quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Briga de lavadeira...

Tenho a tendência a concordar com a maioria dos comentaristas...Quando utiliza o "púlpito" da folha de embrulhar peixe podre para apresentar suas críticas, muitas delas coerentes, diga-se de passagem, um emérito professor de nossa cidade, renomadíssimo pesquisador, e especialista nos assuntos do ambiente, aluga sua credibilidade para quem não a tem...
Não custa lembrar que o grupo de mídia em questão, funcionou, como dizem os Democratas estadunidenses, com um partido político...E logo o professor, que detesta partidos...!

É certo que os meios de comunicação devem ser as ferramentas para apresentarmos nossa indignação, mas há outras instâncias, que efetivamente, podem estabelecer uma interlocução com os setores da sociedade civil, com o objetivo de fortalecer as pressões políticas em cima desse governo...

É verdade que o curriculum vitae do secretário (sem) defesa é dos piores...Nebuloso, até...Mas o fato de não ser um especialista na área não significa absolutamente nada...
Faltou também dizer, que essa escabrosa situação não vem de agora, e o governo que o grupo de mídia, no qual o professor desfiou seu rosário de críticas, é, de certa forma, cúmplice do problema...

O problema é político, escolhas políticas, atendimento aos princípios da moralidade na administração...Exigência por tecnicismos não leva a lugar algum, e é uma falsa polêmica...Se assim fosse, nossa saúde estaria uma beleza, a educação idem...O secretário de administração, então, cheio de "especialização"...Nem falemos do "especialista da secretaria de fazenda, incapaz de criar um política pública tributária que torne esse município menos dependente dos royalties...com aumento de arrecadação, cobrança dos devedores, e a adoção de princípios justos: quem pode mais, paga mais...quem pode menos, paga menos...

A fala do professor pareceu mais o reclamo de alguém amargurado, que nunca teve a coragem de colocar seu conhecimento a serviço da sociedade, a não ser em entidades "ambientalistas", com uma agenda neoudenista-leblon...

É uma fala purtista, exclusivista, estéril, pois nada agrega...É anti-política, em sua essência...

Pior que isso, só a resposta do secretário (sem)defesa, que disse que não deve satisfação a ninguém...O que é isso, não são os contribuintes que pagam seus vencimentos...? A quem que ele deve dar contas...? Aos empreiteiros e amigos...?

2 comentários:

Anônimo disse...

Senhor,
Suas ponderações são perfeitas. Junto ao especialista ajudei a escrever o livro Muda Campos, que foi a base de lançamento do ex-governador à prefeitura pela primeira vez.
Naturalmente o meio ambiente lhe foi oferecido e ele se negou emprestar seus conhecimentos - e eram parcos ainda - a bem de Campos.
Foi para a "academia", vestiu a toga de maior entendedor local do assunto, critica aqui, critica alí, mas nunca se associa publicamente para um bom combate.
Faz da Folha da Manhã seu panfleto, o que é interessante para o matutino. Afinal, para dispor tanto tempo para seus compromissos com o jornal quanto recebe?
Se nada é porque gosta de refletores.Pois, cada palestra sua é muito cara. Sempre lhedediquei muito respeito, o que foi diminuindo à medida em que ele começou a menosprezar a todos os que lutam realmente pela ecologia e se achar o Deus único e absoluto.
Na verdade a sua grande vontade é estar no lugar do Minc. Qualquer outro cargo lhe ofende, até mesmo em simples conversas com amigos ele solta aquela risada irônica nos chamando a todos de ignorantes.
A diferença é que a gente luta na prática e ele aparece na foto.

Anônimo disse...

Xacal,
O professor Aristides tem muitos conhecimnetos. Agora pergunto para que servem estes conhecimentos, se ele não são utilizados pelo professor na prática para transformar? O que Aristides gosta é de ficar dando entrevista e mais nada. Só critica não constrói nada. Convida-o para alguma função pública, que ele negará de plano. Se acha o tal. Aristides busque um psicanalista para ver se você cura esta sua crise existencial de achar que só você é certo e o outro errado. Você já é mais uma figurinha carimbada da cidade. Um Abraço.