terça-feira, 1 de setembro de 2009

Outras considerações sobre as mudanças no patetado da lapa...

Nossos treze leitores(as)já estão cansados de saber, mas não custa repetir, embora as deficiências pessoais dos patetas-secretários sejam importantes fatores que contribuem para o imobilismo do (des)governo, é antes de mais nada, o modelo de gestão que deve ser criticado, ou melhor: a ausência de um modelo de gestão, que empurra a administração municipal para o arbítrio de esferas não-institucionais, ou em outras palavras: prevalece a vontade do napoleão da lapa...

Nesse sentido, pouco ou nada eficaz é fazer gincana de atributos ou defeitos pessoais dos integrantes do governo...Suas incapacidades se "encaixam" em um contexto, e isso é que tem que ficar claro...

A nomeação do secretário-pateta, o primo-napoleão, para a promoção social é um exemplo disso...Alardeado com um quadro "técnico", que sobrevoa as nuances políticas(como se isso fosse possível), eficiente e eficaz(?), o primo-napoleão não apresentou até agora, embora tenha sobrevivido a troca de governantes, qualquer esboço de política pública digna desse nome na pasta que ocupava, a defesa civil...
Resumido a se deslocar em emergências que se repetem, e por isso mesmo, descaracterizadas como tais, nunca formulou qualquer plano de intervenção do poder público para prevenir e minorar as causas dos desastres naturais e não-naturais que assolam a cidade perenemente, portanto, previsíveis e contingenciáveis...

Como um "sócio-involuntário" do quanto pior melhor, fez sua "capacitação técnica" na repetição dessas emergências/urgências, mostrando assim sua utlidade no quanto pior melhor...

É essa teoria, a da mera reação aos desastres, a da incapacidade contemplativa e fatalista de que não há o que fazer para prevenir, e só resta remediar, que vai para a secretaria de promoção social...É a teoria do desastre...
O que assusta é o silêncio da sociedade civil organizada e dos partidos de oposição a esse descalabro...mais esse descalabro...
O conselho de assistentes sociais silencia frente ocupação do órgão resonsável pela execução das políticas públicas sociais por um secretário de emergência...

Pode-se, de forma cínica, dizer que a situação social em Campos dos G. até é compatível com um perfil emergencialista/urgentista...Mas as pessoas sérias desse setor sabem que só um trabalho de médio e longo prazo pode, realmente, debelar as raízes do flagelo social da exclusão e marginalização que atingem grandes faixas de nossa população...

No jargão da "defesa civil": Não basta tirar o gatinho da árvore, tem que saber porque ele subiu lá...

6 comentários:

Anônimo disse...

Sabe porque não vai ter desfile de 7 de setembro? Porque a Prefeitura não comprou uniforme para s os alunso. Está dando problema com a empresa fornecedora. E dizem que o deputado Pudim é um dos donos. Babado forte.

Anônimo disse...

Caro Xacal, sendo seu leitor de carteirinha tenho que neste comentario discordar de sua pessoa.
Infelizmente não podemos colocar na "conta" de Dr Henrique a mazelas das mudanças climaticas as quais todos os seres vivos tem contribuido para modificar. o Dr Henrique a contrario tem com o menor orçamento das autarquias publicas , fato que pode ser facilmente comprovado se o sr viesse a procurar na controladoria do municipio os gastos da Defesa Civil. Queria relembrar que mesmo passando por varios governos sem ao menos ser acusado em qualquer ato ilicito mantendo-se pelo seu trabalho e nem ao menos almejar cargos eletivos. Creio que a população de Campos reconhece este trabalho e certamente dara um voto de confiança e principalmente de trabalho ao Dr Henrique que tem provado por mais de 20 anos sua capacidade de trabalho com a população de nossa Campos.

Xacal disse...

caro comentarista,
respeito, democraticamente, sua opinião e agradeço, desde já, a participação, mas veja só:

o eixo da análise não é pessoal, mas o modelo no qual henrique, o napoleão-primo está inserido...ele, talvez, seja a perfeita síntese do que falo, pois como orbitou entre as duas facções, exemplifique o fato de que essa facções são galhos da mesma árvore...

mas ainda assim, vamos as "dificuldades" orçamentárias do primo-napoleão:

dinheiro não é sinônimo de que as coisa vão dar certo, pois campos dos g., nesses últimos 20 anos, é o exemplo acabado disso: mais dinheiro, menos competência...

assim sendo, cabe dizer que a defesa civil é uma secretaria que trata de um tema "transversal" a todas as demais, como o de ambiente, por exemplo...Ou seja, o planjamento e prevenção em defesa civil deveria permear todas as outras intervenções dos outros órgãos, com obras, infra-estrtutura, ambiente, educação, saúde, etc...se ele não tem peso político e capacidade para tanto, é outra coisa...

quando se faz uma estrada, por exemplo, ou uma outra obra pública, lá deve estar o planejamento e princípios de defesa civil para ver se a segurança, prevenção a sinistros, zona de escape, contingenciamento, enfim, foram obedecidas...
para isso, é preciso muito pouco dinheiro, e mais vontade de fazer...

quanto a honestidade, meu caro, eu acho que ela não deve ser considerada como uma qualidade, e sim uma obrigação...ou não...??

um abraço...

Xacal disse...

PS: se as mazelas climáticas e seus efeitos são perenes(se repetem), então porque o primo-napoleão continua a trabalhar como elas fossem "surpresas"...???

Anônimo disse...

Xacal, vou tentar me explicar:
Tenho que concordar que haveria de ter mais organização e planejamento em atendimento a desastres, mas isso depende somente da Defesa Civil? Ou vontade dos outros orgãos? Gostaria de citar Grupo de Ações Coordenadas (GRAC) idealizado por Dr Henrique que infelizmente não teve prosseguimento por falta de interesse dos outros orgãos (http://www.campos.rj.gov.br/noticia.php?id=12654).

Em resumo "uma andoria não faz verão"

Xacal disse...

caro comentarista,

aí sim, entra o componente "pessoal" de cada um, ou seja: se ele não tem peso político para colocar como prioridade essa "agenda" justa e necessária de "planejamento e controle de crise" dentro dos governos(passados ou atuais-que são a mesma joça), por que ficar no cargo...??? enfeite...???ou para emprestar sua "credibilidade" a essa política meramente reflexiva, que você mesmo concordou que existe...???ou só por um "desejo" pessoal de ser útil quando tudo estiver um caos...??? masoquismo, sadismo ou os dois juntos...???

um abraço...