia os mandatos de representação parlamentar, mostrou um cisma de origem que atou o PT, durante anos, e que só recentemente, o partido começa a mostrar capacidade de superar...

O vanguardismo de esquerda, com todas as suas atrofias intelectuais, já denunciadas aqui, por nós, e pelo Roberto Torres, (que hoje faz seu doutorado na Alemanha, saído dos quadros da UENF), unido ao "marxsimo-cristão", moldaram uma espécie de "esquizofrenia-militante", que se auto-flagelava toda vez que enfrentava um dilema, aparentemente insolúvel: como governar, fazer as alinaças e conviver com todos os outros "impuros" da política, sem se contaminar...

Ora, ora, ora, logo isso se mostrou impossível, e desnudou uma verdade, tão cara aos neoudenistas do PT, e porque não dizer, ao próprio resto do partido, que receava perder as bandeiras históricas que lhes davam conforto, e um "feudo seguro" na política, mas que, simultaneamente, se revelam insuficientes para a conquista e a manuentenção do poder, aqui bem distinto da noção de governo...Ainda mais se consideramos as peculiaridades históricas do processo político brasileiro em seus 500 anos...

No colo da classe média brasileira, empobrecida pelos anos de crises econômicas, e ressentida dessa pauperização, órfã do udenismo da década de 50 e 60, o PT ficava confortável, e foi ali que mais cresceu: no cenário urbano e metropolitano brasileiro, alheio a população pobre, o lumpen-cidadão, que, na visão vitimizadora do vanguardismo sindicalista e do cristianismo militante, precisavam ser "salvos" das garras paternalistas, e funcionavam, assim, como um entrave hediondo a modernização política do país, pois trocavam voto por comida em pleno século XX...

Essa plataforma política demonstrou alcançar um teto intransponível, que pode ser melhor visualizado com as três sucessivas derrotas de Lula, embora seu nome fosse, de forma inconteste, muito maior que o partido, e que seus concorrentes, como restou provado agora...

Antes hegemônicos, os neoudenistas do PT começaram a perder espaço...Isso não quer dizer que o combate a práticas nefastas da administração pública fosse abandonado pelo PT...Mas houve um deslocamento, e essa plataforma deixou de ser a "única"...Não havia mais "iluminados", e o PT, sim era diferente, mas igual a todos os outros partidos...Igual, porque faz política, disputa poder, comete erros, e acerta...Diferente pela suas características, sua constituição, e principalmente, seus objetivos de contrução de uma sociedade mais justa...Custe o que custar...Dentro dos limites institucionais e democráticos, que fique claro...

Esse salto de "qualidade", enxergado pelo "mídia conservadora"(pelos motivos óbvios), e por boa parte "dos puros" do PT como "traição" de suas "bandeiras históricas", na verdade, foi a "libertação" de "amarras históricas"...Um fim ao cinismo, a hipocrisia, e finalmente, a possibilidade de enfrentar politicamente um debate que é, antes de mais nada, político, e não moral, ou de caráter individualista, na acepção cristã do termo...

Com esse processo, vários quadros do PT sindicalista-cristão se isolaram, outros saíram, e formaram outras legendas com verniz neoudenista-radical, outros cederam, paradoxalmente, àquilo que diziam combater: as práticas "heterodoxas" da administração pública, ou seja, se locupletaram...
Mas, felizmente, ao mesmo tempo, novos quadros surgiram, com a visão e o realinhamento do PT, que provocou uma aproximação das práticas partidárias a agenda daqueles que realmente precisam do Estado: os mais pobres...Muito desse fenômeno está restrito a figura do presidente, é claro...Mas algum legado ficará ao partido para fomentar esse debate...Esse processo é irreversível....Diga-se de passagem: para o bem e para o mal...Pois esse novo estamento político "metapetista" pode ser "desmobilizador", se mal compreendido...

Em Campos dos G., urge que esse debate avance...A impossibilidade, demonstrada, até agora dos seus quadros mais representativos de construírem um consenso possível, frente a necessidade que a população da região apresenta, de governos comprometidos com causas distintas das que prevaleceram até agora, é reflexo desse cisma que descrevemos até agora...com as especificidades locais, é claro, como o fato de existirem no "ninho do populismo/conservador garotinista, associado a um PIB maior que muitos países, por exemplo, e por derradeiro, mergulhados em uma "herança política" conservadora/patrimonialista/escravocrata decadente...

De um lado, os "republicanos do PT", agarrrados a visão neoudenista, utilizada aqui com um pouco mais de cinismo, na medida que experimentaram alianças de mesam duvidosa qualidade quando necessitaram delas, e de outro, um pragmatismo exacerbado, na medida que não utilizam esse pragmatismo para nada além do que a reprodução dos esquemas que lhes dão hegemonia institucional-partidária, e externamente, não avançam na fala para a sociedade de que são capazes de desatar os nós com o passado recente...

Uma imobilização perigosa, da qual toda a sociedade se ressente, uma vez que jacobinos e girondinos, cada qual a seu modo, não enxergam o tamanho da tarefa histórica que pesa sobre os seus ombros...

Continuemos o debate...

terça-feira, 29 de setembro de 2009

Por hoje, chega...!!!

Bom, amanhã falaremos dos neoudenistas do PT, e outros que habitam outras siglas, como ficou "proposto" pelo comentário do Roberto Torres...

TrolHa MuraL...


Quem canta, seus males espanta...O Orfeão Santa Cecília cumpre relevante papel não só na preservação do nosso patrimônio cultural musical, mas na manutenção da tradição(entrega/transferência)desse legado às novas gerações...Leia aí o recado...

ORFEÃO RESGATA MÚSICA POPULAR CAMPISTA

O Orfeão de Santa Cecília, dando prosseguimento a seu Projeto Resgate da memória sonora de Campos, oferece ao público campista um recital com peças de antigos compositores populares de Campos, como os saudosos Juca Chagas, Miguel Miranda, Álvaro Reis (Loquinha) e Anoelí Maciel. Marcado para o próximo dia 03 de outubro (sábado), às 20 horas, no Salão Nobre da Santa Casa de Misericórdia, o espetáculo reúne seletos instrumentistas da cidade, especialmente reunidos na “Orquestra Popular Campista”, sob a batuta e ao som do piano do Maestro Luiz Reis. Atuarão como cantores convidados o veterano Ronaldo Lopes e as estrelas da nova geração de nossa música popular Maria Fernanda Crispim e Alba Valéria. Com entrada franca e apoio da Casa de Cultura Villa Maria/UENF, a noite promete várias surpresas musicais.

Uiii...que "mêda"....!!!

O xacal acaba de receber um telefonema...Do outro lado, uma voz chorosa:

-pai, me ajuda pai, eu tô aqui na mão desses caras, uns monstros...aqui na 21 de abril...

Tentativa de extorsão por telefone...Golpe clássico, para os desavisados e desesperados...

Simples...Respire, deixe o interlocutor falar, perceba o barulho ao fundo, como se fosse uma sala de telemarketing...Não é...É o barulho ambiente de uma cela de presídio...

Para aumentar a diversão, entrei no jogo...Fingi pânico, e conversei com "minha filha"...Troquei o nome, é óbvio...

Pronto, mandei (o)a f.d.p para aquele lugar, e pronto...Resolvido...

Honduras, o golpe e o outro lado da moeda...

Desde o início, alertamos que os reducionismos não cumprem boa figura na análise da crise hondurenha...

Pois bem, como prova dessa premissa, li hoje, um artigo na respeitada The Economist, que até agora, traça um panorama mais próximo do que imagino ser a realidade daquele pequeno país...

Não que eu confira crédito absoluto a esse ou aquele veículo, nem seja ingênuo a ponto de desprezar as inflexões políticas de cada discurso, da The Economist ou da rede globo...

Mas talvez, nesse texto, esteja uma boa parte da explicação da dificuldade que a diplomacia brasileira enfrentará...

Antes que alguns idiotas se assanhem: não há dúvidas, em Honduras aconteceu um golpe...ponto...!

Na comunidade internacional, onde quer que se olhe, há um consenso absoluto que a normalidade constitucional e institucional em Honduras foi quebrada...

Só os extremistas de direita, o PIG local, e alguns neoudenistas, viúvas da octaéride fernandista, e outros poucos oportunistas, têm uma visão míope dessa História...Crêem, como fanáticos religiosos que Roberto Micheletti, presidente golpista, é um paladino, à serviço da democracia...

O artigo da The Economist cita um ponto, também, incontroverso: Micheletti e Zelaya são oriundos da mesma árvore genealógica política, representantes da oligarquia local, e talvez por isso, tamanha "reação" do golpistas ao que consideram uma traição: a inflexão de Zelaya a esquerda...Ou seja: para os "democratas golpistas", o presidente não poderia, NUNCA, mudar de lado, sob pena de perder o poder, custe o que custasse...E parece que custou...

Esse imbróglio assume, então, contornos de briga "pessoal", e por isso, grande são os entraves para a negociação, simplesmente, porque não há um debate político em torno da mesa, e sim, sentimentos pessoais, ressentimentos e outros interesses escusos...

Isso, por si, não desmerece a nossa missão diplomática por lá...Ao contrário, a torna mais difícil, porém, muito mais delicada e importante...

A revista revela que apenas 25% dos hondurenhos apóiam, abertamente, o presidente Zelaya, e esse seria o motivo pelo qual Micheletti permaneça onde está...e talvez permaneça, definitivamente...

No entanto, ao contrário dessa conjuntura permitir raciocínios simplistas, do tipo: "viu, Zelaya não tem apoio popular, o "povo" está contra ele, e seus desmandos"...

Não é tão raso e ralo assim...Se o povo não o apóia: que fale isso nas urnas, quer seja em referendos ou eleições...Sem golpes...

Que o Brasil ajude o povo hondurenho a reestabelecer sua Democracia, e que através dela(a Democracia) possam dizer qual presidente querem...Pelo voto, não pelo fuzil...

Mas o desespero golpista de nossa mídia, e de seus "leitores esclarecidos", muito menos o arroubo "revolucionário dos zelaystas ajudarão na solução dessa crise...

PS: esse texto é fruto de minha curiosidade: se Zelaya tem apoio popular amplo, como esse apoio não o restituiu, como Chávez, na Venezuela...? mas isso, como disse, não torna mais fácil o entendimento da situação, como dissemos...Ao contrário, preservar mandatos impopulares é uma causa mais cara à Democracia...É aí que ela deve funcionar melhor...

90 dias...

Hoje, 29 de setembro de 2009, marca um trimestre exato para fim desse blog...Experimentamos, assim, a partir de agoram uma mudança editorial...Serão textos mais longos, mais densos(quanta pretensão...!)...

Outra mudança é a economia nos palavrões e xingamentos...Não por motivos moralistas...Simplesmente porque a tarefa de permitir tais termos, tanto nos posts publicados por seus editores, quanto nos comentários, cumpriu uma tarefa: é possivel estabelecer um debate, com certa qualidade, com limites estéticos e lingüísticos diferentes e mais ácidos...Sem hipocrisia, desde que contextualizados, para evitar a vulgaridade...

É claro que nem sempre é possível ficar dentro do "controle"...Mas não é mais indecente um comentário ofensivo, que uma mulher seminua na TV, ou os "indecentes" editoriais de "coleira" do jornalismo local...A vulgaridade talvez seja maior, embora "embalada" em termos polidos...

Embora qualidade nem sempre rime com quantidade, podemos afirmar que, principalmente, a diversidade de opiniões e de opinadores aqui registrada, nos revela que há espaço para essa vertente, ao contrário do que tentam "empurrar"...
Ou seja, a ditadura dos "politicamente corretos", que cobram comportamentos que não praticam...Ressalte-se que falo da expressão pública de seus comportamentos, pois a parte privada cabe a cada um...

Durante esses últimos dias, temos filtrado uma série de ataques pessoais ao editor do blog, e não pensem que é por medo ou auto-preservação...Quem acompanha esse blog há mais tempo, sabe que essa não é uma característica desse pequeno espaço...Se atacamos com força total, permitimos contra-ataques na mesma medida e proporção...

Mas agora, na reta final, por opção e decisão do editor, o xacal, publicaremos aquilo que achamos contribuir de outra forma o debate político dessa região...

Não tomem, REPITO, não tomem como um pedido de desculpas, arrependimento ou trégua...Não é nada disso...É só mais uma nova experência editorial, da qual temos direito e não abrimos mão...

Aos nossos detratores, o nosso bom e velho: danem-se...Mas creiam, até eles construíram, de uma forma ou de outra, esse espaço, pois como ensinam os antigos: não se apedrejam árvores que dão frutos...quaisquer que sejam eles...

Apressado come crú e quente...!

Em política, ensinam os sábios, não há espaço vazio...É verdade...Ausente da oposição, e do próprio espaço que amealhou junto a sociedade campista, por motivos que já discutimos aqui, o PT corre o risco de queimar etapas, no afã de recuperar o tempo perdido...

Se não há espaço vazio, também é certo que dois corpos não ocupam o mesmo lugar, ao mesmo tempo no espaço...Logo, prudência e trabalho não rimam com voluntarismo e autoritarismo...

Assim me pareceu a declaração da professora Odisséia em adiantar que, possivelmente, será candidata a prefeita de Campos dos G., no próximo pleito...

Primeiro, é um desrespeito a memória do extinto vereador tentar utilizar sua trágica morte como plataforma sentimental no eleitorado...E olhem que como seu adversário, não sou eu quem deve zelar por essa memória...Ao menos, não deveria...

Seus desejos pessoais de poder, do vereador, foram para o túmulo com ele...Não havia garantia, nenhuma, de que seu desejo pessoal se transformasse em desejo político do partido, ainda que o partido se ressinta, justamente, de alguém com essa disposição...Mas a expressão desse desejo, por ele, ou, agora por ela, é prematuro...

Primeiro é preciso fazer oposição, construir um campo político em torno dessa idéia(e dessa necessidade), construir laços políticos para além das vontades pesonalistas, e quem sabe aí, lançar uma candidatura...Lembremos que em 2008, nenhum desses nomes se colocou com tanta disposição para a tarefa, embora houvesse uma enorme demanda social para isso...Se é preciso respeitar essa decisão política de então, também é necessário que esses quadros respeitem o "tempo" partidário para "aceitá-los" como portadores de uma "bandeira" que rejeitavam, até bem pouco tempo...

Ou alguém nesse partido é candidato de si próprio...?

Pareceu-nos que a recém vereadora cedeu aos apelos midiáticos, que andam sôfregos para criar dificuldades para venderem facilidades...A professora Odisséia não precisa do grupo folha de embrulhar peixe podre para legitimar seus desejos políticos, e a instância correta para mediá-los não é a mídia...É o partido, como aliás, cobra a vereadora, sempre que pode, e com toda razão...!!!

Nesse momento que o PT enfrenta seu momento de eleições internas, com a possível definição do futuro da legenda, essa passo apressado atropela o diálogo, e a construção do consenso desejável...

Uma coisa de cada vez...

É preciso paciência para elaborar uma plataforma política confiável, que demova a sociedade de julgar o recente passado petista, aliado ao que de pior existe na política local...

A professora Odisséia é, e pode ser muito maior que essas "armadilhas" que tentam enredá-la...

Ela não pode ceder a tentativa de imolá-la em público pelas escolhas que fez...Mas tampouco, pode usar "um figurino de candidata à todo custo" que parece apertado, pelo menos por agora...É preciso perder "algumas gordurinhas arnaldistas"....

Bom, pelo menos essa é minha esperança...que ficou, confesso, mais abalada desde ontem...

A PEC dos vereadores e a qualidade de nossa representação...

Como em todo debate que propomos aqui, antes é preciso estabelecer algumas premissas, para orientar nossos treze leitores(as) acerca das nossas convicções que mediam o nosso discurso...Como sempre dissemos, não há fala "imparcial", e é preciso repetir isso como um "mantra", frente a toda sorte de estupidez "esclarecida" que ouvimos por aí...

A hipertrofia dos poderes, quaisquer que sejam eles(executivo, legislativo ou judiciário) é uma mazela recorrente de nossos sistema representativo...Todos nós sentimos isso na pele: presidentes, governadores e prefeitos que legislam, juízes que legislam e parlamentares que querem gerir as verbas públicas como executores...O resultado dessas distorções refletem em nosso cotidiano, e entravam o aperfeiçoamento de nossa Democracia...

Por detrás desse debate sobre a vigência imediata ou não da PEC que restituiu a forma de cálculo do coeficiente eleitoral, e não a alterou, como dizem alguns "especialistas", estão questões que vão muito além das especificidades técnico-jurídicas...

Há, é claro, uma tentativa de aprisionar o debate nesses limites(juridicistas), como forma de impedir o reconhecimento óbvio dos interesses que desejam prevalecer...

Essa talvez seja a primeira premissa que devemos estabelecer: não há discurso ou discussão puramente técnica ou jurídica...A própria Lei é um resultado do "acordo político" da sociedade, consagrado no processo legislativo...A fiscalização e aplicação da Lei, por motivos óbvios, nunca será "neutra"...Se assim fosse, as cadeias não estariam repletas de só uma classe social: os pobres, e quase só uma etnia: os pretos...

No campo eleitoral, a judicialização causa conflitos graves, também...Fruto híbrido, dentre outros fatores, da descrença popular em seus mandatários, junto com a inépcia desses em atuar como tais(legisladores), a toga tenta prevalecer sobre o voto...

A postura, ou será impostura(?) do ministro do tse, ayres britto, nos remete a pensar sobre a valoração que a sociedade dá a seu poder de controlar os órgãos criados para administrar o Estado...

Ora, ora, ora, em nenhuma democracia do mundo, um juiz, servidor público de carreira, sobreporia sua opinião ao poder político exercido nas urnas...Ao menos em questões onde a natureza é essencialmente política, e não técnico-jurídica, como já afirmamos...

Se o parlamento reunido, decide por maioria qualificada, alterar a Carta Magna, e desse processo, não sobrem dúvidas "formais" sobre sua validade, nem "dúvidas" políticas, como um juiz pode se arvorar em árbitro de um conflito que não lhe cabe...?E o que é pior: ainda que lhe caiba resolver alguma lide relacionada ao tema, fala por antecipação, fora dos autos, maculando o devido processo legal, e principalmente, o livre convencimento do juiz, que, de plano, já se mostra convencido...

Já falamos aqui, que o crescimento dos poderes da justiça eleitoral é uma aberração nacional...Significa dizer que os partidos e a sociedade não são capazes de auto-tutelar seus próprios conflitos...

Dito isso, é preciso estabelecer a segunda premissa...A restrição do número de vereadores não alcançou nenhum dos "objetivos" desejados, se é que houve alguma sinceridade da parte de quem os defendia...Explico: a diminuição da representação, pelo crescimento da coeficiente eleitoral, só deu contornos ainda mais dramáticos a um processo que se desenrola no processo político brasileiro: a industrialização das campanhas, pois a maior dificuldade em amealhar um maior número de votos para conquistar um mandato, tornou a campanha mais cara, logo, as denúncias de "compra" de votos tornaram-se mais comuns...

E o raciocínio é óbvio: se a eleição se resumiu cada vez mais, a uma questão financeira, logo, os interesses dos grupos dominantes, economicamente falando, tendem a prevalecer e "dominar" o estamento político...Sabemos todos, dinheiro não leva desaforo para casa, não tem cheiro, e por último: não há almoço grátis...Ou seja: quem "compra" um parlamentar, quer que ele "entregue" sua mercadoria, nesse caso: a defesa de seus interesses...

Desde já, afirmamos que essa relação deixaria de ser espúria se fosse feita às claras, e pudesse o eleitor saber quem "banca" quem e, por quê...Mas aqui vigora o sistema da hipocrisia jurídica e política...Mas essa é outra discussão...

De outro lado, o aumento do coeficiente eleitoral ajudou a decretar o fim da militância não-paga, e do engajamento ideológico desses militantes...Eleger um vereador passou a ser uma simples questão da quantidade de "recurso" disponível, "tabelando" os mandatos...

O que sustenta essa visão, é aquele argumento que procura restringir a possibilidade de representação popular, aumentando o "funil" que "filtra" o processo eleitoral...Democracia com a menor quantidade de povo possível, nesse caso, dos seus representantes...

Câmaras maiores são mais representativas, na medida que abrem a possibilidade do cidadão comum, aquele que não possui "vínculos" com o estamento, de apresentar sua candidatura, e tornar-se representante de uma parcela mais fragmentada, e portanto, mais diversificada da sua comunidade...

Não é uma tese popular...A legitimação dos mandatos foi corroída por diversos escândalos, super-dimensionada, mas não inventada, é verdade, pela mídia...No entanto, essa "mídia moralista" sempre poupou, seletivamente, os corruptores privados em detrimento dos corrompidos públicos...Justamente aqueles que "bancam" as campanhas...

Mas os fatos comprovam o que digo: as câmaras não melhoraram a "qualidade" dos mandatos com a diminuição de vereadores, muito ao contrário: em nossa cidade, por exemplo, as duas últimas legislaturas, que respeitam essa configuração que foi revogada pela PEC, são as piores da História, e sobre elas pesam toda a sorte de suspeita pela forma com a qual captaram seus sufrágios...

Não há como evitar: para melhorar a Democracia, só com mais Democracia, e no caso da representação popular, quantidade é sim qualidade...

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

E por hoje é só...

Até amanhã...

TrolHa MuraL...

Leiam aí o recado da outra chapa oposicionista da OAB...

JÚLIO CÉSAR CAMPOS PESSANHA

PAULO CESAR SALEME EYER

RESGATANDO A ORDEM

ELEIÇÕES 2009 – OAB CAMPOS

PROPOSTAS DA CHAPA RESGATANDO A ORDEM PARA A ELEIÇÃO DA OAB CAMPOS 2009

1- LUTAR PARA VIABILIZAR A INSTALAÇÃO DE UMA AGENCIA/POSTO DO BANCO DO BRASIL NO FORUM DE CAMPOS;

2- LUTAR PARA VIABILIZAR A AQUISIÇAÃO DA SEDE CAMPESTRE PARA OS ADVOGADOS;

3- LUTAR PELA CRIAÇÃO DA VARA DO TRABALHO DE SÃO JOÃO DA BARRA;

4- LUTAR PELA CONSCIENTIZAÇÃO DA NECESSIDADE DA UNIÃO E VALORIZAÇÃO PROFISSIONAL, TRAZENDO O ADVOGADO PARA PARTICIPAR EFETIVAMENTE DA OAB CAMPOS;

5- LUTAR PARA VIABILIZAR A INSTALAÇÃO DA VARA DE EXECUÇÕES PENAIS NA COMARCA CAMPOS DOS GOYTACAZES;

6- REALIZAÇÃO DE CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO GRATUITOS NA SEDE DA OAB, COMO OS CURSOS DO CEPAD TELEPRESENCIAIS;

7- VIABILIZAR TRANSPORTE PARA OS ADVOGADOS IREM AS COMARCAS SOB JURISDIÇÃO DA OAB/CAMPOS;

8- VIABILIZAR TRANSPORTE PARA OS ADVOGADOS IREM AOS TRIBUNAIS NA CAPITAL;

9- FISCALIZAR OS NUCLEOS DE PRATICA JURIDICA, PARA PROTEÇÃO DOS ADVOGADOS E DA POPULAÇÃO;

10- VIABILIZAR O MELHOR FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE “SARQUEAMENTO” REALIZADO JUNTO A POLINTER E SEAP;

11- VIABILIZAR O AUMENTO DE VAGAS NO ESTACIONAMENTO DO FORUM DE CAMPOS E SEU MELHOR GERENCIAMENTO PARA ATENDER OS ADVOGADOS COM AUDIENCIAS MARCADAS;

12- AMPLIAÇÃO DA CASA DO ADVOGADO, COM CONSTRUÇÃO DE NOVAS AREAS;

13- VIABILIZAR A IMPLANTAÇÃO DE UM SALÃO DE EVENTOS DA CASA DO ADVOGADO PARA ATENDER OS ADVOGADOS QUANDO DA REALIZAÇÃO DE SUA FESTA, COMO ANIVERSARIO OU CASAMENTO;

14- CRIAÇÃO DE UM RESTAURANTE NA SEDE DA OAB/CAMPOS;

15- LUTAR PELO AUMENTO DE FUNCIONARIOS NOS CARTORIOS PARA MELHOR ANDAMENTO DOS PROCESSOS NA JUSTIÇA ESTADUAL E FEDERAL, EM ESPECIAL NA VARA DO TRABALHO.


Destaque da TRolhA...

O blog cama de gato(camadegatogoytaca.blogspot.com)propõe a dúvida e a gente, repercute:

Contradição

Campos pode ser escolhido para fazer parte do grupo de 26 municípios considerados modelos de gestão de recursos do Programa Nacional de Alimentação Escolar, segundo a diretora da organização não governamental Ação Fome Zero, Fátima Menezes.
Em visita as escolas do município, Fátima ressaltou a qualidade do cardápio da merenda oferecida pelas escolas.
A grande contradição está justamente aí: se a merenda oferecida é de qualidade e pode premiar o governo local por isso mesmo, porque então a prefeitura está terceirizando algo tão bom?
Entre as escolas visitadas estão aquelas que justamente irão fazer parte da experiência de 60 milhões.

O neoudenisno no Brasil: suas faces e seus propósitos...!

Antes de entrarmos em mais esse novo debate, é preciso dizer que tal reflexão foi provocada por um de nossos comentaristas, que às 02:37 da manhã de hoje, no post "Oposição bate cabeça", aí embaixo, nos brindou com algumas questões...Vejam:

Anônimo disse...

"Gostaria muito de saber sua opinião sobre Roberto Freire.
Não consigo entender um ex-comunista se tornar defensor do néo-liberalismo. Seria caso psiquiátrico ou existe explicação lógica baseada na teoria da mais valia?"

Bom, antes de mais nada é preciso situar nosso discurso, para que não páirem dúvidas sobre o tipo de mediação que propomos, e mais além evitar as chorumelas do tipo: "imparcialidade, fim dos cortes ideológicos, blá, blá, blá..."
Acreditamos, piamente, que a História não acabou...Há uma esquerda e uma direita no mundo, embora esses contornos não sejam fáceis de estabelecer, até porque os direitistas detestam se autodenominar como tais, o que, na maioria das vezes, não só os enfraquece, como enfraquece a própria Democracia...Explico: É desejável que alguém assuma e defenda as teses da direita, e se coloque como tal...Tegiversações e malabarismos ideológicos não ajudam...

Dito isso, vamos ao debate...

O "udenismo", face mais palpável do conservadorismo brasileiro nos últimos 50 ou 60 anos, tem, como não poderia deixar de ser, suas características domésticas, mas, de certa forma, é reflexo de um movimento conservador mundial, que toma corpo após a 2ª Guerra Mundial, e assume seu lugar na luta contra o avanço da esquerda e dos regimes socialistas...Ou em último caso, contra governos nacionalistas/intervencionistas não-alinhados, como eram o caso de Getúlio(1950-54) Jango(1961-64)...

Esse debate ocupou boa parte dos esforços políticos mundiais, e assim o é até hoje...Por trás dos lados dessa disputa, visões antagônicas de modelos de gestão do sistema capitalista...Nesse espectro quase dicotômico do cenário ocidental, espremiam-se versões mais à direita e mais à esquerda, que se "escondiam" sobre os "guarda-chuvas" ideológicos e institucionais dos estamentos políticos...

Assim tínhamos, aqui no Brasil, por exemplo, um conservadorismo de centro, apegado às Instituições democráticas, a alternância de poder, fiel as regras do jogo, personificado, no passado em figuras como Juscelino, Eduardo Gomes, e mais recentemente, Tancredo, Ulysses, etc...Mais na ponta, os extremistas, como Lacerda, Magalhães Pinto, ACM, que desembocam em figuras atuais de menor estatura, como Arthur Virgílio, Agripino Maia, etc...

No campo do nacionalismo/progressista também haviam expoentes extremados, como Leonel Brizola, na época, mas que não tiveram chance de transferir essa tradição política às gerações vindouras, em virtude do golpe, que precipitou a esquerda ao extermínio no suicídio da luta armada, ou a acomodação dentro das possibilidades que a Redentora permitia...

No resto do mundo, principalmente, nos EEUU, o pensamento conservador experimentou também suas inflexões, ora com mais tolerância, ora com soluções ultra-conservadoras, como foi o período macartista...

Mas aqui reside uma diferença crucial para entendermos boa parte da guinada à direita desses símbolos anteriores da esquerda nacional, como Gabeira, Freire, Jungmann, César Maia, etc, etc...

O grau de amadurecimento das instituições democráticas nos EEUU, e em outros países que gozavam dessa mesma condição, como França, Alemanha, permitiu que essa onda de conservadorismo ultra-radical fosse superado dentro das próprias regras dessas instituições, ou seja: ainda que a caça às bruxas, o comportamento moralista exacerbado, o religiosismo, etc, etc, se manifestassem no cotidiano de suas sociedade, e que, é claro, impregnassem os entes de governo e da própria sociedade, temos a intuição que a mesma noção formalista republicana desses cidadãos permitiu alternância e superação dessa expressão ultra-conservadora na administração pública do Estado...

Mas lá, nesses países, o ciclo se completou, ou seja, a ultra-direita moralista teve seus candidatos, governou o país, as instituições, e foram, ao término dos seus mandatos(lato sensu)deslocadas do poder...

Aqui no Brasil, esse ciclo ficou incompleto...Quer seja, como já mencionamos, pela ausência de instituições democráticas amadurecidas, pela tradição de hipertrofia do modelo presidencialista que atrofiava partidos e os demais poderes, quer seja pela dubiedade ideológica e teórica da direita nacional, que sempre hesitou em assumir suas bandeiras tradicionais...a defesa do seu modelo econômico, excludente, monetarista e patrimonialista sempre foi diluída em teses genéricas, como família, propriedade, etc, etc...Uma espécie de "oportunismo", na medida que por aqui, nunca "pegou bem" se dizer, abertamente, pró-imperialismo...

Enquanto nos EEUU, e Europa, os cidadãos delegavam aos seus representantes a gestão dos tributos, dentro de modelos claros(intervencionistas ou liberais), aqui, a névoa ideológica escondia o fato de que a direita apenas desejava se apropriar dessas riquezas, em benefício próprio e de seus sócios do exterior...

É claro que nem toda essa "guerra" se deu de forma tão simplista com reduzimos aqui com a pobreza de nossos argumentos intuitivos...

Mas não seria incorreto dizer que nosso udenismo era um macartismo macunaímico...Coisa nossa, mas que impediu nosso povo de optar claramente: entre teses de esquerda ou de direita, o que seria(e ainda é) legítimo em qualquer país civilizado...

Bom, onde entram então o Roberto Freire, Gabeira, e por aqui Sérgio Diniz, Andral Tavares, Hamilton Garcia, Cláudio Andrade e outros...?

Primeiro é bom separá-los na origem, para que possamos melhor entender a "fusão" de todos sob o atual neoudenismo nacional...

Situamos Freire na velha tradição comunista,algo entre o eurocomunismo e a social-democracia, que muito embora, sempre tenham sido íntegros frente às suas bandeiras, sempre encontraram dificuldades para implementá-las como práxis política...De um lado, a própria realidade que se impunha, com todas as mazelas do período de exceção brasileira, de outro, as fraquezas filosófico-ideológicas do comunismo "importado"...Assim como os direitistas bebiam em fontes externas e adaptavam seu ideário, com suas mediações e interesses locais, os ícones da esquerda também foram herdeiros dessa tradição intelectual, a saber: o vanguardismo anti-povo...

Se o udenismo era o vanguardismo moralista e elitista, pai da tese de que a democracia seria muito melhor enquanto a maior do povo ficasse alheia a ela, até que "aprendesse" a votar, o comunismo tradicional era o vanguardismo revolucionário que, nesse ponto, tocava seus adversários: também pregavam que só os "iluminados" construíram uma plataforma política que "libertasse" o povo...Apegados a "religião marxista", entendiam que a parte da população que não se encaixava no "modelo economicista da luta de classe", deveria vir a reboque do operariado "conscientizado", dos intelectuais de vanguarda...

Ora, é nessa matriz ideológica que têm em comum, a incapacidade de interlocução com as massas marginalizadas, ou sub-humanos, ou o lumpen-cidadãos, que se unem os neoudenistas...Hoje...

Gabeira é uma versão mais polida desse neoudenismo, e talvez mais recente...Sua experiência na guerrilha, na extrema-esquerda, paradoxalmente lhe confere as credenciais para o discurso neoudenista mais radical, aquele que transita entre a zona sul carioca e a Oscar Freire nos jardins paulistas...

A inflexão desses "ícones da esquerda nacional", ombreando o conservadorismo de direita, como linha auxiliar, nada mais é que a constatação de uma fato: sem as bandeiras da vanguarda esquerdista, que de certa forma foram apropriadas pelo pragmatismo petista-lulista, que se incorporou como fenômeno de massas inconfundível, e pelo menos, até agora, insuperável, sobrou aos ex-esquerdistas a bandeira da ética na política...

Desqualificadora da política e das instituições, porque precisam desmerecer as escolhas populares dentro desses instrumentos representativos, servem como uma "luva" ao discurso privatista das elites financeiras direitistas, que precisam fazer crer que tudo que é público é ruim, pelo motivos óbvios: quanto menos Estado, mais lucro, mesmo que seja em sacrifício do bem estar social...É o Estado sem povo...

É, enfim, a convergência de dois lados que tiveram a mesma gênese ideológica: Imaginar que o povo não sabe escolher...

Aqui em nossa planície, a pérola neoudenista se consagra nos integrantes de uma certa classe média, associada ao poder econômico e a meios tradicionais de mídia...Incapazes de assumirem suas bandeiras conservadoras, na defesa da diminuição do Estado, do patrimonialismo da gestão pública, esses setores buscam na "moralização da política" uma cortina de fumaça que esconda os conflitos de classe que permanecem, e da dúvida crucial: a quem serve o Estado...?

Esse neoudenismo local se beneficia do clima de frustração provocado pela falência dos modelos políticos que tinham "apelo popular", a dinastia da lapa...Aqui, um parêntese: o tema populismo/conservador merece um capítulo à parte, que trataremos em outro post...
Mas de plano, é bom dizer: esse populismo/conservador difere do neoudenismo por um detalhe: ele "valoriza" a apoio popular, mas mantém esse apoio sob controle restrito de seus interesses táticos, onde o direcionamento dos meios da população de influir no debate político são limitados pela vontade do "chefe" do grupo político...

Mas o limite da superação que os neoudenistas propõem ao populismo/conservador é claro...

Não se trata de implantar modelo de administração inclusivo, que resgate grandes parcelas da população marginalizadas, ou ainda, que utilize o Estado com agente indutor de desenvolvimento humano radicalizado...Os neoudenistas querem só retomar os sistema de privilégios que gozavam, sem alterar as estruturas da desigualdade...

O discurso moralista, é por excelência, imoral porque defende uma retidão que é apenas na forma, e não de conteúdo...

Por exemplo: não adianta apenas afastar os vícios de uma licitação que preveja a terceirização da merenda escolar...É preciso afastar a própria idéia de terceirização, que é nefasta aos cofres públicos por sua natureza...

O privilégio de teses privatistas no âmbito da administração pública só restringe a possibilidade de controle do público sobre o que é público...Logo, menos controle, mais corrupção...

Isso é o que os neoudenistas não dizem, e nunca dirão...

Sem palavras...


Esse adágio é recorrente: uma imagem vale mais que mil palavras...Eu digo mais: existem imagens que nos deixam sem palavras...A foto é do Antônio Cruz, que reproduzimos lá do blog do Ricardo André...

Respiração suspensa na América...

Já escrevemos por diversas vezes nossa opinião sobre o que ocorre em Honduras...
O sucesso de um golpe dessa natureza, abre precedentes perigosos na região...
A possibilidade de uma intervenção externa, com invasão de Honduras, por um, dois, ou uma coligação de países, não é desejável...
Corremos o risco de criarmos outro Haiti...

A aplicação de sanções econômicas têm efeito duvidoso, sim, pois aprofundam a exclusão e os privilégios das elites, e o povo sofre ainda mais, e tende a corroborar a "tese" dos inimigos externos, e cerra fileiras em torno de medidas paternalistas dos governos autoritários...A escassez acaba por fortalecer os déspotas...

O presidente Obama parece ter entendido a gravidade do problema, e por motivos que cabe a ele julgar, deu o recado: os EEUU manterão distância segura da crise, o que não quer dizer que não vão agir...
Mas aqui reside um pensamento maquiavélico: os EEUU e Obama vão deixar a"corda" esticar até o limite, onde o povo latinoamericano e o hondurenho "peçam" uma invasão como única saída...Os estadunidenses sabem o custo de uma ação militar sem legitimidade política...

Quem corre contra o tempo é a Democracia e as Instituições do Estado de Direito em toda a região, já dissemos...

A própria liderança e capacidade do Brasil em arbitrar conflitos como esse, ônus inerente da sua força regional, está em jogo...

A mesma mídia golpista não hesitará em se transformar em chauvinista e exigir uma retaliação violenta do Brasil, se assim achar que isso serve melhor aos seu único interesse: desgastar a imagem do Presidente...E como no ambiente interno, os nossos golpistas da mídia parecem ter esgotados suas possibilidades, buscam, sôfregos, um episódio externo para alcançar seu intento...

Como vemos, não se trata apenas de Zelaya e seu pequeno país no centro da América...Mas ironicamente, podemos dizer que eles hoje, são o "epicentro" da América...

O golpista Micheletti entende isso, e portanto, de forma irresponsável e pré-assassina, articula um conflito de largas proporções...Assim poderia esconder seus atos sob o fumaça e fogo de uma solução violenta...

As guerras são úteis para os tiranos, e a História nos ensina isso...

Mas a América não deve aceitar o convite de Micheletti para "dançar" essa valsa de sangue...

Aguardemos...em respiração suspensa...


As represálias da discórdia contra as sandálias da humildade...

Depois dizem que é implicância...Não, não, não, meus caros treze leitores(as)...Vamos ficar reclusos em nossa insignificância, e deixaremos o pleito da OAB, em novembro, de lado...Mas tem coisa que dói nos olhos...

Leiam um trecho de um texto do candidato da OAB, um dos candidatos da oposição:
"(...)A Comissão de Prerrogativas da OAB de Campos é o 'retrato' de seu Presidente: uma Comissão acanhada, que evita o confronto direto por temer represárias. (...)"

Dessa vez, o grifo foi dele...Será que seus leitores virão aqui com represálias...?
Deve ser por isso que ele ataca tanto a realização de seminários e eventos de especialização promovidos pela atual gestão da OAB...

É verdade...concordamos com o candidato da oposição...Urgente que a OAB promova um "cursinho relâmpago" de comunicação oral e escrita...

domingo, 27 de setembro de 2009

Oposição bate cabeça...

Durante a semana, vários temas se sobrepuseram, e ficamos impedidos de colocar para debate desses nossos treze leitores(as), os resultados das últimas sondagens sobre a corrida presidencial...

Antes, é preciso tecer algumas considerações preliminares...

Dizer que o qualquer avaliação é precária e prematura não adianta, todos sabemos...É preciso ir além, e evitar o sedutor jogo de projetar a análise conjuntural presente nesse tempo impreciso que é o futuro...Tão impreciso que nem pode ser chamado de tempo...

Hoje, o principal candidato da oposição, e conseqüentemente, o campo da oposição, aí reunidos os demos, tucanos e legendas auxiliares, como pps e pv, não conseguiram construir uma plataforma sólida de lançamento de seu projeto...Talvez essa constatação leve a outra mais grave: a oposição não tem projeto algum...
Com o advento da derrocada das teses neoliberais, soterradas sob os escombros do muro de "Wall Street", os temas que lhes eram caros, e que de certa forma, confrontavam o modelo intervencionista preconizado pelo PT e pelo governo Lula, diluíram-se como poeira, varridos pelos vendavais da crise subprime...

No campo interno, não foi possível a oposição, pelo menos até agora, "criar" uma outra realidade...
A economia vai bem, os índices de emprego começam a dar sinais de recuperação, a "marolinha" era só mesmo uma franja d'água na superfície, e não uma vaga gigantesca, como disseram as pitonisas do mercado, a população mais pobre começa sua gigantesca migração para andares mais altos da pirâmide social, o ensino superior experimenta sua maior expansão da História, a recuperação da Petrobrás, a interrupção de sua privatização "branca", que possibilitou a descoberta de jazidas inimagináveis de petróleo, etc, etc, etc...

Mesmo com a revelação das "crises de ética", marteladas sistematicamente pela mídia, e algumas que possuíram até algum apelo, não foi possível demolir a mais sólida aprovação de um povo ao seu presidente...

Não é um governo perfeito, é claro...Tem várias e inúmeras falhas...Falhas graves...Mas foi justamente a escolha em apontar e alardear apenas os julgamentos "morais" do governo, que subtraiu da oposição a possibilidade de discutir temas estruturais, ainda que pelo viés conservador, mas que poderiam ter amadurecido nosso debate político, e enfim, nossa Democracia...

O governo Lula sequer tocou na estrutura tributária brasileira, que cobra do dono do Bradesco o mesmo valor de IRPF que você, caro leitor...Também não extingüiu, e ou abrandou os tributos para os mais pobres, que têm seu valor de compra subtraído com a pesada taxação dos seus itens de consumo: alimentos...
Lula vacilou diante da crise Daniel Dantas...Havia ali uma chance de avançar na revelação de como se movimentam os interesses escusos do grande capital, e como a grande mídia se associa a eles...
Houve muitos outros erros...Mas a realidade é: os acertos foram muito superiores, e atenderam a expectativa dos eleitores do presidente, e nem toda a mídia foi capaz de embaçar esse diálogo...
Talvez essa seja a melhor coisa do governo Lula: descobrimos que a mídia não é mais capaz de "fabricar realidades"...

A hesitação do governador Serra e dos tucanos, em definirem uma candidatura, é o reflexo da incapacidade da oposição em afinar um discurso que vá além do "veto" a esse(a) ou aquele(a)candidato do Governo...Não há bandeiras para a oposição, não há realizações para se contrapor aos avanços do governo...O recall do Plano Real já foi diluído na memória, e incorporado pelo inconsciente coletivo...

Ciente disso, Lula já espalhou candidatos, e os experimenta nos cenários prováveis...O desespero da oposição é a constatação de uma fato: Lula não entregou o "comando" da agenda eleitoral a oposição...O seu capital político, diferentemente do parco apoio que FFHHCC reunia em 2002, lhe permite "dar as cartas" nesse jogo...

Até o pmdb, que posava de grande "fiador" da governabilidade, foi exposto pela mídia e pelos "vestais" da oposição, e se tornou um "refém" do prestígio do presidente...O pmdb, hoje, "come na mão do governo", e não ao contrário, como gostavam de propagandear...

Hoje, Dilma e Ciro já ganham Serra ou Aécio...É essa premissa que a mídia fingiu desconhecer, e sequer ressaltou em seus editoriais...Preferiu, pelos motivos óbvios, buscar algum ponto de referência que desqualifique a candidata preferia até agora...

Desesperados, vão ter que enfrentar um fato irrefutável: o governo e o presdiente são os melhores cabos eleitorais dos candidatos do governo, quaisquer que sejam eles...

Autópsia de um jornal...Parte 1: evisceração...

Um bom exemplo de como funciona a visão das pessoas sobre a coisa pública, está no pequeno debate que se deu, após a publicação do post(A estatização do monitô-nem aí...?) aí embaixo, onde tratamos das agruras do jornal monitô-nem aí...

Antes de definir uma agenda, que coloque em pauta o uso do dinheiro público, e onde e como esse dinheiro deve ser utilizado, os defensores do jornal centenário, parte do espólio do Grupo Assis Chateaubriand, uma espécie de Roberto Marinho do anos 40 e 50, querem definir uma "escala" de merecimento, que os tornaria "mais" aptos, ou legitimados a receberem favores do governo municipal...

Para sustentarem tal absurda argumentação, apontam a promíscua e nebulosa relação dos outros meios de comunicação com o poder público, como se o fato de reconhecermos essas aberrações em relação a esses outros veículos, conferisse ao monitô-nem aí, por causa dos seus "predicados", um habeas corpus, ou um salvo-conduto para participar do mesmo esquema...Ainda que concordemos com esses "predicados", só há uma forma de aquilatar com justiça quem contratará com o Erário, e chama-se: licitação...Há, é claro, dispensas e inexigibilidades previstas em Lei, mas essas são excepcionais, e não parecem apropriadas nesse caso...

Tudo em nome da "tradição", e da suposta "proeficiência" dos jornalistas daquela redação, em detrimento de seus concorrentes...Não entraremos aqui, no mérito dessa questão, até porque já expressamos o que pensamos dos jornais aqui da cidade, inclusive, apontamos como possível causa-efeito, o fato de contarem com os piores editores-chefes que o "nosso" dinheiro(nós, contribuintes)podemos pagar...Sim, porque essa discussão toda nos leva a uma certeza: sem dinheiro público em Campos dos G., não há jornais...!

A questão aqui é outra...e os paladinos do monitô-nem aí apelam para os "rótulos" e as simplificações rasas, como "golpe", "armação", etc, etc...

Não enxergam que o que está sob ataque é o modelo de gestão subvencionado pelos cofres públicos...Um escândalo...

O monitô-nem aí prestou relevantes serviços a comunidade...? Ótimo...Deixemos a comunidade e os anunciantes pagarem por sua continuidade na prestação desse serviço...

Como já dissemos, os inimigos do monitô-nem aí não estão só do lado de fora, representados por seus "concorrentes" pelas "mesadas oficiais"...O principal inimigo do monitô-nem aí está entranhado em suas vísceras...Que aliás, com esse discurso pueril de "golpe", começam a ficar à mostra...

sábado, 26 de setembro de 2009

A estatização do monitô-nem aí...?

Corre por aí a notícia de que a PMCG estaria "estudando"(o que já prenúncio de desastre)uma forma de "incorporar" ao patrimônio público municipal os restos mortais do monito-nem aí...Suas instalações físicas(a sede da redação), sua "marca", etc...

Pois é, seria a premiação com dinheiro público ao fracasso, ainda que subsidiado, de forma generosa, pos esses mesmos cofres com a mesada "diário oficial"....

É mais um chute na "alegada memória do jornal"...Sim, pois aqueles que desejam a preservação de sua suposta contribuição ao jornalismo "independente", deveriam corar de vergonha ao propor, e ou aceitar esse tipo de esmola oficial...De acordo com as informações publicadas no blog Urgente!, poderia ser mantido alguma função jornalística da secretaria de comunicação utilizando a mesma marca, acrescida da epígrafe "diário oficial"...Ora, ora, ora, seria muito cinismo...Como se "oficializassem" o que já foi feito por décadas e décadas a fio...

Uma das únicas possibilidades sérias de preservar o espólio desse veículo seria a digitalização de seus arquivos fotográficos e edições, depoimentos de seus colaboradores, desde que o recurso público não fosse o único patrocinador dessa providência...Para isso, aí estão os apoios privados, e as leis de incentivo a cultura, ou ainda, a política de incentivos culturais da Petrobrás, por exemplo...Às favas com prédios e edificações...Não reside ali a alma de sua redação...Essa, nada mais é, que uma visão "patrimonialista", que no fundo, no fundo, é defendida por boa parte de nossa sociedade, inclusive por aqueles que se dizem defensores do interesse coletivo...

Não nos esqueçamos: o jornal monitô-nem aí é uma empresa privada, parte de um condomínio, pertencente aos herdeiros de Assis Chateaubriand, o Roberto Marinho da década de 40 e 50...

Se pairam sobre a Lira de Apolo, sobre o Solar dos Ayrizes, dentre outras propriedades privadas, os impedimentos legais de se utilizar, diretamente, dinheiro público nas suas restaurações, como justificar fazer o mesmo com um jornal, ainda que centenário...?

Descanse em paz, monitô-nem aí...Agora, aguardemos o féretro dos outros jornais, que não tardarão a passar...

Fica uma certeza: o mundo não acabará se Campos dos G. ficar sem jornais...Pelo contrário, é possível que fiquemos bem melhores...Os contribuintes campistas farão uma boa economia de seus impostos...

Por onde anda...?

Dias desses perguntamos por onde andam certos temas que monoplizaram as pautas jornalísticas, como: lina vieira, gripe suína, sarney & os atos secretos, globo X record, etc...?

Por aqui, muita estranheza causa, também, que o tema Açu e desapropriação tenham sumido do noticiário, logo após(só pode ser coincidência)um "acordo pelo desenvolvimento em SJB", sabe-se lá desenvolvimento de quê, e para quem, celebrado pela prefeita machado e seus ferrenhos opositores na câmara local, entre eles, o presidente do parlamento municipal...

Será que é só coincidência mesmo...?

Pensando bem...

Nada mais adequeado que uma secretaria que se chame da Família, onde o titular seja o primeiro-primo...

xacal, o primo Basílio e Bastardo...

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

TrOlha também é cultura...

A revista Aventuras na História(editora Abril), desse mês, traz matéria interessante, em sua página 44 até 49...O título: O mal em pessoa...

Trata das várias denominações do mal, e suas simbolizações em diversas culturas, a partir de um ponto em comum: a visão dicotômica, comum a toda a Humanidade, que tornou mais fácil construir sua escala de valores e sua ética, baseados em representações do bem e do mal...Lógico que mentes um pouco mais sofisticadas encontram mais nuances entre essa divisão tão simplista, porém tão eficiente, pois é capaz de ser apreendida por todos, de forma universal...

Mas não deixa de ser curioso, e como tais nomes não nos causam nenhum terror, dividimos com vocês, divirtam-se:

Satanás, Satã, Espírito Imundo(Evangelho de São Marcos), Espírito da Mentira(para São Paulo) O Tentador, Tinhoso, Capiroto, Chifrudo, Cão, Besta, Lúcifer, Shaitan(para os árabes, que significava: acusador ou adversário), Diabolos(para os gregos: difamador ou separador), Daimon(gênio ou espírito, também em grego), Belzebu(senhor das moscas, em hebraico),etc...

Outras entidades "menores", em outras culturas:

Trolls: anões ou gigantes, sempre diabólicos e mais poderosos na escuridão...Mitologia escandinava;
Lilith: Demônio feminino em várias culturas...Imaginado como fantasma sugador de sangue...Para outros, foi a primeira mulher de Adão, substituída por Eva;
Gog e Magog: demônios de feições caninas, populares entre muçulmanos;
Belial: Príncipe das Trevas, segundo o Corão;
Asuras: Seres diabólicos do hinduísmo e budismo;
Harit: Demônio feminino, que influenciado por Buda, teria mudado de lado;
Ahriman: Príncipe do mal, de acordo com o mazdeísmo, antiga religião persa;
Kaukas: Duendes, ora travessos, ora malignos...Mitologia lituana e finlandesa...


Boa noite, e tenham bons sonhos...!

TrolHa MuraL...

Leia aí a mensagem de outra chapa concorrente a eleiçãoda OAB/Campos dos G....

ACREDITE E MUDE A ORDEM DE VERDADE.
A MUDANÇA É POSSIVEL E SÓ DEPENDE DE VOCÊ!!
POR ISSO, SUA VERDADEIRA OPÇÃO É:
JÚLIO CÉSAR CAMPOS PESSANHA
PAULO CESAR SALEME EYER
RESGATANDO A ORDEM
ELEIÇÕES 2009 - OAB/CAMPOS-RJ

Todos são levados a acreditar que a campanha para a Presidencia da OAB/Campos só terá duas chapas, a do atual Presidente Felipe e de Claudio que se diz oposição. Devemos ressaltar que o Sr. Claudio é do grupo que elegeu o atual presidente. Desta forma como pode se considerar oposição ou mudança e somente largou o atual grupo que esta no poder quando viu que não seria o candidato da situação!? A verdadeira opção de mudança para os advogados é a chapa formada pelo Dr. JULIO CESAR CAMPOS PESSANHA E DR. PAULO CESAR SALEME EYER.

Maiores informações com a Dra. Milena Rocha.
Email:
milena.mila@gmail.com ou juliocampos.oabrjadvogado@gmail.com

Tem jeito...

CAMPOS DOS G. TEM SOLUÇÃO...PAREM DE NOS MANDAR ROYALTIES...

Cada sociedade tem a polícia que merece...

Todos dirão em uníssono: baixos salários não garantem o fim da corrupção policial...Ou ainda: salários não garantem a eficiência da Polícia...

Como todo discurso, esses argumentos valem para vários enfoques...Mas há alguns que não podem mais ser desprezados, afinal, segurança pública deveria, dissemos, DEVERIA ser um tema sério...

O (des)governador cabral júnior, que consegue(será por que...?)mesmo com apoio descarado de toda a mídia de coleira, amargar índices de aprovação, e de intenção de votos, talvez piores de que quando esteve em campanha, em 2006, anunciou ontem o "aumento" de vencimentos para os servidores da segurança pública(polícias e bombeiros)...

É verdade, como dissemos: salários não garantem policiais incorruptíveis, assim como não garantiram juízes incorruptíveis, promotores, médicos, dentistas, advogados, engenheiros, garis, professores, pilotos de F1, jogadores de futebol, deputados, prefeitos, governadores, etc, etc...

Mas o tema é mais complexo que isso...Vai além do senso comum, que nem sempre, é bom senso...
Trata-se de valorizar a carreira, e diminuir a "zona de risco", a qual estão expostos quem lida DIRETAMENTE com o crime, e com toda "sedução", e "assédio" que o dinheiro fácil tem sobre sua realidade de carência e abandono...Junte-se a isso, o "aparelhamento político-partidário" dessas forças policiais, e toda a "série de favores e prioridades" que os policiais devem se ater, sob pena de serem jogados no limbo profissional, ou pior: para bem longe de suas casas e famílias...Ainda assim, alguns resistem, e se "viram" como podem...

Costumamos fazer uma "conta" para exemplificar o que falamos: de cada 100 pessoas de toda a sociedade, nesse caso aqui, falemos de policiais, retire 20%(ou 20 delas) incorruptíveis sob quaisquer condições...Com pouco ou muito dinheiro...outros 20%(mais 20 delas)são corruptos "geneticamente"..."venderão" seus "serviços" com qualquer salário e com qualquer cargo que ocupem..Juiz, policial ou gari...só mudará o preço, vinculado ao peso que "seus favores" representam...Varrer uma calçada, prender ou sentenciar alguém...
Restam então, outros 60%(sessenta pessoas)...Essas, atuam em um zona "média e cinzenta"...Oscilam de acordo com as circunstâncias, demanda, oportunidade(leia-se: chance de ficar impune)...

É nesse patamar(60%) que a sociedade deve pensar...Vale à pena arriscar que bons policiais cedam às "tentações", ou o dinheiro público deve servir ao público...?
Quer dizer: pagar bons policiais para que continuem a ser bons policiais e garantam(às vezes com sua vidas, não esqueça)nossa segurança...e não se voltem contra nós, ou pior, não se transformem em "milícias" de grupos políticos ou de outros grupos privados, e de si mesmos...?

Para que serve o dinheiro público...? Para tornar policiais mais próximos dos 20% incorruptíveis, ou para "apostar" na integridade pessoal de cada um, e correr o risco de serem "recrutados" pelos outros 20%...?

Com esse patamar de 5% de reajuste, o (des)governador sinalizou claramente que polícia ele quer...polícia submissa, descartável e manipulável...enfim, uma polícia barata, que se troque por alguns trocados, ou alguns favores...

Resta saber se é essa polícia que a sociedade(que vota no governador, e enfim é a "patroa" de todos, policiais e governadores) quer...?

É essa polícia que você quer...?

Fica outra pergunta: se é verdade que salário não significa competência(isoladamente, falando), por que as melhores polícias do mundo são as mais bem pagas...?

Não se esqueça: não se faz polícia com 20% de heróis, abnegados e incorruptíveis...Heróis são bons para filmes e quadrinhos...Polícia é o reflexo de nossa sociedade...com os mesmo anseios, necessidades, desejos, e...erros...muitos erros...!

É preciso dizer que boa parte dessa situação é fruto de uma escolha política da sociedade, que não é só vítima de maus policiais e maus governantes...é também cúmplice...Afinal, quem dispõe de algum recurso, ou se julga em uma posição mais destacada na sociedade, sempre espera "negociar em separado", e ter uma "proteção", ao invés de submeter às regras, que deveriam valer para todos...

Reconhecimento, recompensa e controle/punição para os desvios...não tem mistério...ou tem...?

Veja quanto vale a sua, a minha, a nossa segurança...